29 de ago de 2018

Primeiro-ministro socialista da Espanha quer uma “Comissão da Verdade” sobre a Guerra Civil e o regime de Franco na Espanha

Pedro Sánchez o novo Zapatero



RPP, 29 de agosto de 2018 



O primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez, levantou essa possibilidade na conferência de imprensa realizada na cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra com o ditador da Bolívia Evo Morales. 

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, mostrou sua vontade de estabelecer uma Comissão da Verdade “para reaver” o que aconteceu durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939) e a ditadura do general Francisco Franco (1939-1975). 

Temos que criar uma Comissão da Verdade para acordar uma versão nacional do que se passou durante a Guerra Civil e durante a ditadura de Franco”, disse Sánchez em entrevista à emissora de televisão chilena 24 Horas. 

E nós temos que dar descanso e paz a muitas famílias que ainda estão procurando por seus parentes desaparecidos que estão em muitas valas de nosso país”, acrescentou o líder espanhol, que encerrou uma visita oficial de dois dias ao Chile

Sánchez disse que a criação de uma Comissão da Verdade é algo que a Espanha tem a aprender com o Chile, que criou a Verdade e Reconciliação Nacional, que em 1991 documentou as mortes e desaparecimentos durante a ditadura do general Augusto Pinochet, chegando a estabelecer a existência de 2.279 vítimas do golpe de 1973 até o final do regime militar, em 1990. 

As deficiências desta comissão foram cobertas pela Comissão de Prisão Política e Tortura (Valech), que em 2004 também registrou vítimas torturadas e presas. 

“A memória é essencial”. 

Durante sua entrevista na televisão chilena, Pedro Sánchez defendeu o decreto real adotado por seu governo para a exumação dos restos mortais do ditador Francisco Franco (1892-1975) do Vale monumental dos Caídos, construído por decisão do município Madrid de San Lorenzo de El Escorial, como um gesto importante para as novas gerações de espanhóis. 

Com esta ação, mas especialmente para as futuras gerações de espanhóis, esperamos mostrar que uma democracia que se afirma como tal deve eliminar e erradicar qualquer traço que represente o oposto, como ela é e como era a ditadura de Franco”, expressou Sánchez. 

O primeiro-ministro espanhol visitou o Museu da memória da capital chilena, que inclui as violações dos direitos humanos durante a ditadura de Pinochet, e disse que aquilo que mais o animou ver foi as novas gerações de chilenos indo para o site para saber o que não tem de acontecer no futuro.

A importância da memória é básica, é essencial, a democracia deve ser justificada, a democracia deve ser digna, a democracia não pode prestar homenagem a um ditador”, disse Sánchez na entrevista. 

Sánchez já está na cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra, onde se reuniu com o "presidente" [ditador] Evo Morales, como parte de sua turnê por quatro países latino-americanos a qual também o levará para Colômbia e Costa Rica. 
Nota: a Guerra Civil espanhola foi muito mais do que Francisco Franco matando e dominando ditatorialmente um país por simples prazer. A Guerra Civil espanhola tem antecedentes que levaram ao evento. Embora Franco não fosse santo, digno até de ser chamado de autoritário, isso não significa que os que estão tentando reaver a história estão certos. A esquerda espanhola não informa aos incautos quais eram os "combatentes" do franquismo, e o papel de certas forças políticas [no caso eles] nos eventos que antecederam a guerra. Sánchez fala sobre "Comissão da Verdade" do lado de Evo Morales, um narcoditador que está matando o seu povo, e que se recusa a deixar o poder. A Espanha está em maus lençóis! 
 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...