30 de abr de 2019

Nigéria: Jihad contra os Cristãos

Gatestone, 29 de abril de 2019




Por Uzay Bulut 





  • A atual violência, que vem piorando desde o início de 2017, "é um tanto diferente, na medida em que se configura em uma série de ataques dirigidos contra comunidades cristãs cujo objetivo é expulsar os agricultores e tomar as terras para os pastores." — Nathan Johnson, International Christian Concern, Diretor Regional para a África.
  • "Os cristãos da Nigéria são tratados como cidadãos de segunda categoria nos doze estados do norte onde a Lei Islâmica (Sharia) rege. Eles são vitimizados das mais diferentes maneiras. Meninas cristãs são raptadas e forçadas a se casarem com muçulmanos. Pastores são sequestrados para pedir pagamento de resgate. Igrejas são profanadas ou totalmente destruídas." — Nathan Johnson.
  • "O governo nigeriano e a comunidade internacional... desde o início fizeram muito pouco para resolver a situação. Essa falta de participação não causa espanto: eles sequer reconhecem as raízes do problema, a saber: a intolerante ideologia da jihad. Como resultado, o número de cristãos mortos só aumenta e pelo andar da carruagem provavelmente continuará avançando exponencialmente, até que essa realidade não seja apenas reconhecida, mas abordada." — Raymond Ibrahim, escritor e especialista em Oriente Médio.



Cristãos estão sendo massacrados na Nigéria por jihadistas Fulani e Boko Haram e ao que parece ninguém está nem aí para eles.

A mais excruciante perseguição destes cristãos indefesos, que somam a metade da população da Nigéria, vem ocorrendo principalmente no norte do país, de maioria muçulmana, governada pela Lei Islâmica (Sharia) e também nos estados conhecidos como "Cinturão do Meio", que perfazem uma zona de transição entre os estados do norte e do sul.

De acordo com a organização de direitos humanos International Christian Concern (ICC):

"Em março os militantes Fulani continuaram a desfechar violentos ataques em toda a região do Cinturão do Meio da Nigéria. Os brutais ataques perpetrados por esses militantes islâmicos linha dura, despertam medo ininterrupto nos cristãos que vivem no Cinturão do Meio à medida que o número de mortos aumenta... No mês passado (março de 2019), pelo menos 150 pessoas foram assassinadas."

"O bispo nigeriano William Amove Avenya, do Estado de Benue, salientou: 'tribos Fulani armadas até os dentes estão assassinando mulheres grávidas e crianças e destruindo nossas pequenas propriedades.

É uma bomba-relógio que ameaça inflamar toda a região. Não podemos esperar que aconteça um genocídio em massa antes de intervirmos salientou ele."

"A seguir os ataques de maior vulto ocorridos em março:

  1. 4 de março de 2019: militantes Fulani atacam o Estado de Benue, matando 23 pessoas
  2. 11 de março de 2019: milícias Fulani atacam Kajuru, incendiando mais de 100 casas, matando 52 pessoas
  3. 18 de março de 2019: Boko Haram cerca uma cidade de maioria cristã no Estado de Adamawa, com uma população de mais de 370 mil habitantes."

O diretor regional da ICC da África, Nathan Johnson, que recentemente esteve na Nigéria, ressaltou ao Gatestone Institute que essa violência que deixa rastros de morte e dor começou há menos de 20 anos.

"A bem da verdade ela começou em 2001, após violentos distúrbios envolvendo muçulmanos e cristãos na região do Planalto deixarem mais de mil mortos e inúmeras igrejas destruídas. Também houve quebra-quebras que deixaram rastros de morte e destruição em 2008 e 2010 e a tensão entre as duas comunidades vem recrudescendo desde então."

Johnson observou que a atual violência, que vem piorando desde o início de 2017, "é um tanto diferente, na medida em que se configura em uma série de ataques dirigidos contra comunidades cristãs cujo objetivo é expulsar os agricultores e tomar as terras para os pastores".

Ele ressaltou que a hostilidade faz parte de um conjunto complexo de fatores: sócio-econômico (pastor versus fazendeiro), étnico (principalmente Fulani versus todo mundo exceto os Hauças) e religioso (muçulmano versus cristão), no entanto:

"O governo nigeriano e a grande mídia minimizaram o fato dos muçulmanos radicais estarem massacrando comunidades cristãs na Nigéria. Eles preferem retratar a crise como se fosse um confronto entre duas comunidades étnicas ou socioeconômicas que estão matando uns aos outros, muito embora quase 80% das vítimas sejam cristãs."

Johnson salientou:

"Os cristãos da Nigéria são tratados como cidadãos de segunda categoria nos doze estados do norte onde a Lei Islâmica (Sharia) rege. Eles são vitimizados das mais diferentes maneiras. Meninas cristãs são raptadas e forçadas a se casarem com muçulmanos. Pastores são sequestrados para pedir pagamento de resgate. Igrejas são profanadas ou totalmente destruídas."

"Os cristãos que encontrei na minha última visita à Nigéria, os que sofreram tanto nas mãos dos Fulani quanto nas do Boko Haram, têm esperança que pessoas ao redor do mundo os tenham em mente e orem por eles. Muitos não têm alimentos, água e abrigo, porque foram expulsos de suas terras para cidades onde não há como cultivar ou encontrar trabalho. Centenas de milhares de crianças cristãs espalhadas pelo país não têm como frequentar a escola porque seus pais não têm recursos para pagar, não têm acesso a ela ou temem que seus filhos sejam atacados ou sequestrados a caminho do estabelecimento de ensino ou na própria sala de aula."

Conforme o especialista em Oriente Médio Raymond Ibrahim enfatizou no ano passado:

"O governo nigeriano e a comunidade internacional... desde o início fizeram muito pouco para resolver a situação. Essa falta de participação não causa espanto: eles sequer reconhecem as raízes do problema, a saber: a intolerante ideologia da jihad. Como resultado, o número de cristãos mortos só aumenta e pelo andar da carruagem provavelmente continuará avançando exponencialmente, até que essa realidade não seja apenas reconhecida, mas abordada."

Uzay Bulut, jornalista da Turquia, Ilustre Colaboradora Sênior do Instituto Gatestone.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...