13 de fev de 2019

Agência da UE: 250 espiões chineses atuam em Bruxelas





Epoch Times, 12 de fevereiro de 2019




Por Nicole Hao 




Relatório afirma que espiões russos estão ativos em Bruxelas há décadas

O Ministério das Relações Exteriores da União Europeia, recentemente alertou diplomatas e oficiais militares da União Europeia sobre a ameaça de “cerca de 250 espiões chineses e 200 espiões russos” operando em Bruxelas, a capital da União Europeia.

Eles não são detectados enquanto monitoram as áreas próximas a instituições importantes, como uma popular churrascaria e um café perto do prédio principal da Comissão Europeia.


O jornal alemão Die Welt informou em 9 de fevereiro que o alerta foi enviado pelo Serviço Europeu de Ação Externa (SEAE), uma organização diplomática da União Europeia encarregada de levar a cabo as políticas externas e de segurança da União.

O relatório afirma que os espiões russos estão ativos em Bruxelas há décadas. Mas uma presença menos conhecida são os agentes de inteligência chineses ativos em Bruxelas, que escondem suas identidades se passando por empregados de suas embaixadas ou representantes comerciais de empresas de seus próprios países.

O relatório deu um exemplo não especificado de quando um diplomata chinês ou russo iria participar de um evento importante, as pessoas que acompanham o diplomata são muitas vezes agentes disfarçados.

Os espiões que também trabalham em vários tipos de pequenas e grandes empresas em Bruxelas, especialmente aqueles localizados perto de edifícios da União Europeia. Ao entrar direta e indiretamente em contato com funcionários da União Europeia – às vezes, fingindo fazer negócios com eles, bem como monitorando as instalações, esses espiões coletam as informações que seus países de origem estão interessados.

Kenneth Lasoen, especialista em segurança da Universidade Belga de Gante, disse anteriormente que a sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte, instituições da União Europeia e muitas agências internacionais estão sediadas em Bruxelas, e todas essas entidades são alvos principais de espiões e hackers de outros países, incluindo a China e a Rússia.

“Informações econômicas e políticas altamente valiosas são trocadas aqui. Isso faz de Bruxelas um ninho de espionagem”, disse Lasoen à mídia belga, segundo o Boletim em 3 de novembro de 2017.

Para obter informações econômicas, militares e políticas valiosas, os países também recorreram a ataques cibernéticos.

Os serviços nacionais de inteligência e segurança da Bélgica e o Comitê de Revisão de Agências de Inteligência Permanente da Bélgica, disseram em seu relatório anual de 2016: “Empresas estrangeiras … foram objeto de atividades de interceptação pelos serviços de inteligência … em relação à espionagem dirigida a políticos, governos e instituições internacionais.

Um dos exemplos mais recentes é a revelação de que, desde 2016, um braço militar da China, conhecido como o Exército Popular de Libertação (PLA), especializado em ciberataques, violou uma rede de comunicações diplomáticas europeia usada para compartilhar detalhes sobre os esforços de formulação de políticas.

Um artigo de 19 de dezembro de 2018 do Politico, citava Blake Darche, diretor de segurança da Area 1 Security, uma empresa americana de segurança cibernética, explicando como os hackers do PLA descobriram os “elos mais fracos da cadeia digital” e atacaram o Ministério das Relações Exteriores de Chipre, ganhando assim acesso a “toda a rede de comunicações diplomáticas da União Europeia”.

Esta rede, denominada Correspondence Européenne, fornece uma plataforma para os funcionários dos 28 países da União Europeia, o Conselho Europeu, o SEAE e a Comissão da União Europeia cooperarem em questões de política externa.

“Não estou surpreso com o fato de que há um ataque desse tipo. Era apenas uma questão de tempo até que [tal violação de dados] acontecesse ou se tornasse pública”, disse Udo Helmbrecht ao Politico. Ele é o diretor executivo da agência de segurança cibernética da União Europeia, Agência da União Europeia para Segurança de Redes e Informações.

A embaixada chinesa na Bélgica negou as alegações no artigo do Die Welt em 10 de fevereiro, divulgando uma declaração dizendo que o artigo era “uma fabricação completa sem qualquer evidência”.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...