29 de jun de 2016

O Brexit vai atrasar o sonho dos países dos Bálcãs de entrar na União Europeia

selos especiais postais Edição mostram as bandeiras da Sérvia e da UE, em Belgrado 21 de janeiro de 2014.



Reuters UK, 28 de junho de 2016. 



Por Giles Elgood



Os países dos Bálcãs que esperam para aderir à União Europeia temem sua jornada para a adesão ao grupo que vem oferecendo prosperidade e estabilidade terá de enfrentar atrasos e incertezas agora que a Grã-Bretanha votou para sair. 

Albânia, Bósnia, Kosovo, Macedônia, Montenegro e Sérvia, que suportaram guerras e revoluções na década de 1990, estão todos em diferentes fases de adesão para se juntarem aos 28 países da União Europeia. 

A reação imediata nas capitais dos Bálcãs a decisão do referendo da Grã-Bretanha na quinta-feira foi a de que os esforços de adesão à União Europeia iriam continuar intactos. 

O primeiro-ministro Aleksandar Vucic disse que a Sérvia iria seguir “o caminho europeu”, com o objetivo de concluir as negociações de adesão em 2019. 

A Bósnia não deve ser desencorajada pelo voto britânico e deve avançar com a integração europeia, disse Denis Zvizdic, presidente do Conselho de Ministros da Bósnia. 

Mas há agora a aceitação de que a agitação do Brexit, que veio junto com a União Europeia mostrando menos entusiasmo sobre as adesões, pode, provavelmente, atrasar a adesão dos candidatos dos Bálcãs. Alguns sentiram que tinham perdido um campeão em Londres. 

“Nosso medo é que, após o Brexit o processo de adesão poderia ser abrandado”, disse Majab Bobic, secretária-geral do Movimento Europeu na Sérvia, um grupo que promove os valores da União Europeia [vixi!]. 

Ela disse que, conforme a União Europeia negocia a saída da Grã-Bretanha, Bruxelas está focada em como o bloco pode ser consolidado em vez de ampliado. 

Surgiram dificuldades. 

Dificuldades para a Sérvia surgiram bem cedo na segunda-feira, quando ela não conseguiu ganhar o apoio necessário da Grã-Bretanha para a próxima fase das negociações de adesão. As autoridades sérvias disseram as razões técnicas relacionadas ao Brexit que foram a causa da falta de apoio [ênfase adicionada].

O primeiro-ministro Sérvio-bósnio Zeljka Cvjanovic disse que os membros aspirantes devem aceitar que a adesão à União Europeia será adiada por causa do Brexit, “porque vai demorar vários anos para que a União Europeia possa realizar as reformas que deveria ter feito anos atrás para evitar que isso aconteça”. [Refere-se a saída do bloco]. 




O analista Igor Gavran disse que a Bósnia poderia esperar consequências políticas do Brexit, “porque a Grã-Bretanha foi um dos países que apoiaram mais abertamente a integração da Bósnia na União Europeia”. 

No Kosovo, o ministro da Integração Europeia Bekim Collaku disse que o seu país, que se separou da Sérvia em 2008, também tinha perdido um forte apoiante da sua adesão à União Europeia. 

“Sabemos da grande contribuição que a Grã-Bretanha deu para a construção de um Estado do Kosovo e vai ser difícil para outro país preencher esse vazio”, disse à mídia local. 

Um funcionário albanês disse que o seu país tinha aprendido que as grandes crises como a questão dos imigrantes, o euro e a Grécia distraíram os líderes da União Europeia para prestar a atenção aos Bálcãs. 

O negociador da União Europeia do Montenegro, Andrija Pejovic, estava otimista de que as negociações de adesão poderiam avançar como planejado, mas reconheceu que as questões não estão claras. 

“Nos próximos dias vamos ver em que posição os órgãos da União Europeia vão tomar em relação a esta questão”, disse ele. 

Para a Macedônia, nada mudou no pós-Brexit. Sua tentativa de aderir à União Europeia continua bloqueada por uma disputa coma Grécia sobre a sua nomeação, a que Atenas diz dever pertencer apenas à sua própria província da Macedônia. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...