27 de nov de 2018

Uma questão engraçada sobre o "Alerta Vermelho" da Interpol




Daily Caller, 26 de novembro de 2018 




Em 20 de novembro, o ex-estrategista Steve Bannon e o magnata imobiliário chinês Guo Wengui (também conhecido como Miles Kwok) anunciaram uma rara união no histórico Pierre Hotel em Nova York, onde Nixon permaneceu como presidente eleito antes de se mudar para Washington DC. 

Na grande sala do Cotillion, que foi destaque no filme vencedor do Oscar “Scent of a Woman”, os dois homens disseram à mídia internacional que estavam montando uma fundação de “Estado de Direito” para investigar corrupção e abuso de poder pelas autoridades chinesas, para ajudar as vítimas do Comunismo chinês. Guo Wengui colocaria US $ 100 de seu próprio dinheiro para dar o pontapé inicial. 


No dia seguinte, um jornal de Pequim, o Global Times, publicou um editorial chamando Guo Wengui de “um fugitivo que está na lista de procurados da Interpol”. O principal porta-voz do governo chinês classificou Guo como “mentiroso” e Bannon como “figura misteriosa e política”. Com “ideias radicais”. A estranha dupla, segundo o jornal, só produzirá “um episódio ridículo” com uma pilha de dinheiro. 

Na verdade, a Interpol não tem uma lista de “procurados”. Ele só publica uma lista chamada “Red Notice”. Tal notificação emitida sobre Guo em 19 de abril de 2017 parece ser falsa, de acordo com minha própria investigação. Aqui está a história reveladora: 

Na manhã de sexta-feira, 14 de abril de 2017, horário de Pequim, o canal de TV chinês Voz da América (VOA) exibiu uma comercial dizendo a seu público que Guo Wengui apareceria ao vivo às 9 da noite de 19 de abril. Na manhã de 17 de abril, o governo chinês emitiu um mandado de prisão contra Guo, que vive na América há dois anos e meio. 

Na tarde do mesmo dia, o correspondente da VOA em Pequim foi convocado pelo Ministério das Relações Exteriores da China. Os oficiais alertaram a VOA para não entrevistar Guo, que se tornou um criminoso procurado naquela manhã. Além da alegação rotineira da “interferência nos negócios da China pela imprensa estrangeira”, as autoridades também indicaram que a entrevista com Guo poderia perturbar o 19º Congresso do Partido Comunista. 

No dia seguinte, a sede da VOA em Washington DC, foi bombardeada com dezenas de telefonemas ameaçadores da embaixada chinesa, exigindo o cancelamento da entrevista com Guo. 

Doze horas antes da entrevista agendada, a mídia internacional informou que a Interpol emitiu um “Alerta Vermelho” sobre Guo. Alguns meios de comunicação o chamaram de “mandado de prisão internacional”. 

Na época, eu estava liderando a equipe de entrevista da VOA em Nova York. Nós já tínhamos pré-entrevistado Guo por mais de 10 horas. Imediatamente, checamos o site da Interpol, mas não encontramos tal anúncio. Todas as fontes citadas pareciam vir das autoridades chinesas. A sede da Interpol em Lyon, na França, estava fechada à noite. 

Liguei para o nosso correspondente, pedindo-lhe para entrar em contato com Lyon na hora apropriada e para verificar as notícias. Mais tarde, o correspondente informou-me que o quartel-general da Interpol não estava ciente do que acontecia e não podia fornecer uma resposta definitiva. 

Minha equipe chegou no apartamento da 5ª Avenida de Guo na manhã de 19 de abril, o dia marcado para a entrevista. Imediatamente perguntei a Guo se ele foi informado do Alerta Vermelho. Para minha grande surpresa, ele não tinha ideia. Depois de consultar seu advogado, ele voltou para mim e disse que, de acordo com o seu advogado, a Interpol era uma ONG com pouco poder real sobre qualquer país-membro. 

O programa de entrevistas ao vivo foi ao ar às 9 da manhã, horário de Pequim. Após o show ao vivo, que foi subitamente desconectado pela sede da VOA em DC, quando estava em andamento, meus colegas e eu nos esforçamos para resolver o mistério do Alerta Vermelho. 

Por solicitação da VOA, a Interpol enviou suas respostas. Além de confirmar que a organização não tinha poder de policiamento nenhum dos países-membros, a carta abordava algumas questões notáveis: 
Se a Interpol for solicitada a enviar um Alerta Vermelho em resposta a um mandado de prisão, após uma revisão para garantir que a solicitação esteja em conformidade com regras e regulamentos, as informações serão enviadas a todos os nossos 190 países-membros.

Além disso, os países-membros têm a opção de ter uma versão resumida do Edital Red publicado no site da Interpol: http://www.interpol.int/Wanted-Persons

Se nenhum Alerta Vermelho for publicado, isso ocorre porque o país não solicitou ou emitiu, ou o país requerente pediu para não ser divulgado. 
Os Estados Unidos são um país-membro. No entanto, através de vários canais, aprendemos que o governo dos Estados Unidos nunca receberam informações sobre Alerta Vermelho de Guo. 

Tanto “Guo Wengui” quanto “Miles Kwok” nunca apareceram no site da Interpol. O país solicitante, a República Popular da China, já divulgou as informações 12 horas antes do nosso programa ao vivo. 

Mais tarde soubemos também que, em 18 de abril, uma manifestação foi realizada em frente a sede da Interpol. Liderados pelo renomado dissidente político Wei Jingsheng, os manifestantes condenaram a eleição de Meng Hong Wei para ser o presidente da Interpol. Meng também serviu como vice-ministro da Segurança Pública da China. 

Quando o pedido da China chegou, alguns membros da equipe da Interpol, que sabiam da entrevista em andamento, decidiram ter mais diligências antes de atender à solicitação. 

Correndo para emitir o Alerta Vermelho sobre Guon antes da minha entrevista ao vivo, Talvez acreditando que a VOA poderia retirar o programa do ar sob pressão, o escritório da Interpol em Pequim emitiu o documento sem a aprovação final da sede de Lyon. Imediatamente, foi enviado para a imprensa internacional. 

Aparentemente, após a entrevista, os chineses não seguiram em frente para obter a aprovação necessária. Portanto, o relatório sobre o Alerta Vermelho sobre Guo tornou-se uma fake news. 

O drama ridículo continuou. E a piada é sobre a Interpol e o governo chinês. Em meados de setembro de 2018, Meng Hongwei, o poderoso presidente da Interpol, despareceu na China. 

Duas semanas depois, sua esposa, Grace Meng, relatou seu desaparecimento à polícia francesa. As autoridades chinesas admitiram então que Meng estava sob sua custódia e foi acusado de corrupção. Não houve Alerta Vermelho do presidente Meng.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...