31 de ago de 2018

A primeira-ministra britânica Theresa May promete £ 200 milhões para promover o aborto em todo o mundo




Lifenews, 31 de agosto de 2018 



Continuando a política do Governo do Reino Unido de gastar vastas somas de dinheiro de ajuda em contraceptivos e aborto em nações em desenvolvimento, Theresa May, a primeira-ministra, anunciou uma nova iniciativa que custará £ 200 milhões em gastos de planejamento familiar na África e na Ásia. 

A primeira-ministra anunciou a criação do programa Saúde Sexual Integrada das Mulheres (WISH) durante uma visita ao Quênia. Ele “terá como alvo mulheres e meninas em comunidades rurais e pobres que tradicionalmente têm sido mais difíceis de alcançar, fornecerá clínicas móveis e produtos contraceptivos, como pílulas, preservativos e implantes”. 


Mais dinheiro para Marie Stopes. 

A gigante do aborto Marie Stopes (MSI), que recentemente se gabou de que “forneceu ou apoiou mais de 4,1 milhões de serviços de aborto seguro e de cuidados pró-aborto em 2017, um aumento de 12% em relação ao ano anterior”, é uma das organizações que se beneficia do financiamento. “Estima-se que ajudará a evitar 2,6 milhões de gravidezes não desejadas e 1,7 milhão de abortos inseguros”. 

A Grã-Bretanha já é o segundo maior financiador de programas de planejamento familiar do mundo – nos últimos cinco anos, a MSI pagou apenas 163 milhões de libras. O recente relatório financeiro da organização revelou que o Departamento para o Desenvolvimento Internacional (DFID) do Reino Unido era o maior doador, concedendo £ 44 milhões, contribuindo para que ela registrasse uma renda recorde de £ 296,1 milhões. Isto apesar de uma pesquisa de ComRes mostrando que 65% do público se opõe ao dinheiro do contribuinte sendo gasto com abortos no exterior. 

Nós atados. 

Obianuju Ekeocha da Cultura da Vida A África tem repetidamente criticado os países ocidentais que financiam o aborto e a contracepção como um meio de aliviar a pobreza como sendo uma forma de “colonização ideológica”. Ela também trabalhou para o fichamento criminal da MSI por realizar abortos ilegais em vários países africanos. Seu documentário, Killing Africa, descobriu evidências de práticas chocantes, incluindo abortos ilegais, pela MSI em Uganda, e seu próximo filme, Strings Attached, promete expor como o dinheiro prometido pelas nações ocidentais em “saúde e direitos sexuais e reprodutivos” é realmente gasto. 

A que custo a agenda do aborto? 

Também foram levantadas preocupações sérias de que o DFID empurra a agenda do aborto às custas da vida das mulheres. Como Fiorella Nash explora em detalhes em seu novo livro, The Abolition of Woman, o esforço para acabar com o “aborto inseguro” (que não é definido com clareza) significa que os recursos são desviados das intervenções que reduzem a mortalidade materna. Por exemplo, num relatório do DFID sobre saúde materna, a complicação mais mortal (hemorragia) é mencionada duas vezes, a infecção pós-parto é mencionada duas vezes, enquanto o aborto surge 71 vezes. 

Como Donna Harrison, MD, presidente da Associação Americana de Obstetras e Ginecologistas Pró-vida, disse em uma carta ao Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, “o aborto, espontâneo e induzido, responde por menos de 5% da mortalidade materna.. É cientificamente, medicamente e moralmente inaceitável desviar recursos de intervenções que comprovadamente reduzem a mortalidade materna à provisão do aborto, sob o disfarce de ‘diminuir o aborto inseguro’. A melhor maneira de reduzir a dimensão dos direitos humanos da mortalidade materna é fornecer recursos direcionados às causas de 90% da mortalidade materna”.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...