25 de fev de 2019

Taiwan fica em alerta diante da invasão de Pequim em sua liberdade acadêmica





Epoch Times, 25 de fevereiro de 2019 




Por Frank Fang 




TAIPEI, Taiwan – O regime chinês está ampliando sua censura acadêmica global para seu vizinho democrático do outro lado do estreito.

Um intercambista chinês não identificado que estuda na Universidade Católica Fu Jen, em Taiwan, recentemente entrou com uma queixa no Departamento de Assuntos de Taiwan, administrado por Pequim, uma agência administrativa que lida com questões relacionadas a Taiwan. O estudante reclamou sobre como alguns professores de sua turma compartilhavam suas opiniões políticas, de acordo com relatos da mídia local.

Embora não se saiba exatamente o que os professores disseram, certos tópicos envolvendo Taiwan são considerados tabus por Pequim. Por exemplo, a discussão sobre os pedidos de Taiwan de anunciar formalmente  sua independência da China continental é proibida – já que Pequim considera a ilha autogovernada como uma de suas províncias que deve ser unida ao continente, por força militar, se necessário.

Taiwan é um país democrático, independente e de fato, com sua própria constituição, militares, autoridades eleitas e divisas, após sediar sua primeira eleição presidencial em 1996.

Em resposta à queixa do estudante, o Escritório de Assuntos de Taiwan logo entrou com um protesto no Comitê de Entrada Universitária de Taiwan para Estudantes Chineses do Continente, uma agência do Ministério da Educação de Taiwan que lida com questões relacionadas a estudantes da China continental estudando na ilha.

O escritório exigiu que o comitê de ingresso reduzisse o número de vagas de matrícula alocadas para estudantes chineses do continente na Fu Jen.

De acordo com um relatório de julho de 2018, do jornal de Taiwan China Times, as faculdades e universidades de Taiwan aceitaram um total de 733 estudantes chineses do continente para o ano letivo de 2018-2019. Dos 733, Fu Jen aceitou 46, colocando a escola em quarto lugar para aceitação do estudante chinês no continente.

Posteriormente, a comissão passou o protesto aos funcionários da Universidade Católica de Fu Jen, pedindo à instituição que esclarecesse a situação. Em resposta, as autoridades da universidade elaboraram um documento oficial concordando com as demandas da agência, segundo a mídia local, embora não tenham elaborado mais detalhes sobre o conteúdo das solicitações.

A universidade também enviou o documento via e-mail para diferentes departamentos acadêmicos. A mensagem de e-mail afirmava que o documento foi enviado para “garantir a qualidade da educação recebida pelos alunos” e pediu aos professores que “não falassem excessivamente sobre tópicos não relacionados ao curso acadêmico”.

O e-mail da universidade que indicou sua capitulação às autoridades de Pequim foi divulgado pela primeira vez por Ho Tung-hung, professor assistente de psicologia em Fu Jen, depois que ele postou uma captura de tela do e-mail em sua página no Facebook em 19 de fevereiro.

A postagem de Ho no Facebook provocou um alvoroço entre os taiwaneses.

O Ministério da Educação de Taiwan respondeu rapidamente, classificando as ações da universidade e da comissão de ingresso como “inapropriadas”, em um comunicado divulgado em 19 de fevereiro, de acordo com a Central News Agency de Taiwan.

O ministério pediu que tanto o comitê quanto Fu Jen “compensem seus erros, respeitem o profissionalismo dos professores universitários e salvaguardem os direitos educacionais dos estudantes”.

O legislador taiwanês Wang Ding-yu também expressou sua frustração com esse aparente ato de censura acadêmica.

“Se nosso próprio governo [taiwanês] não tem permissão para interferir na liberdade acadêmica, como poderíamos tolerar um regime estrangeiro, como o da China, fazer comentários irresponsáveis sobre o ambiente acadêmico de Taiwan? Isso é extremamente inapropriado”, disse ele em entrevista por telefone à filial de Taiwan da NTD, parte do Epoch Media Group.

Wang sugeriu que as autoridades taiwanesas possam revogar os direitos dos estudantes estrangeiros de estudar em Taiwan se eles denunciarem incidentes às autoridades de Pequim, como fez o mais recente estudante chinês.

“Nós nunca permitiríamos que o regime chinês usasse sua tática ditatorial e anti-liberdade para interferir na liberdade acadêmica de Taiwan”, disse ele.

Em março de 2017, outra universidade privada taiwanesa, a Universidade Shih Hsin, enfrentou críticas semelhantes quando assinou um acordo com três escolas da China continental – Universidade Normal de Jiangsu, Universidade de Ciência e Tecnologia de Zhejiang e Universidade de Zhejiang – prometendo que cursos oferecidos a estudantes de intercâmbio do continente em Shih Hsin não incluiriam nenhuma menção a “One China One Taiwan”, “Duas Chinas” e “Independência de Taiwan”, de acordo com reportagens do jornal local Liberty Times.

“Uma China e Uma Taiwan” e “Duas Chinas” indicam que Taiwan é um país independente formal.

Na época, o Ministério da Educação de Taiwan também criticou a Shin Hsin por não informar o acordo ao ministério antes de assinar. De acordo com a lei local, qualquer acordo de cooperação com uma escola da China continental deve ser apresentado antecipadamente ao ministério.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...