30 de mai de 2016

Finlândia - aumento de denuncias de assédio sexual contra estrangeiros




Yle, 30 de maio de 2016.



Finlândia - queixas de assédio sexual feitos à polícia continuaram a aumentar desde que o ato tornou-se crime há dois anos. Os números recentes mostram uma proporção crescente dos supostos autores que são de origem estrangeira. Mas a polícia diz que o aumento global dos relatórios também pode ser devido a mais pessoas que se tornam conscientes de que o assédio agora é crime. 

Toques em lugares indesejados, beijos forçados se tornaram atos criminosos de rotina na Finlândia, em 2014. Dois anos depois, o número de ocorrências levadas à polícia por assédio sexual continua a crescer. 




Agentes da lei já receberam pouco mais de 500 alegações de assédio desde que começaram a reconhece-lo como crime. Desde outubro do ano passado, houve cerca de 50 queixas por mês, em comparação com apenas 20 no ano passado. Em geral isso significa que tem havido cerca de três vezes mais queixas este ano do que no período correspondente de 12 meses atrás. 

Tal como acontece com todas as estatísticas de crimes, há um debate sobre se os números apontam para um aumento do assédio em si, ou as queixas difundidas são porque as pessoas estão cada vez menos tolerantes com o cortejo indesejado, agora que elas percebem que podem denunciá-lo. 

O comissário de polícia da Finlândia, Seppo Kolehmainen, disse ao Yle que quer que mais pessoas tomem consciência de que o assédio agora é crime. 

“Espero que esta questão seja discutida cada vez mais abertamente. Não há motivos para esconder isso e eu espero que as pessoas estejam mais encorajadas a denunciar”, disse ele. 

Mais acusações contra os de “origem estrangeira”.

Os números mostram a proporção de reclamações contra suspeitos de “origem estrangeira” também aumentou – de um a cada quatro para um em cada dois no espaço de um ano. Este aumento coincide com a chegada de dezenas de milhares de requerentes de asilo na Finlândia, no outono passado, trazendo consigo alguns notórios casos de assédio sexual por recém-chegados, o que gerou debates acalorados na mídia e nas redes sociais. 

No entanto, Kolehmainen disse que os números não fazem distinção entre requerentes de asilo e outros imigrantes. 

“As estatísticas mostram que cerca da metade das reclamações de assédio sexual são principalmente contra parte da população finlandesa, e o resto contra pessoas de origens estrangeiras”, disse ele. “Então, os números não separam requerentes de asilo, mas todos estão na mesma categoria que os estrangeiros.”. 

Kolehmainen diz que seus esforços aumentaram para focar sobre a questão do assédio sexual desde o inverno passado, com mais patrulhas e reuniões públicas ou em certas partes das cidades que são tidas como sendo de alto risco. 

Ele também afirma que a polícia tem falado com os requerentes de asilo sobre o que considerado ou não como um comportamento adequado na Finlândia, e insiste em que a unidade tem sido bem-sucedida – apesar do aparente aumento do número de queixas concernente a estes incidentes. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...