24 de ago de 2018

EUA barra financiamento do Pentágono aos Institutos Confúcios comandados pela China




Epoch Times, 24 de agosto de 2018 



Por Ivan Pentchoukov



Os institutos são apenas uma ferramenta no arsenal de Pequim em uma ampla operação de espionagem nos Estados Unidos

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos foi impedido de financiar Institutos Confúcio apoiados pelo Partido Comunista Chinês, localizados em universidades dos Estados Unidos.

Quando o presidente Donald Trump assinou, em 13 de agosto, o projeto de orçamento de defesa para o próximo ano fiscal, a medida incluiu uma cláusula acrescentada pelo senador Ted Cruz (R-Texas), que proíbe o Pentágono de usar fundos em programas de língua chinesa oferecidos por Institutos Confúcio.


“Sen. Cruz está muito preocupado com os esforços contínuos da China para se infiltrar no ensino superior americano e trabalhou para garantir uma emenda à NDAA que proíbe as universidades de usar dinheiro do Pentágono para os Institutos Confúcio, que a China comunista usa como armas de propaganda nos campus americanos”, disse um porta-voz do escritório de Cruz em um email ao Epoch Times.

A disposição proíbe ainda o financiamento de programas de língua chinesa em universidades que até mesmo hospedam um Instituto Confúcio. Esses programas, embora não diretamente afiliados ao instituto, podem ser influenciados por ele.

O endosso da provisão foi a primeira ação tomada para tratar do assunto tanto para o Congresso quanto para a Casa Branca, após anos de advertências sobre os institutos serem uma extensão das operações de inteligência e poder suave do Partido Comunista Chinês.

Desde 2004, a China instalou um grande número de Institutos Confúcio em universidades em todo o mundo. Nos Estados Unidos, 107 universidades e faculdades abrigam filiais da organização.

Enquanto isso, o equivalente ao ensino médio do programa, o Confucius Classrooms, se espalhou em mais de 500 escolas primárias e secundárias nos Estados Unidos em abril de 2017, de acordo com um relatório da National Association of Scholars.

Os Institutos Confúcio descrevem-se como programas de intercâmbio linguístico e cultural. Mas seu verdadeiro propósito não é benigno, segundo a CIA, o FBI, legisladores e especialistas.

Os professores dos Institutos Confúcio são empregados da China e estão sujeitos às leis chinesas, incluindo restrições rigorosas ao discurso.

Como resultado, os estudantes americanos aprendem uma versão higienizada da história chinesa que omite os abusos e atrocidades dos direitos humanos do regime comunista. Os programas apresentam Taiwan e o Tibete como territórios indiscutíveis da China, e professores americanos que ensinam em campi que abrigam Institutos Confúcio relataram pressão do corpo docente do instituto para autocensurar.

Semelhante ao Partido Comunista Chinês, as operações e finanças dos Institutos Confúcio são secretas. As práticas de contratação e os acordos de financiamento raramente foram tornados públicos, e as universidades anfitriãs fizeram grandes esforços para manter as informações em segredo.

Embora não existam divulgações financeiras públicas, sabe-se que as universidades americanas se beneficiam dos programas e relutam em fechá-las como resultado.

A CIA emitiu um relatório confidencial em março sobre as operações de influência da China nos Estados Unidos. Em uma única página desconsiderada secreta no relatório e obtida pelo Washington Free Beacon, a agência alertou que a China está usando incentivos financeiros para permear as universidades americanas como forma de promover uma visão positiva de Pequim e impedir pesquisas que possam lançar a China sob uma luz negativa.

“[O Partido Comunista Chinês] usou essa tática para recompensar os pontos de vista pró-China e coagir as publicações acadêmicas e conferências ocidentais a se autocensurarem”, afirma o relatório. “O PCC muitas vezes nega vistos a acadêmicos que criticam o regime, encorajando muitos acadêmicos da China a preventivamente se autocensurarempara que possam manter o acesso ao país de que dependem suas pesquisas”.

Em fevereiro, o diretor do FBI Christopher Wray revelou que o escritório estava investigando os Institutos Confúcio.

“Compartilhamos essa preocupação com os Institutos Confúcio. Temos assistido a esse desenvolvimento por um tempo”, disse Wray.

“Vimos uma diminuição recente em seu próprio entusiasmo e comprometimento com esse programa específico, mas é algo que estamos observando com cautela e, em certos casos, desenvolvemos medidas investigativas apropriadas.”

Os institutos são apenas uma ferramenta no arsenal de Pequim em uma ampla operação de espionagem nos Estados Unidos, disse Wray.

“Eu diria apenas que o uso de colecionadores não tradicionais [de inteligência], especialmente no ambiente acadêmico – sejam professores, cientistas, estudantes – é visto em quase todos os escritórios de campo que o FBI tem em todo o país”, disse Wray. “Não é só nas grandes cidades; está nas pequenas também. Estão basicamente em todas as disciplinas. ”

“Acho que o nível de ingenuidade do setor acadêmico sobre isso cria seus próprios problemas.

“[A CI está] explorando o ambiente de pesquisa e desenvolvimento muito aberto que temos e que todos nós reverenciamos. Mas eles estão aproveitando disso.

Uma agência do Ministério da Educação da China chamada Hanban fornece professores, livros didáticos e financiamento para os Institutos Confúcio. O chefe de propaganda da China, Li Changchun, disse em 2009 que os institutos são “uma parte importante da configuração de propaganda da China no exterior”.

“O Instituto Confúcio é uma marca atraente para estender nossa cultura no exterior”, disse Changchun. “Ele fez uma contribuição importante para melhorar nosso suave poder. A marca “Confucius” tem uma atratividade natural. Usando a desculpa de ensinar a língua chinesa, tudo parece razoável e lógico”.

Em fevereiro, o senador Marco Rubio (R-Fla) enviou uma carta a cinco escolas da Flórida pedindo que cortassem os laços com o Instituto Confúcio.

“Continuo profundamente preocupado com a proliferação dos Institutos Confúcio e das salas de aula Confúcio nos Estados Unidos”, escreveu Rubio. “Dada a campanha agressiva da China para se infiltrar nas salas de aula americanas, sufocar a livre investigação e subverter a liberdade de expressão tanto em casa como no exterior, peço respeitosamente que você considere encerrar o seu contrato com o Instituto Confúcio.”

As universidades de Chicago e da Pensilvânia terminaram seus contratos com o Instituto Confúcio. No Canadá, a Universidade McMaster se separou do Instituto Confúcio por suas práticas de contratação, que discriminam descaradamente o Falun Gong, uma prática espiritual tradicional chinesa que se espalhou amplamente na China nos anos 90 e cujos adeptos foram brutalmente perseguidos pelo regime comunista desde 1999.

O site Hanban dita que os instrutores de língua chinesa tenham “entre 22 e 60 anos de idade, física e mentalmente saudáveis, sem registro de participação no Falun Gong e outras organizações ilegais, e nenhum registro criminal”.

Os Institutos Confúcio são uma forma do regime exportar a perseguição no exterior.

O advogado de direitos humanos Clive Ansley argumentou que as práticas de contratação do Instituto Confúcio violam os direitos humanos e os códigos anti-discriminação. Marci Hamilton, presidente de direito público na Universidade Yeshiva, chamou essa política de “antiética e ilegal no mundo livre”.

O Departamento de Defesa não respondeu a um pedido de comentário.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...