23 de fev de 2019

“Claws of the Panda”, livro expõe influência da China no Canadá




Epoch Times, 22 de fevereiro de 2019 




Por Ryan Moffatt 




Manthorpe habilmente desvenda os inúmeros tópicos que ligam os dois países, identificando os principais atores e eventos que moldaram e dinamizaram o relacionamento do Canadá com a China

“Claws of the Panda: Beijing’s Campaign of Influence and Intimidation in Canada” (“Garras do Panda: Campanha de Influência e Intimidação de Pequim no Canadá” –  ainda sem tradução para o português), de Jonathan Manthorpe, é uma exposição abrangente de quão profundamente a influência de Pequim penetrou na vida política, corporativa e civil canadense.

É um conto preventivo de envolvimento com potências estrangeiras que não adotam o Estado de direito. À luz da controvérsia sobre a Huawei e da subsequente detenção chinesa dos canadenses Michael Kovrig e Michael Spavor, “Claws of the Panda” é uma leitura mais urgente do que Manthorpe poderia prever quando começou a escrever.

Ao longo do livro, Manthorpe habilmente desvenda os inúmeros tópicos que ligam os dois países, identificando os principais atores e eventos que moldaram e dinamizaram o relacionamento do Canadá com a China.

O livro é alarmante em suas revelações da intrusão da China na soberania canadense. Um pragmático, Manthorpe não prescreve o desengajamento, mas sim uma abordagem renovada e aberta aos olhos do regime de Pequim. Ele classifica poucas acusações e evita se entregar a embelezamentos; os fatos falam tão fortemente por si mesmos que não há necessidade de exagero.

Entendendo o panda

Manthorpe afirma que a China considera seu relacionamento com outros países como um arranjo unilateral, onde pode obter informações e obter influência sem absorver ideias e filosofias que possam prejudicar seu estado de partido único. É importante perceber que sob o Partido Comunista Chinês (PCC), as políticas do país são guiadas por uma filosofia política marxista herdada da União Soviética que é incompatível com o Ocidente em muitas frentes.

Ao jogar o jogo longo, a China opera em um cronograma muito diferente do que os países ocidentais que dependem de eleições democráticas. Isso permitiu que Pequim corroesse lenta e imperceptivelmente a soberania canadense. Para conseguir isso, o regime desenvolveu táticas de influência complexas e diversas.


Na promoção de seus objetivos nacionais e estrangeiros, o PCC conta com o Departamento de Trabalho Frontal em várias camadas da Frente Unida. Este departamento gerencia as relações com várias organizações sociais, comerciais e acadêmicas dentro e fora da China com o objetivo de angariar apoio do Partido e promover as ambições do regime. Manthorpe aponta para a Frente Unida como um exemplo da capacidade da China de administrar políticas e iniciativas diferentes sob um único comando.

Um dos aspectos mais preocupantes da influência estrangeira é a intimidação do PCC ao que se refere como os Cinco Grupos Venenosos: defensores da independência do Tibete, Xinjiang e Taiwan; promotores de uma China democrática; e adeptos da prática espiritual do Falun Gong. Há casos bem documentados de ataques cibernéticos, assédio, propaganda de ódio, intimidação de parentes na China e muito mais contra esses grupos. O PCC colocou uma alta prioridade no controle dos pensamentos e ações dos 1,56 milhão de chineses que vivem no Canadá.

Uma longa história

O primeiro engajamento real do Canadá com a China começou na década de 1880, quando milhares de chineses se estabeleceram na Colúmbia Britânica para perseguir os frutos da Corrida do Ouro do Rio Fraser. Foi em Barkerville que surgiu a primeira comunidade chinesa-canadense.

Ao mesmo tempo, centenas de missionários cristãos do Canadá viajaram para a China, estabelecendo-se lá e estabelecendo raízes ao longo dos anos 1900. Manthorpe afirma que os filhos desses missionários, os chamados “Mish Kids”, desempenharam um papel fundamental no estabelecimento de apoio público para o reconhecimento precoce da República Popular da China.

Manthorpe segue o desenvolvimento das relações sino-canadenses através de cada sucessivo governo canadense, identificando importantes decisões políticas e o papel crítico que o Canadá desempenhou na abertura da China para o resto do mundo.

Em 1950, a Guerra da Coreia essencialmente colocou o Canadá em guerra com a China e impediu o Canadá de reconhecer oficialmente a República Popular da China. No entanto, quando a China chegou à porta do Canadá precisando de grãos devido à fome em massa, o Canadá o obrigou, tornando-se um dos primeiros países a negociar com o recém-criado regime comunista.

As relações diplomáticas com a China foram formalmente estabelecidas em 1970 sob o então primeiro-ministro Pierre Trudeau. O status de Taiwan era um obstáculo fundamental, já que tanto a ONU quanto os Estados Unidos mantinham uma política de “uma China, uma Taiwan”. No final, o Canadá “tomou nota” da reivindicação da China a Taiwan e reconheceu o governo da República Popular da China como o único governo legal da China. Esses termos negociados estabeleceram o modelo para que outros países seguissem o exemplo.

O massacre da Praça da Paz Celestial, em 1989, fez pouco para impedir a disposição do Canadá de se envolver com Pequim. O ex-primeiro-ministro Jean Chrétien continuou a expandir os interesses do Canadá na China, culminando com a missão comercial Team Canada, que custou bilhões de dólares em 1994, para a China, o que mais uma vez preparou o caminho para o reengajamento ocidental.

Foi-se o objetivo missionário da reforma social. Em seu lugar havia uma relação comercial que definiria a diplomacia pelas décadas seguintes.

Métodos de influência

As suspeitas sobre a influência de Pequim no Canadá têm crescido há décadas e Manthorpe faz críticas justificáveis à minimização dessas preocupações por gerações de políticos intoxicados pelo comércio e pelo benefício econômico, ao mesmo tempo que são prejudicados pela ingenuidade e boa vontade em relação a um regime que eles não conseguem entender.

Manthorpe afirma que as linhas entre “amigo da China”, “agente de influência” e “agente de espionagem” são difíceis de distinguir. No Canadá, a “amizade” simboliza uma relação de benefício mútuo. Para Pequim, no entanto, o título de “amigo da China” refere-se apenas àqueles dispostos a trabalhar pelos fins do regime.

Entre os métodos de influência usados pelo PCC, Manthorpe aponta para o domínio do Partido sobre o jornalismo de língua chinesa no Canadá, que ele usa como uma forma de controle do pensamento para inclinar a opinião pública a seu favor. Na mesma linha, a infiltração do regime em faculdades e universidades canadenses por meio de organizações como a Chinese Student and Scholar Association desempenha um papel crucial no monitoramento e no controle das atividades de estudantes chineses que estudam no exterior. O regime também usa as universidades como um ponto de acesso às tecnologias econômicas e militares, e a aquisição do setor energético chave e das empresas de tecnologia segue a mesma estratégia.

O livro caracteriza o mercado imobiliário canadense como um refúgio de lavagem de dinheiro para os ricos da China e pinta a indústria de cassinos do Canadá com a mesma cara.

Manthorpe soa de forma presciente o alarme da Huawei e expressa com razão a preocupação com os laços da empresa com o PCC e com as implicações de segurança cibernética de sua tecnologia. A Huawei tem investido grandes somas de seu enorme orçamento para pesquisa e desenvolvimento no Canadá, subsidiado ainda mais por milhões de dólares em doações canadenses.

Manthorpe é altamente crítico do Programa de Investidores Imigrantes do Canadá, que permitiu que investidores ricos de Hong Kong ganhassem cidadania, evitando impostos e fazendo pouco pela economia do país. O abuso do programa trouxe um influxo de líderes de gangues da Tríade, evasão fiscal e dinheiro sujo. Para ele, esse era outro exemplo de como o establishment canadense, intoxicado com a promessa de riqueza, ignorou a moralidade por trás do influxo de capital.

Embora o Canadá tenha sido o primeiro país a abrir suas portas à China nos anos 1970 e tenha sido o primeiro a voltar a engajar a China de maneira significativa após o massacre de Tiananmen, sua importância aos olhos do PCC diminuiu nas décadas seguintes. Na década de 1970, o Canadá foi o quarto maior parceiro comercial da China; em 2016, foi o 21º. O Canadá não pode mais superestimar sua importância para Pequim.

O caminho a seguir

Vinte e cinco anos em formação, “Garras do Panda” é uma leitura relevante em um momento em que o governo canadense está enfrentando decisões difíceis sobre a política da China. A tentativa fracassada do primeiro-ministro Justin Trudeau de garantir um acordo de livre comércio e as consequências da questão da Huawei deixaram claro que o status quo não é mais viável. O dragão apontou sua feia cabeça e o Canadá deve decidir quanto de sua fibra moral está disposto a comprometer para obter ganhos financeiros.

Quem procura estar um passo à frente se beneficiará ao ler o livro de Manthorpe. Ele oferece conselhos diretos e enfatiza que ações decisivas são necessárias para proteger a soberania já erodida do Canadá.

Manthorpe afirma claramente que o Canadá não tem esperança de mudar a China, mas que a China está mudando o Canadá de maneiras mensuráveis – e não para melhor.

Ele não vê um acordo de livre comércio com a China como benéfico. Ele argumenta que um acordo de livre comércio com um regime que não aceita arbitragem justa será uma falha unilateral. Acrescente a isso as exigências de Pequim de que Ottawa assine um tratado de extradição com a China. Se isso acontecer, o resultado fará com que o Canadá comprometa mais seus valores cívicos.

Manthorpe clama por identificar claramente e articular as intrusões da China na soberania canadense, bem como criticar publicamente o PCC em questões-chave como o Tibete, Taiwan, os direitos humanos e a expansão imperial no Mar do Sul da China.

O Canadá está apenas começando a despertar de seu sono e percebendo plenamente que sua abordagem ingênua diante de suas relações com a China, que pouco fez para fomentar o tipo de relacionamento recíproco que os países cumpridores da lei seguem. É tarde no jogo, mas a ação forte e baseada em princípios que Manthorpe defende é o melhor caminho para o Canadá – mesmo que isso aconteça ao custo de ganhos financeiros no curto prazo.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...