24 de ago de 2018

Suécia – Mais da metade dos condenados por estupro ou tentativa na Suécia nasceram no exterior




Mail, 24 de agosto de 2018 






Mais da metade dos condenados por estupro ou tentativa de estupro na Suécia no ano passado nasceram em um país estrangeiro, revelam novas estatísticas.

Em casos de estupro em que a vítima foi atacada e não conhecia o seu agressor ou agressores, a cifra sobe para 85%. Quatro em dez estavam na Suécia há menos de um ano. 

Os números foram revelados após uma investigação feita pelo canal de serviço público sueco SVT, que viu políticos de oposição exigirem a expulsão de estupradores estrangeiros condenados. 


As conclusões da emissora pública SVT levaram a demandas de políticos da oposição de que a Suécia adote uma linha dura para com os estupradores de origem estrangeira. 

Uma quantidade desproporcional de agressores nascidos no exterior veio do Afeganistão, com um total de 5,3% de todos os estupradores condenados nascidos no país. 

A Suécia precisa colocar os pés no chão. Se você é um estuprador condenado e um cidadão estrangeiro, então você deve ser expulso”, disse Tomas Tobé, ministro da Justiça. 

Também devemos ousar reconhecer que existem problemas culturais e normativos, como com alguns jovens do Afeganistão, com os quais precisamos lidar”. 

Os investigadores do programa examinaram todas as condições nos tribunais distritais em toda a Suécia por estupro e tentativa de estupro nos últimos cinco anos. 

Suas descobertas revelaram que, quando a vítima não sabia que o infrator, 97 dos 129 condenados nasceram fora da Europa. 

O documentário revelou que nos últimos cinco anos, dos 843 casos de estupro, 427 dos infratores eram de um país que não a Suécia. 

Os números produzidos mostraram que quase 40% dos condenados nasceram no Oriente Médio ou na África. 

A nacionalidade mais comum de comparecer no tribunal – além dos suecos – eram requerentes de asilo do Afeganistão, com 45 homens presos ou enviados para um centro de detenção juvenil. 

O documentário também revelou que o número de casos de estupro registrados aumentou em 35% nos últimos dez anos, mas não teve uma taxa de condenação equivalente. 

Em 2016, foram notificados 6.175 estupros à polícia, mas apenas 142 condenações. 

Como pare do documentário, uma vítima de estupro que foi agredida por três migrantes renunciou ao seu direito ao anonimato. 

Sofia Naslund foi atacada em 2015 na sua cidade natal de Strangnas, a cerca de 100 km da capital Estocolmo. A polícia prendeu dois de seus agressores, enquanto um terceiro ainda não foi capturado. 

Ambos os homens – um argelino e um sírio – negaram a agressão, mas foram condenados com a ajuda de provas de DNA. 

O argelino foi preso por dois anos e meio, enquanto o cidadão sírio recebeu uma sentença de cinco anos. Ambos os homens serão deportados depois de completarem a sentença. Naslund disse que a agressão mudou sua vida. 

Para tentar sobreviver, tentamos fechar essas memórias. Acabei em um completo caos de sentimentos e o corpo reagiu”, disse ela. 

Eu ainda estou pensando sobre isso e essa é uma das razões pelas quais eu escolhi sair da minha cidade natal Strangnas. Antes de ter uma vida social, saía com meus amigos. Hoje eu já não faço mais isso”. 

O documentário causou uma tempestade na Suécia, onde a imigração e a integração são questões-chave na próxima eleição, que acontecerá no dia 09 de setembro. 

Os dois partidos de oposição, moderados e os democratas de extrema-direita da Suécia, disseram que os números mostram que o governo não conseguiu resolver o problema dos imigrantes e do crime. 

O ministro da Justiça da Suécia, Morgari Johansson, criticou as alegações da oposição de que o governo havia deliberadamente escondido os números que mostravam o número de imigrantes envolvidos em crimes sexuais. 

A oposição está tentando criar um conflito que não existe. Bem, é febre eleitoral, simplesmente. A afirmação de que teria havido alguns dados que foram mantidos em segredo é completamente falsa e fora de sintonia”. 

Quando a crise migratória na Europa eclodiu em 2014, o então primeiro-ministro do país, Fredrik Reinfeldt, convocou os suecos a “abrirem seus corações” para os requerentes de asilo. 

A Suécia recebeu mais requerentes de asilo do que qualquer outro país europeu em relação à sua população. 

Um registro de 163.000 solicitou asilo em 2015, mas devido a um aperto nas políticas, o número de pedidos caiu para menos de 30.000 em 2017. 

Os eleitores disseram que a imigração é a maior preocupação na eleição do mês que vem, seguida por saúde, lei e ordem. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...