3 de dez de 2018

Reino Unido – deputada irlandesa pró-vida é acusada de odiar as mulheres por combater abortos financiados pelo contribuinte

Carol Nolan



Lifesitenews, 30 de novembro de 2018 



30 de novembro de 2018 (Sociedade para a Proteção dos Nascituros) – Em uma demonstração clara de intolerância com a visão pró-vida na política irlandesa, uma deputada foi submetida a ataques pessoais viciosos por tentar alterar a lei de aborto extremo que estava sendo feito as pressas pelo parlamento do país.

Carol Nolan, a TD (Membro do Dáil, ou parlamento irlandês) de Offaly, que recentemente deixou o Sinn Féin após ser suspensa por votar contra a política sobre o aborto, apresentou uma emenda ao Projeto de Saúde (Regulamento de Rescisão da Gravidez), buscando garantir que o dinheiro dos contribuintes não seja usado para abortos. O ministro da Saúde, Simon Harris, anunciou em setembro que o aborto seria oferecido gratuitamente no serviço de saúde da Irlanda. 

Aborto gratuito em um sistema de saúde pagante. 

Ao contrário do Reino Unido, no sistema de saúde de dois níveis na Irlanda, quase 70% da população tem que pagar taxas pelos serviços de saúde. A locomoção por meio de veículos de emergência custa € 100, uma estadia no hospital € 80 e um GP [cartão] de visita € 45-75. O aborto, que estará disponível sob demanda até 12 semanas sem referência necessária para a saúde da mulher, será fornecido gratuitamente. 

Durante a fase de relatório do projeto, a última chance de emendas, a deputada Nolan perguntou por que o público estava sendo solicitado a “financiar um serviço que força um ato fatal contra outros que não fizeram nada de errado” descrevendo isso como a forma como o aborto é realizado. 

Ataques pessoais. 

Sua emenda foi derrotada por 90 votos a 9, mas não antes de ser atacada por Tds de todos os lados. Lisa Chambers, TD do Fianna Fáil descreveu a emenda de Nolan como “sinistra”, enquanto o partido PP, e o TD Richard Boyd Barret disseram que a descrição do procedimento de aborto foi projetada para induzir “trauma, medo e choque”. 

O abuso mais cruel veio de Louise O’Reily do Sinn Féin, que também acusou Nolan de tentar “injetar táticas de choque absurdo dos Estados Unidos”, e disse que seus comentários “não mostram compaixão” e estavam “cheios de julgamento, pingando de ódio visceral das mulheres”. Estranhamente, ela também disse que Nolan está fazendo “lobby para um certo empresário bem 
conhecido”.

 

Nolan visivelmente chorosa foi forçada a defender o seu caráter e se retirar, pois estava apenas procurando representar os pontos de vista das 723.632 pessoas que votaram no “Não” no referendo sobre a Oitava Emenda, e das muitas pessoas que votaram no “Sim” que têm problemas com a legislação como está agora. 

Intimidada em silêncio ou expulsa. 

A recusa dos principais partidos políticos em permitir qualquer desvio da posição pró-aborto ou permitir quaisquer alterações à legislação significa que Nolan não é a única TD que foi forçada a sair do seu partido. Peader Tóibin já deixou o Sinn Féin depois que o partido o suspendeu por seis meses por votar contra a lei do aborto, enquanto Peter Fitzpatrick renunciou ao Fine Gael em parte por causa da promoção do aborto pelo governo. 

A deputada Nolan resumiu a situação, dizendo: “Infelizmente, muitos pró-vida foram intimidados, mas eu não vou permitir que minhas opiniões sobre o assunto sejam silenciadas, parece que a democracia em Dáil Éireann só existe se você tiver uma visão liberal e pró-escolha – muito por igualdade e respeito minha única motivação em todos os momentos têm sido uma preocupação pelo bem-estar das mulheres e seus bebês em gestação".

Eu não estou acostumada a descrever o procedimento do aborto em detalhes, mas quando os colegas do Dáil nem sequer apoiam uma emenda para fornecer alívio da dor a um feto durante um aborto tardio, então eu acho que é razoável desafiá-los sobre o que eles estão fazendo”. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...