12 de fev de 2019

Colômbia – George Soros zomba da soberania colombiana: “Doará” 2,6 milhões para o ativismo judicial pró-FARC de Rodrigo Uprimny




El Nodo, 12 de fevereiro de 2019. 




Uprimny é o principal cérebro judicial que legitimou a impunidade do grupo narcoterrorista das FARC. 

Há poucos dias, uma doação de US $ 2,6 milhões por George Soros foi confirmada pela ONG de ativismo judicial de esquerda Dejusticia, liderada pelo ativista judicial Rodrigo Uprimny, dirigido pela Open Society Foundation. 

A informação foi publicada diretamente pelo site da Open Society nos Estados Unidos, anunciando também a busca por mais doações de até US $ 7,5 milhões até 2025. Como é sabido, um recente documentário produzido pela renomada jornalista Caleña Isabel Cuervo, com sede nos Estados Unidos, que em detalhe descreve a teia de interesses do especulador financeiro Soros, organizações e indivíduos que facilitaram a ascensão do grupo terrorista FARC para a política, e a influência do dinheiro e ideias em grupos radicais de esquerda que agora apoiam o ex-terrorista Gustavo Petro Urrego, como as FARC. Outros apadrinhados políticos de Soros no cenário político colombiano inclui o ex-terrorista León Valência, e o braço direito no processo de destruição constitucional Sérgio Jaramillo, e o advogado de esquerda e arquiteto do marco legal da impunidade das FARC, Rodrigo Uprimny. 



  1. No caso do perigoso ex-terrorista do ELN León Valência, o documento de Isabel Cuervo avisa sobre o envolvimento de duas ONGs de Soros envolvidas com o criminoso anistiado. A esse respeito, o relatório detalhado declara que a Fundação para a Paz e a Reconciliação e a Corporación Nuevo Arcoiris receberam direta ou indiretamente apoio logístico ou assistência financeira de George Soros. Além disso, o documentário afirma que o ex-guerrilheiro também teria influência no portal de notícias “La 2 Orillas”. Textualmente “todas essas corporações recebem subsídios da Open Society de Soros”. Em relação a León Valência, a investigadora Lia Fowler se lembra dele como um “sequestrador do ELN que não pagou um dia sequer de prisão”. Ela acrescenta: “León Valência e George Soros criaram um exército de 8 meses para fazer um mapa de uma rota latino-americana... o representante da Colômbia era León Valência, um terrorista!"
  2. No caso de Sérgio Jaramillo, Isabel Cuervo descreve o descreve como “ex-negociador” das FARC que foi financiado anteriormente por Soros na Fundação Ideias para a Paz, “um think tank onde se elaborava ideias para a estratégia dos diálogos com as FARC em Havana, além de um membro do conselho de supervisão”.
  3. No caso do ativista esquerdista e advogado Rodrigo Uprimny, o documento apresenta-o como o arquiteto da estrutura judicial de impunidade da organização narcotraficante FARCA.

O pessoal de Soros afetando as eleições na Colômbia. 


Como é sabido, o principal cérebro judicial é Uprimny que legitimou a impunidade do grupo narcoterrorista das FARC, revelando conceitos ideológicos pseudo-legais que facilitaram o desembarque do secretário no Congresso com total impunidade. 



Literalmente a ONG Open Society afirma: 

A Open Society Foundation anuncia que dará uma importante contribuição ao Dejusticia, um grupo de especialistas jurídicos e de defesa com sede em Bogotá, cuja missão é fortalecer o Estado de Direito e promover a justiça social e os direitos humanos. Para ajudar a apoiar as prioridades e estratégia do Dejusticia, a organização receberá R $ 2,6 milhões e se comprometerá a levantar US $ 7,4 milhões dos outros doadores e fontes antes de 2025. A Open Society oferece fundos equivalentes na proporção de uma para um. 

“Dejusticia tem algumas das mentes jurídicas mais brilhantes da América Latina”, disse Pedro Abramovay, diretor regional para a América Latina e o Caribe da Open Society. “Eles são muito hábeis em combinar litígios e pesquisas com outras ferramentas para levar justiça a alguns dos grupos mais excluídos da região: das vítimas do conflito interno na Colômbia aos jovens que buscam deter as mudanças climáticas”. Fundado por professores de direito em 2005, o objetivo do Dejusticia é fazer a ponte entre pesquisa acadêmica e a prática dos direitos humanos, o que significa que a pesquisa nas ciências sociais e jurídicas deve ser usada para mudar políticas públicas e criar uma sociedade melhor e mais justa. “A organização aceita humildemente essa oportunidade de contribuir para a causa dos direitos humanos, servindo como um veículo para a ação, reflexão e colaboração de impacto entre organizações de direitos humanos em todo o mundo”, disse Vivian Newman, diretora executiva interina do Dejusticia. “À luz dos desafios do populismo autoritário, da crescente desigualdade e de conversas prematuras sobre o suposto fim dos direitos humanos, promoveremos ideias efetivas e respostas práticas a esses desafios, e daremos força e esperança ao movimento dos direitos humanos, nos níveis nacional, regional e global”. Dejusticia usará as contribuições da Open Society para primeiro financiar suas principais operações. 

Com base nas concessões milionárias, George Soros afetaria diretamente a soberania sul-americana para impor conceitos de ativismo de extrema-esquerda. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...