24 de ago de 2018

Suécia – como obter a sua própria política externa feminista: a Suécia lança um manual – 10 passos pro fracasso




The Local SC, 23 de agosto de 2018 



A Suécia lançou um manual que reflete as lições aprendidas nos quatro anos de uma “política externa feminista” do país. 

A Suécia divulgou o livro na quinta-feira para grupos de direitos humanos e governos estrangeiros, mostrando exemplos da abordagem emblemática da nação escandinava para promover os direitos das mulheres em todo o mundo. 

O manual, publicado no site do governo em inglês, é derivado de quatro anos de trabalho para colocar a igualdade de gênero no centro da agenda internacional do país. 

A Suécia começou sua política externa feministaem resposta à discriminação e subordinação sistemática que ainda marcam o cotidiano de inúmeras mulheres e meninas ao redor do mundo”, disse o manual. 

Um ponto de partida é que a igualdade de gênero é um objetivo em si, mas também é essencial para atingir os outros objetivos gerais do governo, como paz, segurança e desenvolvimento sustentável”, acrescentou. 

Liderada desde a sua criação em 2014 pela ministra das Relações Exteriores, Margot Wallstrom, seus objetivos incluem a promoção da emancipação econômica, o combate à violência sexual e a melhoria da participação das mulheres. 

Nós nos deparamos com reações variadas, incluindo um monte de deboche nos primeiros dias e uma forte resistência”, disse Wallstrom em coletiva de imprensa em Estocolmo. 

Nós ouvimos constantemente ‘estas são apenas palavras bonitas’, então é por isso que (o manual) é importante”. 

‘Feminista’ tem uma conotação muito negativa. 

Os projetos citados no manual incluem um plano de ação para cinco nações devastadas pela guerra e pós-conflito – Afeganistão, Colômbia, República Democrática do Congo, Libéria e Territórios Palestinos – construindo metas para os direitos das mulheres e empoderamento pela primeira vez. 

O manual destacou o trabalho da Suécia no Congo para promover a “masculinidade positiva” no país, onde tem promovido iniciativas como promover o debate nas mídias sociais sobre o papel dos homens na sociedade. 

Há tantos países com muito mais a fazer”, disse Wallstrom, apesar de insistir que, embora a política esteja em seus primórdios, ela mostra sinais de sucesso. 

Ela disse que o nome do guia tinha sido “um pouco provocativo”. 

Em alguns países, usar o termo feminista tem uma conotação negativa, mas acho que conseguimos demonstrar que isso é o que significa – que mulheres e homens devem gozar dos mesmos direitos e dos mesmos deveres e das mesmas oportunidades na sociedade”, disse ela à AFP. 

Wallstrom, que no ano passado se juntou à campanha #MeToo e disse ter sofrido assédio sexual “no mais alto nível da política”, tem sido uma crítica aberta das políticas de gênero das nações. 

Em 2015, os laços diplomáticos de Estocolmo com Riyadh foram congelados depois que ela chamou a Arábia Saudita de “ditadura”, denunciando em particular o seu tratamento a mulheres em termos descarados que outros diplomatas ocidentais poderiam ter evitado ao lidar com o Estado rico em petróleo. 

A crescente influência das mulheres no serviço externo da Suécia é evidenciada pelo rápido aumento de mulheres no cargo de embaixadora do país, de apenas 10% em 1996 para 40% em 2016. 
Nota: ela pediu desculpas depois por ter chamado a Arábia Saudita de "ditadura". Abaixo nas recomendações vocês podem ver todos os feitos do Feminismo sueco. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...