11 de abr de 2019

A “igualdade” socialista é uma mentira contada pelos tiranos





Epoch Times, 10 de abril de 2019 




Por Joshua Philipp




Durante os últimos 100 anos, o socialismo e seus tiranos que procuraram criar sistemas comunistas produziram fome, genocídio, totalitarismo, corrupção massiva, colapso moral e social em quase todos os lugares onde tentaram implementá-lo

Quando Karl Marx imaginou o socialismo, foi apenas um estágio da ditadura tirânica que naturalmente entraria em colapso para dar lugar ao comunismo.

Na época de Marx, ainda não havia país socialista ou comunista. O socialismo era simplesmente considerado o estágio do “capitalismo de estado”, no qual o Estado toma o controle de todos os meios de produção para alcançar mais rapidamente os objetivos comunistas de destruição moral, cultural e social.


Como o comunismo era o propósito, os ditadores socialistas usaram historicamente seu poder para atacar e destruir os “velhos” valores de cada sociedade. Sob Vladimir Lênin, Mao Tsé-tung e Pol Pot, um dos primeiros passos foi provocar a fome que exterminou grandes porções da população, levando ao conceito de “sobrevivência do mais apto”, no qual muitas pessoas sobreviveram, sob intenso medo, através do canibalismo ou da corrupção.

Segundo os autores do “Livro Negro do Comunismo”, Lênin afirmou claramente que essas atrocidades eram valiosas para os objetivos comunistas, pois ajudariam a dar origem ao socialismo ao mesmo tempo em que destruíam a fé do povo em seus líderes e em Deus.

Infelizmente, quando muitas pessoas hoje pensam no socialismo, elas só conhecem suas visões superficiais: os argumentos vagos e arrogantes de que irá criar “igualdade” e a apresentação de seus movimentos sociais como a luta contra a chamada “escravidão” e “opressão”.

Na realidade, o socialismo historicamente representa tudo o que alegava se opor. O socialismo é a ideologia da escravidão, da opressão, do genocídio, da desigualdade massiva e do ódio virulento.

O sistema comunista é baseado na luta, e os tiranos socialistas usam o ódio como ferramenta para criar isso na sociedade.

Com Lênin, as pessoas foram orientadas a odiar os ricos proprietários de terra, a quem ele chamava de “kulaks”.

Com Mao, as pessoas foram orientadas a odiar os latifundiários e qualquer um que ainda acreditasse na tradição, a quem ele chamava de “direitistas”.

Com Adolf Hitler, que adotou o nacional-socialismo, as pessoas foram instruídas a odiar os judeus, a quem ele chamava de minoria rica.

E com os socialistas no Ocidente hoje, as pessoas estão sendo instruídas a odiar todos os brancos, todos os homens e qualquer um que acredite na cultura tradicional e nos valores familiares.

O ódio é o combustível do socialismo. O ódio é o credo de seus seguidores. Eles são feitos para incorporar o que eles acham que se opõem.

Isso está diretamente relacionado à teoria da evolução social de Marx: que a sociedade passaria do capitalismo para o socialismo e depois para o comunismo. Os marxistas também o enquadram de acordo com a teoria dialética hegeliana de que “o conflito faz avançar”.

Ao fomentar o conflito e o ódio entre vários grupos de pessoas em uma sociedade, os tiranos socialistas usam a teoria social de Darwin sobre a sobrevivência do mais apto, acreditando que o conflito faz a sociedade progredir mais rapidamente em direção ao objetivo da desolação comunista. Isso é o que eles chamam de “progresso”.

Durante esse processo, esses tiranos fazem lavagem cerebral em seus seguidores para que acreditem que as pessoas que eles são encorajados a odiar são os “inimigos do povo” ou representam a “desigualdade”. Essa estratégia permite que um pequeno grupo de líderes corruptos incite as multidões a cometer atos de violência e usar essas campanhas de violência e repressão para tomar o poder na sociedade.

Esse processo foi repetido pelos líderes socialistas ao longo do século XX, o que causou a morte de mais de 100 milhões de pessoas, segundo o “Livro Negro do Comunismo” devido a essa ideologia.

Os ditadores socialistas usam, e às vezes até criam, os males e as dificuldades da sociedade, e depois os utilizam como instrumentos aos quais unem políticas sociais. Essas políticas são usadas para levar a sociedade ao “progresso” em direção ao comunismo, e os males sociais aos quais se apegaram a essas políticas são usados como ferramentas defensivas que lhes permitem atacar qualquer um que questione as políticas.

Sob o socialismo, a igualdade é uma mentira. Ou seja, a menos que a igualdade seja considerada como o esmagamento da sociedade em miséria igual para todos, sob o calcanhar de uma burocracia estatal massiva liderada por uma classe política corrupta.

Os socialistas acusam as pessoas de fazer o que os próprios socialistas estão fazendo, e isso desvia a crítica de suas próprias ações. Eles fabricam dificuldades e usam o rótulo de “opressão” como uma ferramenta para atacar vários segmentos da sociedade.

Durante os últimos 100 anos, o socialismo e seus tiranos que procuraram criar sistemas comunistas produziram fome, genocídio, totalitarismo, corrupção massiva, colapso moral e social em quase todos os lugares onde tentaram implementá-lo.

As elevadas promessas e as declarações pomposas de tiranos socialistas são nada mais do que ferramentas para encadear pessoas e ocultar os verdadeiros motivos dos ditadores.

Na prática, o socialismo alcança o oposto do que seus pregadores anunciam. O socialismo é a ideologia da tirania de um governo, de conceder poder absoluto a uma pequena quadrilha rica e de criar uma enorme desigualdade entre líderes socialistas muito ricos e multidões empobrecidas.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...