19 de dez de 2016

Filipinas – Rodrigo Duterte está pronto para deixar de lado a decisão sobre a disputa marítima no Mar do Sul da China

Rody pronto para anular e decidir sobre litígios do Mar


Yahoo! PH, 18-19 de dezembro de 2016. 






O presidente Duterte disse ontem que estava pronto para anular a decisão do tribunal arbitral que anulou a reivindicação marítima expansiva da China no Mar do Sul da China após os relatórios de que Pequim tinha instalado sistemas de armas em sete áreas disputadas as quais ocupou. 

As fotos de vigilância divulgadas nesta semana pela Iniciativa de Transparência Marítima da Ásia [Asia Maritime Transparency Initiative] (AMTI) do Centro de Estudos Estratégicos Internacionais com sede em Washington mostram que a China instalou o que parecia ser um sistema de armas (CIWS) no mar disputado. 

As ilhas artificiais foram construídas sobre os recifes de Kagitingan (Fiery Cross), Panganiban (Mischief), Zamora (Subi), Burgos (Gaven), Kennan (Hughes), Mabini (Johnson) e Calderon (Cuarteron), áreas localizadas fora da província ocidental de Palawan. 

A AMTI disse que as armas e as emissões da CIWS mostrarão que a China “está séria sobre a defesa de suas ilhas artificiais em caso de uma contingência armada no Mar da China Meridional”. 

As Filipinas, que mais uma vez desafiaram a reivindicação marítima expansiva da China diante de um tribunal arbitral internacional, não estão mais interessadas em interromper as ações de Pequim. 

No jogo da política, agora, vou deixar de lado a decisão arbitral”, disse Duterte em uma entrevista coletiva na cidade de Davao ontem de manhã cedo, após a chegada de visitas de Estado ao Camboja e Cingapura. 

Eu não vou impor nada a China. Por quê? Porque a política aqui no sudeste da Ásia está mudando”, acrescentou. 

Duterte falou sobre a mudança política na região, reiterando a sua ameaça de retirar as tropas americanas das Filipinas. 

Ele primeiro emitiu a ameaça depois que os Estados Unidos levantaram preocupações sobre a sua guerra brutal contra as drogas ilegais, que até agora deixou mais de 5.000 suspeitos e usuários mortos. 

Eu vou exigir que eles saiam do meu país. Qual é a utilidade em mantê-los, de hospedá-los, quando eles pensam que somos um bando de criminosos?”, Disse o presidente. 

Vão, vão embora. Se vocês não acreditam em nós, porque lidam conosco?”. 

A posição de Duterte sobre a questão do Mar do Sul da China foi uma mudança radical em relação à de seu antecessor, Benigno Aquino III, que criticou muito a expansão da China no Mar da China Meridional. 

A China, que reivindica cerca de 90% do Mar da China Meridional, lançou um ambicioso programa de recuperação de terras em sete recifes que também estão sendo reivindicados pelas Filipinas. 

Em 2013, as Filipinas sob Aquino desafiaram a reivindicação expansiva da China diante de um tribunal arbitral internacional, mas Pequim se recusou a participar das audiências.

O tribunal decidiu em favor das Filipinas em julho passado e declarou que as reivindicações da China no Mar do Sul não têm base legal. A China descreveu a decisão como “inócua” e descartou-a como um “mero pedaço de papel”. 

Na sexta-feira passada, o secretário de Relações Exteriores, Perfeito Yasay Jr., disse que as Filipinas não poderiam impedir a China de instalar armas nas ilhas artificiais. Ele disse que as Filipinas queriam ter certeza de que não haveria ações que criassem tensões com a China. 

Não podemos, não podemos parar a China neste momento e dizer ‘não coloque isso’ – nós continuaremos a buscar meios pacíficos nos quais tudo isso pode ser evitado”, disse Yasay em uma conferência de imprensa em Cingapura. 

Suas observações diferiam das do secretário de Defesa Delfin Lorenzana, que expressou preocupações com o relatório do CSIS e disse que o governo estava tentando verificar isso. 

Se for verdade, é uma grande preocupação para nós e para a comunidade internacional que usa as vias do Mar da China Meridional para o comércio”, disse Lorenzana na quinta-feira. “Isso significaria que os chineses estão militarizando a área, o que não é bom”. 

Yasay sustentou que as Filipinas continuariam a apoiar a decisão do tribunal arbitral. 

Guardas costeiras amigáveis. 

Enquanto isso, a Guarda Costeira das Filipinas (PCG) e a Guarda Costeira da China (CCG) concordaram em formar um Comitê Conjunto de Guarda Costeira (JCGC) que aprofundaria a cooperação amistosa entre as duas agências marítimas. 

Em comunicado, o porta-voz do PCG, Armand Balilo, disse que, uma vez estabelecido, o JCGC servirá como um caminho para que ambas as guardas costeiras reforcem a confiança mútua, e aprofundem confiança, e intensifiquem as comunicações e o intercâmbio e reforcem a cooperação amistosa baseada na igualdade, e na reciprocidade e no consenso. 

O acordo foi alcançado durante a primeira reunião entre as duas agências de guarda costeira na sexta-feira desde que o CCG foi estabelecido em junho de 2014. 
O restante do artigo pode ser lido aqui
Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...