12 de fev de 2019

Nova diplomacia de reféns de Pequim




Epoch Times, 11 de fevereiro de 2019 



Por Peter Zhang 



Regime comunista chinês expande sua tomada de reféns de dissidentes chineses e chineses no exterior, para não-chineses de países ocidentais

Com a retaliação de Pequim após a detenção da CFO da gigante de tecnologia da China, a Huawei, o regime chinês aumentou o uso da diplomacia de reféns.

Desde que Meng Wanzhou foi detida em Vancouver por violação das sanções dos Estados Unidos contra o Irã pela Huawei, Pequim prendeu três canadenses caucasianos, um deles um ex-diplomata canadense, Michael Kovrig.


Esse desenvolvimento significa uma virada acentuada da política anterior de Pequim de visar principalmente cidadãos canadenses de ascendência chinesa no intuito de usar reféns para promover seus interesses.

De acordo com o relatório do Toronto Star “Os canadenses esquecidos detidos na China”, aproximadamente 200 cidadãos canadenses estão sob custódia da polícia ou foram sentenciados e presos na República Popular da China.

Embora a maioria desses casos não seja política, esses canadenses estão à mercê do sistema judicial chinês, onde a justiça dispensada não é nada parecida com os tribunais ocidentais. A vida na prisão também é especialmente severa, onde o abuso e a tortura são comuns.


Diplomacia de reféns com características chinesas

A diplomacia de reféns não é um truque novo do Partido Comunista Chinês (PCC). Nas últimas décadas, tem servido como moeda de barganha por Pequim na busca de favores políticos e econômicos dos países ocidentais.

O PCC libertou os famosos dissidentes Wang Dan em 1997 e Wei Jingsheng em 1998, ostensivamente por “razões médicas” quando, na verdade, os gestos foram negociados a portas fechadas para que os Estados Unidos deixassem seu apoio a uma resolução condenando a China na época, na Comissão dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

Tanto Wang quanto Wei eram cidadãos chineses que cumpriam longas penas de prisão por atividades pró-democracia. Isso foi em um momento em que os líderes ocidentais estavam buscando ativamente a chamada política de engajamento construtivo com Pequim, na esperança de transformar gradualmente o estado comunista em uma sociedade civil governada pelo Estado de direito.

Na medida em que a economia e os militares de Pequim se fortaleceram, a China começou a encarcerar cidadãos norte-americanos naturalizados que nasceram na China.

Em 2003, de acordo com o artigo do The New York Times “Esposa luta por marido preso na China”, o Dr. Charles Lee, cidadão naturalizado norte-americano, foi preso por tentar conscientizar o público sobre a perseguição do PCC ao movimento espiritual do Falun Gong.

Lee cresceu na China, onde recebeu sua educação médica. Em 1994, Lee obteve um mestrado em neurociência na Universidade de Illinois – Urbana-Champaign em 1994. Em 1995, realizou pesquisa na Harvard Medical School e passou nos exames do conselho médico dos Estados Unidos.

Em entrevista à The Free Library, Lee disse sobre sua prisão: “Eles não me permitiram dormir 92 horas consecutivas. Eles me obrigaram a ficar de pé por 16 dias, de manhã à noite, em frente aos prisioneiros.

Lee também revelou: “Eles me forçaram a fazer trabalho escravo no final de 2003, para fazer sapatos, luzes de Natal e outras coisas para a exportação aos Estados Unidos. Os sapatos usavam uma cola industrial contendo benzeno. É muito tóxico e irritante. Senti falta de ar e tive muita dor de cabeça”.

Em 25 de novembro de 2018, o The New York Times informou que, para capturar Liu Changming, uma autoridade bancária fugitiva, Pequim está impedindo que seus dois filhos, Victor e Cynthia Liu, ambos cidadãos americanos, deixem a China.

Em seu e-mail para uma sócia da família, Liu escreveu: “As autoridades chinesas concordam que nem Victor nem eu somos acusados ou suspeitos de qualquer atividade criminosa”.

“A razão pela qual estamos aqui é exclusivamente para atrair” seu pai, ela escreveu.

Reações internacionais

O professor Steve Tsang, diretor do Instituto da China na Escola de Estudos Orientais e Africanos, escreveu: “A ‘diplomacia de refém’ é repulsiva na comunidade internacional e qualquer país que a pratique irá prejudicar significativamente sua reputação, imagem internacional e credibilidade de parceiro internacional como um todo”.

O professor Donald Clarke, da Escola de Direito da Universidade George Washington, destacou em editorial no The Washington Post: “Você não pode simplesmente sair por aí prendendo pessoas inocentes e mantendo-as como reféns. Essa é a marca de um Estado agressivo, não um membro permanente do Conselho de Segurança. Se deter dois canadenses é uma resposta aceitável, que tal 20 ou 200? ”

No editorial “Reféns canadenses na China”, o Conselho Editorial do New York Times pergunta: “Seria o uso de peões (por Pequim) a nova e maldosa norma nas disputas comerciais e diplomáticas?”

Apesar das graves preocupações e protestos do Canadá, dos Estados Unidos e da comunidade internacional, Pequim não recua. Tanto os Estados Unidos quanto o Canadá estão considerando a opção de emitir um alerta de viagem para as pessoas que consideram visitar a China.

Alguns observadores chineses de longa data afirmam que se Moscou tivesse tomado tantos reféns ocidentais, a grande mídia e os políticos teriam enlouquecido. O que, poderíamos imaginar, que torna Pequim tão excepcional?

Terrorismo patrocinado pelo Estado

Se os países ocidentais agora estão silenciosamente fazendo com que Pequim obtenha a libertação de seus cidadãos ou reféns neste caso, do ponto de vista jurídico, eles estão negociando com uma organização terrorista?

Tais esforços parecem diferir pouco de negociar com terroristas sobre sequestros no Oriente Médio. Afinal, o mundo ocidental é conhecido por sua longa política de não negociar com terroristas por reféns.

Clarke faz um importante argumento legal: “Chamar isso de tomada de reféns e não de investigação criminal regular é uma acusação séria. Aqui, isso é justificado.

“O elemento crítico de uma tomada de reféns é que o sequestrador deve lhe dizer que é uma tomada de reféns e quais são suas demandas. Caso contrário, todo o propósito de tomar reféns é derrotado.

“Neste caso, fontes oficiais e quase oficiais chinesas foram claras. O embaixador chinês no Canadá não apenas admitiu isso; ele também proclamou em um editorial no Globe and Mail, dizendo que aqueles que se opõem à detenção de Kovrig devem refletir sobre as ações do Canadá.

“Obviamente, se não houvesse conexão, aqueles que objetam não devem refletir mais sobre as ações do Canadá do que deveriam refletir sobre as ações da Arábia Saudita, por exemplo.”

Enquanto Meng recebe o devido processo legal de acordo com a lei no Canadá, os reféns estrangeiros na China não são tão afortunados, incluindo Kovrig, o ex-diplomata canadense a quem foi negado o direito ao conselho legal, bem como se encontrar com seus familiares.

Acima de tudo, Meng está sendo acusada de alguns atos criminosos graves, enquanto os reféns estrangeiros na China são em sua maioria inocentes.

Uma questão crítica permanece: as comunidades internacionais devem ver a tomada de reféns de Pequim como o ato de um estado terrorista?

Ao longo dos anos, a preocupação internacional com os maus-tratos cometidos pelo regime comunista chinês com seus próprios cidadãos pode derivar da jurisdição universal da lei de direitos humanos, bem como de tratados internacionais dos quais a China é parte.

Com Pequim não mais se contentando apenas em usar seus próprios cidadãos dissidentes para a diplomacia dos reféns, as democracias ocidentais estão começando a se preocupar com a tomada de reféns de seus cidadãos.

Outras nações deveriam chamar a diplomacia de reféns do que é, e os atos de terrorismo de Pequim deveriam ser levados a sério. A comunidade internacional deve estar inequivocamente unida para condenar esse comportamento ilegal, e não permitir que o terrorismo patrocinado pelo Estado se torne normal e governe nossas vidas.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...