2 de dez de 2016

Caças britânicos se preparam para sobrevoar o Mar do Sul da China; e o envio de porta-aviões ao pacífico após 2020





Reuters UK, 02 de dezembro de 2016. 







Aviões de combate britânicos que visitam o Japão vão sobrevoar o Mar do Sul da China e a Grã-Bretanha vai veicular porta-aviões no Pacífico quando estiverem operacionais em 2020, devido a preocupações com a liberdade de navegação no país. 

O enviado, Kim Darroch, disse a um Thin Tank de Washington que os aviões Typhoon britânicos atualmente destacados em uma visita ao Japão atravessariam partes disputadas do Mar da China Meridional para reivindicar os seus direitos de sobrevoo internacional, mas não deram prazo. 


Falando em um evento também que também contou com o embaixador do Japão em Washington, Darroch disse que a maior parte da capacidade futura de defesa britânica teria de ser dirigida para o Oriente Médio, acrescentou. 
Certamente, quando levarmos os nossos dois novos porta-aviões para operar em 2020, e à medida em que renovamos e atualizamos as nossas forças de defesa, eles serão vistos no Pacífico. 

E nós absolutamente partilhamos o objetivo desta administração norte-americana, e o da próxima, para proteger a liberdade de navegação e para manter rotas marítimas e rotas aéreas abertas”. 

Apesar de preocupações da Grã-Bretanha no Oriente Médio, “vamos tentar fazer a nossa parte” no Pacífico, disse ele. 

Quatro aviões de combate britânicos chegaram ao Japão em outubro para participar de exercícios com as forças japonesas em um momento de tensões crescentes em relação à perseguição da China ao território disputado no Leste Asiático, incluindo os Mares do Sul e do Leste da China. 

Em Pequim, o porta-voz da chancelaria chinesa, Geng Shuang disse que todos os países têm liberdade de navegação e sobrevoo no Mar do Sul da China, em conformidade com o direito internacional, e não havia nenhuma controversa sobre isso.

Esperamos que a parte relevante possa respeitar seriamente os esforços dos países regionais para salvaguardar a paz e a estabilidade no Mar da China do Sul”, disse ele em uma coletiva de imprensa diária.   

O embaixador do Japão, Kenichiro Sasae, disse que Os Estados Unidos, Japão e Grã-Bretanha discutiram uma maior cooperação naval em uma reunião no Pentágono em outubro e Tóquio acolheu um maior envolvimento britânico na segurança asiática.

Darroch disse que a primeira-ministra britânica Theresa May e o presidente eleito dos Estados Unidos Donald Trump discutiram a importância de todos os membros da OTAN cumprirem os seus compromissos de gastos com a defesa em uma conversação telefônica, esta semana, a segunda desde sua eleição em 08 de novembro.  

Darroch disse que todos os membros da OTAN se comprometeram a gastar pelo menos 2% do seu PIB em defesa, mas apenas cinco, incluindo os Estados Unidos, estavam fazendo isso. 

Eu acho que a crítica... Durante a campanha eleitoral de que uma série de países da OTAN não estão fazendo tudo o que podem... É inteiramente justa e veremos como o governo entrante quer levar isso adiante”, disse ele 

Trump tem criticado os membros europeus da OTAN por não cumprir os seus compromissos de gastos e também pediu aos aliados dos Estados Unidos na Ásia, Japão e Coreia do Sul para pagar mais por sua defesa ou o pôr em risco as alianças. 

Trump disse que pretende reconstruir os militares dos Estados Unidos, e assessores disseram que ele vai seguir uma política de “paz através da força” no Pacífico, em face da crescente assertividade da China. 

Os conselheiros dizem que pode se esperar de Trump uma abordagem mais “robusta” para as operações navais para fazer valer os direitos de navegação no Mar da China Meridional, uma vital rota de comércio global. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...