9 de dez de 2018

Desespero: China ameaça Canadá pela detenção da diretora da Huawei e convoca embaixador americano




Expresso, 09 de dezembro de 2018 



China protesta contra detenção da herdeira do grupo chinês por suspeitas de fraude e avisa embaixador do Canadá que haverá "consequências graves" se o caso não for abandonado

A China convocou o embaixador canadiano em Pequim para protestar contra a detenção da diretora financeira, do segundo maior fabricante mundial de smartphones e produtos de rede, a Huawei, que foi detida no Canadá, a pedido dos Estados Unidos. [Ênfase minha acrescentada]

De acordo com a agência de notícias chinesa Xinhua, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros da China, Le Yucheng, apelidou o caso de "despropositado, irracional e de natureza vil", alertando ainda o embaixador John McCallum que se o caso não for abandonado haverá "graves consequências".


Wanzhou Meng, de 46 anos, é filha do fundador da Huawei, Ren Zhengfei. A mulher foi detida no dia 03 de dezembro depois de Washington ter pedido a sua extradição por "supostamente" ter violado as sanções impostas pelas autoridades norte-americanas contra o Irão.

Os representantes chineses protestaram contra as autoridades norte-americanas e canadianas e exigiram que estas corrigissem o erro imediatamente e devolvessem a liberdade a Wanzhou Meng.

Meng Wanzhou, foi acusada na sexta-feira de fraude, após ter comparecido perante um juiz de Vancouver, no Canadá.

Segundo documentos apresentados na audiência no tribunal de Vancouver, a diretora da Huawei foi detida por suspeita de ter mentido sobre uma filial da empresa, para poder aceder ao mercado iraniano, violando sanções norte-americanas.

O tribunal de Vancouver decretou a sua liberdade condicional, apesar de o advogado representante do Governo canadiano se ter oposto.

As autoridades dos Estados Unidos suspeitam que o grupo chinês exportou produtos de origem norte-americana para o Irão e outros países visados pelas sanções de Washington, violando as suas leis.

Este caso acontece numa altura de difíceis entre chineses e norte-americanos, condicionadas pelas negociações comerciais, em plena trégua de 90 dias determinada pelos dirigentes das duas potências.


China convoca embaixador norte-americano após detenção de diretora da Huawei



A China exigiu também que os Estados Unidos "tomem medidas imediatas para retificar as más práticas e levantar o mandato de prisão contra esta cidadã chinesa".

A China convocou este domingo o embaixador dos Estados Unidos em Pequim para protestar contra a detenção da diretora financeira da operadora de telecomunicações chinesa Huawei e pediu a Washington que abandone o pedido de extradição.

Pequim já tinha convocado no sábado o embaixador do Canadá, na sequência da detenção de Meng Wanzhou naquele país, a pedido dos Estados Unidos, em 01 de dezembro.

A justiça norte-americana pede a extradição da diretora financeira, também vice-presidente da administração e filha do fundador da empresa, Ren Zhengfei, por suspeita de ter violado sanções de Washington impostas ao Irão.

Pequim manifestou já a sua "oposição firme" face à detenção da executiva e "exorta os Estados Unidos a darem mais importância à posição solene e justa da China", refere o Ministério dos Negócios Estrangeiros num comunicado, publicado após um telefonema do vice-ministro da diplomacia chinesa, Le Yucheng, ao embaixador norte-americano, Terry Branstad.

"Le Yuncheng sublinhou que os Estados Unidos violaram os direitos legítimos e os interesses dos cidadãos chineses, e a natureza desta violação é extremamente grave", indicou o ministério.

A China exigiu também que os Estados Unidos "tomem medidas imediatas para retificar as más práticas e levantar o mandato de prisão contra esta cidadã chinesa", prossegue o comunicado, advertindo para uma possível "resposta adicional" da parte de Pequim.

Também hoje, o conselheiro económico da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmou que Donald Trump desconhecia a detenção de Meng Wanzhou na altura em que jantava com o seu homólogo chinês, Xi Jinping, na semana passada.

Meng Wanzhou, 46 anos, foi detida em Vancouver, Canadá. A diretora financeira é suspeita pela justiça norte-americana de ter mentido a vários bancos sobre uma subsidiária da Huawei com o objetivo de obter acesso ao mercado iraniano entre 2009 e 2014, violando as sanções dos Estados Unidos.

O principal negociador dos Estados Unidos com a China disse hoje que a detenção da diretora financeira da operadora de telecomunicações chinesa Huawei não deverá afetar muito as negociações comerciais, apesar dos fortes protestos de Pequim a exigir a sua libertação.

Além disso, Robert Lighthizer deu a entender que os Estados Unidos não pretendem prolongar a trégua de 90 dias da guerra comercial, decretada na semana passada entre Donald Trump e o Presidente chinês.

"Para mim, trata-se de uma data limite", afirmou Robert Lighthizer, o representante norte-americano do Comércio dos Estados Unidos (USTR).

"Quando falo com o Presidente dos Estados Unidos, ele não fala além de março. Ele fala sobre a obtenção de um acordo, se há acordo, nos próximos 90 dias", insistiu.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...