20 de dez de 2018

Governo britânico poderá implementar Brexit sem acordos




Epoch Times, 20 de dezembro de 2018 




"Nenhum acordo foi uma opção verdadeiramente viável e a primeira-ministra sabe disso"

LONDRES – O governo britânico disse que poderá implementar na íntegra os planos para um Brexit “sem acordos” e está dizendo às empresas e aos cidadãos para se prepararem para o risco de deixar a União Europeia sem um acordo.

Esses planos incluem reservar espaço em balsas para garantir um fluxo regular de suprimentos médicos e manter 3.500 militares prontos para apoiar o governo em seus planos de contingência.

Havendo pouco mais de 100 dias para que a Grã-Bretanha deixe a União Europeia, a primeira-ministra Theresa May ainda não conseguiu o apoio de um parlamento, profundamente dividido, para o acordo que ela assinou no mês passado em Bruxelas para manter laços estreitos com o bloco.


Ela disse que uma votação atrasada sobre seu acordo ocorrerá em meados de janeiro, levando alguns legisladores a acusá-la de tentar forçar o parlamento a apoiá-la a protelar enquanto o dia da saída,  29 de março, se aproxima.

Nenhum acordo significa que não haverá transição e a saída será abrupta, gerando portanto um cenário desastroso para as empresas internacionais e realizando o sonho dos “brexistas” linhas-duras que querem uma separação decisiva.

May, que sobreviveu a uma votação de confiança, em 12 de dezembro, feita por seu Partido Conservador, alertou os legisladores que as alternativas para seu plano não estão levando a acordo algum ou ao cancelamento do Brexit.

Seu porta-voz disse que enquanto a prioridade do governo permanecesse sair com um acordo, que era o cenário mais provável, agora ela implementaria seus planos de não-negociação “na íntegra”.

“O gabinete concordou… chegamos agora ao ponto em que precisamos intensificar esses preparativos. Isso significa que agora vamos movimentar os elementos remanescentes de nossos planos de não negociação”, disse ele.

“O gabinete também concordou em recomendar que as empresas agora também garantam que estejam preparadas de forma semelhante, aprovando seus próprios planos de não negociação conforme julgarem necessário. Os cidadãos também devem se preparar”, acrescentou ele, dizendo que, após as orientações da saída sem acordos emitidas no início deste ano, mais conselhos detalhados seriam publicados em breve.

Keir Starmer, porta-voz do Partido Trabalhista da oposição, disse que o governo está protelando.

“Nenhum acordo nunca foi verdadeiramente uma opção viável, é uma farsa política e, no fundo, acho que o governo e a primeira-ministra  sabem disso”, disse ele ao parlamento.

No início deste mês, o ministro das Finanças, Philip Hammond, disse ter disponibilizado mais de 4,2 bilhões de libras (US$ 5,3 bilhões) para o planejamento do Brexit desde o referendo de 2016 e alocaria mais 2 bilhões de libras para os departamentos do governo.

A economia da Grã-Bretanha desacelerou desde a votação de 2016 do Brexit e não há garantia de que as empresas e os consumidores permanecerão com acesso livre de tarifas às mercadorias da União Europeia após deixarem o bloco.

Consequências

As Câmaras Britânicas de Comércio calcularam em 18 de dezembro que o crescimento econômico este ano e em 2019 podem ser os mais fracos desde que a Grã-Bretanha emergiu da recessão em 2009, devido ao congelamento no investimento empresarial e fraca demanda dos consumidores diante do Brexit.

O Parlamento está em um impasse sobre o Brexit, com facções pressionando por diferentes opções para futuros laços, uma saída sem acordos ou permanência na União Europeia.

May está buscando garantias da União Europeia sobre o chamado “backstop” da Irlanda do Norte – uma apólice de seguro para evitar o retorno de uma fronteira complicada entre a província britânica e a Irlanda, membro da União Europeia. Os críticos temem prender a Grã-Bretanha a uma união aduaneira com a União Europeia indefinidamente, caso isso não seja solucionado concretamente.

Como é improvável que a União Europeia ofereça concessões que conquistarão os legisladores e descarte repetidamente um segundo referendo, o risco de uma saída sem acordo aumentou, um cenário que algumas empresas temem ser catastrófico para a quinta maior economia do mundo.

A operadora britânica de transporte de cargas e frete P & O está revendo sua frota registrada no Reino Unido e está alterando o registro de nacionalidade de dois navios para manter os acordos fiscais da União Europeia à frente do Brexit, disse a empresa.

O ministro da Habitação, James Brokenshire, disse à Rádio BBC que o governo estava fazendo preparativos da saída sem acordo “com relutância”.

“Não é o que queremos fazer, ainda não é o que nós esperamos fazer porque queremos ver o acordo garantido”, disse ele.

Mike Amey, diretor da gigante de administração de fundos PIMCO, disse que há “baixa probabilidade” de não negociação, já que não há maioria de parlamentares que a aceitem.

A Grã-Bretanha estaria mais propensa a estender ou revogar sua notificação do Artigo 50 para deixar a União Europeia, disse ele. May descartou ambas as possibilidades até o momento.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...