16 de fev de 2019

Enquanto líder da Bolívia se prepara para o quarto mandato, a influência da China cresce





Epoch Times, 16 de fevereiro de 2019 



Por Frank Fang 



Investimento chinês na Bolívia está sob escrutínio, dadas as suas implicações políticas e sociais de longo alcance para o país sul-americano

Um incidente recente na Bolívia demonstrou as repercussões da influência da China.

Em 14 de fevereiro, o jornal boliviano Los Tiempos informou que uma investigação das autoridades florestais bolivianas descobriu que quatro serrarias locais exportavam ilegalmente madeiras de alto valor para a China. Funcionários antigos da agência, chamados de Autoridade de Auditoria Florestal e Controle Social, estavam envolvidos no esquema.

Eles agora foram colocados sob investigação.


Agora, o investimento chinês na Bolívia está sob escrutínio, dadas as suas implicações políticas e sociais de longo alcance para o país sul-americano.

Investimento Chinês

O atual líder boliviano Evo Morales, que é presidente desde 2006, alinhou-se com Pequim logo no início, logo depois de vencer a eleição e se tornar presidente eleito.

Em janeiro de 2006, enquanto visitava a China, Morales chamou Pequim de “aliado ideológico” e expressou sua admiração pelo regime comunista chinês, segundo o diário espanhol El Mundo.

Outro jornal diário espanhol, El Periódico de Aragón, relatou que Morales se declarou um grande admirador do ex-líder do Partido Comunista Mao Zedong e sua “revolução proletária”, observando que havia lido a biografia de Mao “desde tenra idade”. A revolução cultural iniciada em 1966, durou até sua morte em 1976 e resultou na morte de milhões de pessoas.

As relações com a China decolaram depois da visita de Morales. O comércio bilateral entre a Bolívia e a China cresceu significativamente em 2008, de acordo com um documento de trabalho de 2018 publicado pela Unidade Global Sul da London School of Economics. As exportações da Bolívia para a China passaram de US$ 16.000 em 1992 para US$ 434 milhões em 2014, enquanto as importações da China cresceram de US$ 7,5 milhões para US$ 1,8 bilhão durante o mesmo período.

Em 2018, a China tornou-se o quarto maior parceiro comercial da Bolívia, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores da China.

As empresas chinesas começaram a fazer negócios na Bolívia, inclusive nos setores de petróleo, construção, manufatura e telecomunicações. Por exemplo, a Bolívia garantiu um empréstimo de US$ 251 milhões do Banco de Desenvolvimento da China, em 2013, para lançar seu satélite de telecomunicações Túpac Katari 1, segundo o jornal boliviano Página Siete.

Em 2015, o banco de política estatal da China, o Banco de Exportação e Importação da China, concordou em fornecer US$ 7 bilhões em empréstimos para financiar investimentos em projetos na Bolívia, incluindo energia hidrelétrica e infraestrutura ferroviária, segundo a Reuters.

Enquanto isso, a gigante de telecomunicações chinesa Huawei também trabalhou com a provedora nacional de telecomunicações da Bolívia, a Entel, e provedores privados, como Tigo e Viva, segundo o jornal boliviano Los Tiempos. A Huawei informou em seu site em junho de 2018 que a Entel concluiu a implantação de suas novas estações de base de celular – para comunicações 4G e 5G – chamada TubeStar.

E mais recentemente, em 7 de fevereiro, a empresa chinesa de construção e engenharia elétrica Xinjiang TBEA Group foi selecionada pelo governo boliviano para uma parceria sobre projetos de lítio no valor de US$ 2,3 bilhões, segundo a Reuters. O TBEA Group deteria 49% das participações em uma joint-venture com a empresa de lítio da Bolívia, YLB.

Pequim tem procurado acesso mundial ao lítio – um dos principais componentes das baterias de carros elétricos – para suprir seu desenvolvimento agressivo de sua indústria doméstica de veículos elétricos.

Influência chinesa

Depois de anos de investimentos chineses, há sinais de que Pequim tem uma certa influência na Bolívia.

Em 2016, a ex-namorada de Morales, Gabriela Zapata, esteve envolvida em um caso de corrupção que provou ser um grande escândalo para o líder.

Zapata era a gerente comercial da filial boliviana da China, a CAMC Engineering, subsidiária da China National Machinery Industry, fabricante chinês de ferramentas e de construção.

Ela foi presa em fevereiro de 2016 como parte de uma investigação de corrupção. Embora as acusações relacionadas à sua prisão não tenham sido divulgadas na época, a CAMC recebeu contratos de milhões de dólares na Bolívia, incluindo um projeto ferroviário e uma usina de extração e refinação de sal.

Em maio de 2017, Zapata foi condenada a 10 anos de prisão por lavagem de dinheiro, contribuições ilegítimas e uso inadequado de bens e serviços públicos.

De acordo com o jornal boliviano El Deber, um documento do tribunal mostrou que Zapata não possuía as qualificações e experiência de trabalho necessárias para seu cargo na CAMC.

Os oponentes políticos de Morales acusaram-no de tráfico de influência, segundo a AP, uma acusação que Morales negou.

Outro incidente envolvendo as Nações Unidas também revelou a influência da China na Bolívia.

Em 13 de abril de 2018, as forças dos Estados Unidos, Inglaterra e França lançaram ataques aéreos contra a Síria, em resposta a um ataque com gás venenoso na semana anterior, supostamente pelo exército sírio, que matou pelo menos 70 pessoas na cidade síria de Douma.

Em resposta aos ataques aéreos, a Rússia convocou uma reunião de emergência, propondo uma resolução condenando a “agressão” pelos três países, segundo a AP.

Depois de uma votação pelo Conselho de Segurança de 15 membros, oito países votaram contra o projeto de resolução russo, enquanto quatro países se abstiveram.

A Rússia recebeu apenas votos de dois países – China e Bolívia.

Crise política na Bolívia

O país enfrenta agora uma crise, pois Morales se estabeleceu em um outro mandato.

A constituição da Bolívia estipula que os presidentes só podem cumprir um máximo de dois mandatos de 5 anos.

Mas em abril de 2013, uma decisão judicial permitiu que Morales concorresse ao cargo para um terceiro mandato em outubro de 2014. A decisão judicial determinou que o primeiro mandato de Morales não contava com a limitação de dois mandatos sob a constituição porque foi aprovada em dezembro de 2009, depois de Morales já ter começado a cumprir seu primeiro mandato.

Em novembro de 2017, outra decisão judicial anulou os limites do mandato presidencial. A decisão do tribunal abre o caminho para Morales concorrer ao seu quarto mandato nas eleições gerais a serem realizadas em outubro de 2019.

Os norte-americanos Bob Menendez (D-N.J.) e Dick Durbin (D-Ill.) E Ted Cruz (R-Texas) apresentaram recentemente uma resolução bipartidária que levanta preocupações sobre o futuro do país. “É importante que todas as partes respeitem a Constituição da Bolívia, que inclui limites de mandato que servem como um importante controle institucional contra a corrupção e os abusos de poder”, disse Cruz em 01 de fevereiro à imprensa pelo Comitê de Relações Exteriores dos Estados Unidos, o qual os senadores são membros.

Eles pediram princípios democráticos e apoiaram “o desejo do povo boliviano de manter limites presidenciais”.

Os senadores também observaram que a Bolívia se alinhou com “regimes desonestos e ilegítimos, incluindo Maduro na Venezuela”.

Na turbulência política em curso na Venezuela, a legitimidade do ditador venezuelano Nicolás Maduro foi desafiada pelo líder da oposição, Juan Guaidó.

Vários países anunciaram seu apoio a este último, incluindo os Estados Unidos, Canadá, Argentina e Brasil.

Mas Pequim defendeu Maduro firmemente.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...