15 de mai de 2019

Juiz do Reino Unido decide em favor dos pais adotivos permitindo a transição de gênero do seu "filho" de 4 anos





LifeSiteNews, 14 de maio de 2019 





LONDRES, 14 de maio de 2019 (LifeSiteNews) – Um juiz do Reino Unido decidiu que um casal pode enviar seu filho adotivo de 4 anos para a escola em roupas de meninas depois de permitir que ele se identifique como uma menina. 

O juiz do Tribunal Superior David Williams da Royal Courts of Justice em Westminster decretou que, apesar das objeções dos serviços sociais do condado de Lancashire, que argumentaram que o casal não identificado havia “agido de forma precipitada em relação à disforia de gênero percebida”, o menino não deveria ser removido dos cuidados de seus pais, conforme solicitado pelos funcionários de Locashire. 

De acordo com o Daily Mail, os especialistas deram relatos brilhante sobre os pais e suas habilidades como pais. No entanto, funcionários da escola pediram expressamente aos pais que se abstivessem de enviar “H[a criança] em roupas de menina. 



A decisão do juiz de sancionar a transição de gênero de uma criança tão jovem é considerada sem precedentes no Reino Unido. 

Durante uma audiência fechada em abril, o juiz Williams elogiou os pais adotivos “sintonizados e cuidadosos”, que solicitaram que o julgamento fosse tornado público para que não houvesse “sobram de dúvidas pairando sobre eles”. O menino foi identificado como “H” em registros do tribunal. 

De acordo com o juiz Williams, “questões relacionadas à identidade de gênero e à compreensão médica de tais questões são complexas e em desenvolvimento. Inevitavelmente, há alguma defasagem entre esses profissionais de ponta e outros, nos quais me incluo, o que pode ter desempenhado algum papel de forma como esses processos surgiram”. 

Especialistas declararam no tribunal que “H”, na sua opinião, mostraram comportamento “consciente com o diagnóstico de disforia de gênero”. Eles aconselharam que “forneceram justificativa clínica” para os pais promoverem a transição de gênero. O juiz Williams descobriu que “H” é identificado como uma “menina, socialmente ativa”. Ele determinou que “H” não foi prejudicado por uma “transição completa para uma mulher que ocorreu de forma precoce”, dizendo que não havia evidência “de que foi ativamente encorajado em vez de adequadamente apoiado”. 

De acordo com os autos do processo, o “C[a criança] de seis anos disse que seu irmão “H” era um “menino quando ela nasceu”. No entanto, ele acrescentou que “H” é “agora uma menina e cresceria para ser uma mulher”.

De acordo com o Spectator.co.uk, o casal adotivo havia enviado “H” para a escola em um uniforme feminino aos 3 anos de idade e havia permitido que seu filho biológico o fizesse ao sete anos de idade. Além disso, um terceiro filho adotivo que esteve sob seus cuidados está declaradamente mostrando “questões de identidade de gênero”. No total, o casal tem dois filhos biológicos e três filhos adotivos. 

O Spectator informou que a testemunha especializada foi fornecida por Vickie Pasterski, uma psicóloga empregada pela clínica privada London Transgender. Embora o número de pacientes atendidos pelo pessoal do National Healt Service do Reino Unido [Serviço Nacional de Saúde] não aumente a renda do pessoal, de clínicas privadas como a London Transgender Clinic que parecem lucrar com o aumento do número de pacientes atendidos. 

No final de 2018, a equipe do Serviço de Desenvolvimento da Identidade de Gênero do NHS (GIDS, na sigla em inglês) na clínica de Tavistok, em Londres, afirmou que alguns casos de crianças que alegavam disforia de gênero não haviam sido adequadamente avaliadas. Alguns pacientes concordaram com a equipe sênior sobre essas preocupações, levando a uma investigação. Em fevereiro de 2019, o homem de confiança do NHS, que administrava a Tavistok, renunciou, tendo denunciado sua atitude “limitada” em relação às preocupações. 

Cinco ex-clínicos que pediram demissão da Tavistock alegam que “intervenção médica que mudou vidas para crianças e adolescentes foi concebida sem evidência suficiente de seus efeitos a longo prazo”. Algumas crianças, disseram, que foram diagnosticadas erroneamente como “transexuaisporque tinham experimentado atrações do mesmo sexo

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...