26 de abr de 2019

O enviado especial americano para a política externa sobre a crise da Venezuela diz que chavistas devem fazer parte da transição democrática

Elliott Abrams




Noticieiro, 25 de abril de 2019 




Washington, 25 de abril (EFE) – o Partido Socialista Unido da Venezuela fundado pelo ex-presidente Hugo Chávez e os militares devem ter um espaço em uma possível transição na Venezuela, foi concordado nesta quinta-feira entre autoridades em Washington e ex-líderes do oficialismo daquele país. 

O PSUV deveria ter um papel na reconstrução da Venezuela”, disse o enviado especial dos Estados Unidos para este país, Elliott Abrams, que não descartou a possibilidade de que, em um cenário de futuras eleições, o Chavismo possa se apresentar. 

Falando na reunião “Venezuela depois pós-Maduro: uma visão para o futuro do país”, organizada pelo Think Tank do Atlantic Council, Abrams citou três elementos para uma mudança naquele país: participação política através de um governo de inclusão, forças militares profissionais e uma economia crescente. 


Para os membros do PSUV, é hora de exigir um processo democrático dentro do seu partido. Uma ou duas pessoas não deve ter o poder”, disse Abrams. 

Neste contexto, ele afirmou que o Chavismo poderia atuar “como um partido político democrático” e ganhar votos em eleições livres, e indicou que os Estados Unidos, como fez em outras ocasiões na América Latina, respeitarão o que os venezuelanos escolherem. 

Abrams apontou, referindo-se ao PSUV, que eles estão vendo como o legado de Hugo Chávez está sendo “destruído” e advertiram que Nicolás Maduro foi selecionado como presidente do PSUV por um grupo muito pequeno de pessoas com seus próprios interesses”. 

Abrams advertiu, no entanto, que “a transição não será fácil” e admitiu que pode até “piorar antes de melhorar”. 

Carlos Vecchio, representante do líder da oposição Juan Guaidó nos Estados Unidos, também defendeu a possibilidade de que seu país chegue a um governo inclusivo que entenda que a crise humanitária em seu país “não leva em conta a afiliação política”. 

Isso não é sobre mim, não é sobre (o presidente dos Estados Unidos, Donald) Trump, não é sobre Maduro, é sobre o povo da Venezuela”, disse Vecchio. 

Por sua parte, Gabriel Ramirez, exouvidoro da Venezuela e uma das líderes de Chávez, que rompeu com o governo de Maduro, defendeu a decisão de se distanciar de alguns setores do Madurismo para defender a Constituição.


Os defensores do governo têm se tornado uma seita conservadora que defende mais corruptos, mais submissão e repressão, mais anti-povo, e anti-trabalhador da nossa história republicana além de mais retrógrada força anti-revolucionária”, disse. 


O ex-funcionário do governo questionou o “papel vergonhoso” que os grupos que apoiam a Maduro assumiram e indicaram que a Venezuela deveria ser impedida de “parecer uma ditadura africana”. 

“Qualquer um que apoie o governo hoje está negando todas as bases das razões que nos trouxeram com o Chavismo ao poder. Hoje estamos com mais fome, temos mais doenças, temos mais serviços públicos precários e governantes ricos e desconectados das dores das pessoas mais pobres da Venezuela hoje”, afirmou. 

Ramírez, que participou remotamente da Espanha por videoconferência, apontou a necessidade de colocar as pessoas de volta “como agentes de mudança” e direcionar a mensagem para os setores médios e inferiores das Forças Armadas, como um tema de mudança, como “soldado do povo”.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...