29 de jun de 2016

John Kerry levanta questões com Putin sobre o assédio sofrido por diplomatas dos Estados Unidos em Moscou

O presidente russo, Vladimir Putin (R) recebe secretário de Estado John Kerry dos EUA durante uma reunião no Kremlin em Moscou, Rússia 15 de dezembro de 2015.



Reuters, 28 de junho de 2016. 




O assédio e a vigilância dos diplomatas dos Estados Unidos em Moscou na Rússia aumentaram significativamente e o secretário de Estado dos Estados Unidos John Kerry levantou a questão recentemente com o presidente russo, Vladimir Putin, disse o Departamento de Estado na segunda-feira. 

Kerry passou a levantar a questão com Putin em 24 de março deste ano, disse um funcionário do Departamento de Estado. 


Ele abordou isso com o presidente Putin”, disse a porta-voz do Departamento de Estado Elizabeth Trudeau em entrevista coletiva anterior, acrescentando: “Vemos um aumento e nós levamos isso a sério”. 

Trudeau disse que o assédio por agentes de segurança russos e a polícia de trânsito tinham sido um problema ao longo dos últimos dois anos, mas não deu detalhes dos incidentes nem por que foi levantada a questão com Putin. 

Outras embaixadas ocidentais tinham relatado o mesmo comportamento em relação a seus diplomatas radicados em Moscou, acrescentou Trudeau. 

Washington despojou cinco dos seis cônsules honorários russos de suas credenciais em janeiro para como retaliação aos seus diplomatas em Moscou. Em resposta, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou os Estados Unidos de provocar os diplomatas russos nos Estados Unidos e em outros lugares. 

Os cônsules honorários são tipicamente cidadãos americanos ou portadores do Green Card que executam serviços consulares em nome de um governo estrangeiro, disse um funcionário dos Estados Unidos, dizendo também eu os cinco estavam localizados na Califórnia, Flórida, Minnesota, Utah e Porto Rico. 

Perguntado se o assédio dos diplomatas norte-americanos ocorreu apenas em Moscou, Trudeau disse: “Nós não podemos descartar tais assédios que podem ocorrer em qualquer lugar, mas eu não tenho informações especificas sobre casos desse tipo em outros países.”.

Apesar da cooperação entre Moscou e Washington sobre o acordo nuclear do Irã, as tensões entre os dois países têm aumentado desde que a Rússia anexou a península da Criméia em 2014 e o aumento do apoio de Moscou ao presidente sírio, Bashar Al-Assad. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...