15 de jun de 2018

Melinda Gates ataca o Presidente Trump por cortar o financiamento da Planned Parenthood Internacional

Melinda Gates



Lifenews,15 de junho de 2018 



A ativista abortista Melinda Gates, esposa do fundador e CEO da Microsoft, Bil Gates, está atacando o presidente Trump por sua decisão no ano passado de desfinanciar o negócio de aborto da Planned Parenthood. 

No ano passado, o Presidente Trump implementou a Política da Cidade do México que impede o financiamento do contribuinte para organizações que promovem e realizam abortos no exterior. A politica resultou na revogação de mais de US $ 100 milhões para a filial internacional de negócios de aborto da Planned Parenthood. Também resultou na Planned Parenthood e uma empresa britânica de aborto chamada Marie Stopes International tendo de fechar algumas de suas atividades pró-aborto. 


Embora as organizações pró-vida tenham saudado a política de retirar o dinheiro dos contribuintes americanos da indústria do aborto no exterior e transferi-los para organizações que prestam assistência médica às mulheres sem oferecer o aborto, Melinda Gates não está feliz com a política pró-vida. 

Ela falsamente chama a política pró-vida de uma regra de mordaça que impede que as empresas de aborto promovam o aborto. Os defensores do aborto ainda têm direitos aos recursos [$], desde que não promovam ou realizem abortos, mas a Planned Parenthood e a Marie Stopes International estavam mais interessadas em promover sua agenda global de aborto, do que promover a agenda legítima de saúde legítima da mulher. 

Aqui está mais sobre o que Melinda Gates tinha a dizer sobre a política: 

Melinda Gates disse que o aumento das restrições anti-aborto colocadas sob clínicas estrangeiras de planejamento familiar sob Donald Trump é “muito preocupante”.

No entanto, ela disse que a administração Trump expandiu a política da Cidade do México “muito amplamente”, de modo que as organizações estrangeiras de saúde reprodutiva têm a dizer, mesmo que não estejam recebendo financiamento do governo para abortos, que não farão isso [abortos] em suas clínicas com financiamento, digamos, do Reino Unido ou da França.

E isso é muito preocupante”.

Ele [Trump] está propondo não financiar o planejamento familiar e isso é um grande problema”, disse ela.

Se você acredita nas mulheres, você financia o planejamento familiar e, por isso, conto com o Congresso nos Estados Unidos para sustentar o financiamento dos Estados Unidos para o planejamento familiar”. 

A Federação Internacional de Planejamento Familiar realizou mais de 1 milhão de abortos em 2016, um aumento de 13,5% em relação a 2015, e recebeu mais de US $ 27 milhões em subsídios do governo dos Estados Unidos em 2015-2016 sob o apoio do presidente Barack Obama. 

A nova política da administração Trump também não cortou nenhum financiamento internacional, significando que mais fundos estão disponíveis para grupos que fornecem atendimento médico legítimo para comunidades carentes em todo o mundo. 

A verdade é que a política da Cidade do México só prejudicou a indústria do aborto. Ele afetou apenas quatro grupos de mais de 700 que recebem ajuda internacional, de acordo com um relatório do Departamento de Estado dos Estados Unidos. A IPPF e a Marie Stopes International, uma rede britânica de abortos, são duas das quatro que se recusaram a obedecer. 

Em maio, a Reuters informou que a IPPF fechou 22 programas na África subsaariana como resultado da política, e vários outros estão se preparando para fechar este verão. A Marie Stoes International também encerrou vários de seus programas na África este ano. 

Os dois grupos pró-aborto receberam milhões de dólares de impostos americanos sob a égide de Obama para promover abortos na África. A maioria dos países africanos proíbe a morte de bebês nascituros por meio de abortos. 

Marie Stopes foi acusada de fazer centenas de abortos ilegais e inseguros na África. E no final do ano passado, o país e líderes comunitários em Kitui, no Quênia, ficaram indignados ao saber que os trabalhadores da Marie Stopes entraram na escola de seus filhos e implantaram dispositivos anticoncepcionais de longa duração em meninas de até 14 anos sem o conhecimento e consentimento de seus pais

A Política da Cidade do México estava em vigor durante toda a administração Bush, mas o presidente Barack Obama rescindiu a lei durante sua primeira semana no cargo. Batizada com esse nome em homenagem a uma conferência populacional em 1984 onde o presidente Ronald Reagan anunciou inicialmente, a política previa que os fundos de planejamento familiar só poderiam ser destinados a grupos que concordassem em não abortar ou pressionar nações estrangeiras a derrubarem suas leis pró-vida. 

Artigos recomendados: 

Um comentário:

  1. Se esta imbecil da Melinda (esposa de outro imbecil), tivesse sido abortada ao nascer (o que, graças a DEUS, não aconteceu), ela não estaria viva hoje, para defender o aborto.

    E os pró-aborto nem ao menos percebem esta ironia.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...