1 de dez de 2016

O candidato presidencial “católico de direita” da França não é tão pró-vida quanto os meios de comunicação querem que você acredite



LifeSiteNews. 29-30 de novembro de 2016. 



Por Jeanne Smits



29 de novembro de 2016 (LifeSiteNews) – Os principais meios de comunicação estão vangloriando François Fillon, vencedor das primárias do partido "Républicains" na semana passada, como um candidato verdadeiramente "conservador" e pró-vida para a próxima eleição presidencial da França em maio de 2017.

Fillon teve o apoio de uma cisão política do “Manif pour tous”, Sens Commun, um sub-grupo de seu próprio partido. Mas é Fillon verdadeiramente pró-vida e pró-família? Enquanto o “Manif pour tous”, criou o movimento de base contra o “casamento” entre pessoas do mesmo sexo e colocou um milhão de pessoas nas ruas em 2013 em apoio ao casamento tradicional, o apoio a Fillon por conta de suas ações e declarações suscitam sérias dúvidas. 

A posição mais chocante foi dias antes da votação de domingo sobre o aborto. Quando Alain Juppé, seu concorrente na segunda rodada, acusou Fillon de querer restringir o “direito ao aborto”, Fillon parecia estar chocado. Tendo em várias ocasiões dito que não é pessoalmente a favor do aborto, e que não tem absolutamente nenhuma intenção de restringir o acesso a ele. Como pode ser visto neste vídeo, ele respondeu com raiva: 

Eu nunca poderia ter imaginado que o meu amigo Alain Juppé desceria a tal ponto Tenho sido um membro do Parlamento por 30 anos. Alguma vez, sequer uma vez, tomei posição contra o aborto? Mesmo apenas uma vez? Você já viu no programa político de François Fillon, sequer uma vez, qualquer coisa sobre a reconsideração da lei ‘Véu loi’ [lei que legalizou o aborto na França]? Nunca! Aí está você! A campanha deve recuperar a sua dignidade, devemos colocar um fim a esta controvérsia indescritível, porque, francamente, é degradante. 

Em 27 de outubro, ele havia dito na televisão pública: “Ninguém jamais voltará atrás sobre a questão do aborto. Eu não posso ser obrigado a explicar minhas convicções religiosas. Eu sou capaz de fazer a distinção entre essas convicções e o interesse público. Eu considero que é de interesse público não abrir este debate mais uma vez.”

Cerca de 200.000 a 220.000 bebês em gestação são mortos por aborto legal na França a cada ano. No entanto, dos sete candidatos disputando para ser o candidato oficial da “centro-direita”, Fillon não é o pior. Juppé, ex-primeiro-ministro sob Jacques Chirac, que é famoso por ter dito “eu digo não a uma lei moral que teria precedência sobre o direito civil”, tem um histórico de votação desastroso e é pessoalmente a favor do aborto, e o financiamento público da Associação francesa de Planejamento Familiar [Franch Planned Parenthood Association], um meio de abordagem para eutanásia e o ensino da ideologia de gênero nas escolas. Nesse sentido, Fillon aparece como um mal menor, ou como alguns pró-vida na França dizem: “O menos pior”. 

De fato, nenhum candidato declarado para a eleição presidencial é a favor do desmantelamento da lei existente sobre o aborto. 

Fillon se opõe à maternidade de aluguel e disse que na Assembleia Nacional em junho, apoiou a tentativa, em última análise, malsucedida por Valérie Boyer dos republicanos para prescrever a prática. Ele é a favor de restringir o acesso à fertilização in vitro por lei, reservando-a para “casais heterossexuais” estéril. Ele diz que se opõe ao ensino obrigatório de ideologia de gênero em escolas secundárias, mas ele foi o primeiro-ministro de Nicolas Sarkozy quando isso foi adicionado oficialmente ao currículo obrigatório. Ele também prometeu dar mais benefícios fiscais às famílias com muitos filhos e restabelecer os benefícios universais para a infância, ambos menosprezados pelo governo socialista de saída sob o presidente François Hollande, mas também, em menor grau, pelo próprio governo de Sarkozy. 

Quanto ao “casamento” do mesmo sexo, Fillon não está disposto a derrubar a chamada “lei Taubira”, em homenagem ao ministro da Justiça que defendeu o texto. Ele se diz contra os homossexuais adotando plenamente uma criança, mas é a favor de um recurso que ainda lhes permite recorrer a adoção simples, um processo reversível que ainda coloca a criança sob a autoridade de “duas mães” ou “dois pais”. Está é uma posição totalmente ineficaz, porque o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem deixou muitas vezes claro que, embora os Estados-Membros do Conselho da Europa tenham pleno direito de restringir o casamento a um homem ou uma mulher, por outro lado, em qualquer quadro jurídico que optarem colocar à disposição tanto aos “casais” do mesmo sexo e heterossexuais, todos devem ter os mesmos direitos. Se um homem e uma mulher podem adotar em união civil ou em casamentos que estão abertos a casais do mesmo sexo, em seguida, estes devem ser capazes de adotar, também, de acordo com a jurisprudência do Tribunal.  

Estes pontos foram destacados pelo comunicado oficial do “Manif pour tous” saudando a vitória de Fillon no domingo à noite. Após 4 1/2 anos de incessante golpe nos benefícios familiares e o desmantelamento do que resta dos direitos dos nascituros, suas proposições parecem a alguns como um alívio. Muitos católicos conservadores – ou, deveríamos dizer “convencionais” – apoiaram o provinciano, um tanto insignificante, como uma figura de segurança reconfortante. 

A votação era em parte tática, destinada a escolher, segundo a história que se passa, o candidato com as melhores chances possíveis de vencer o candidato socialista ainda não escolhido, ou Marine Le Pen da Frente Nacional, embora isso fosse contrabalanceado pelo fato de que todos os eleitores registrados poderiam participar da primária do “Républicain”, o que significa que vários socialistas e seguidores da FN também participaram, a fim de favorecer o seu adversário menos perigoso para os seus próprios campos. 

Isso deixou Jean-Frédéric Poisson, líder dos democratas-cristãos com uma plataforma muito melhor em relação ao “casamento” do mesmo sexo, ao aborto, à eutanásia, à procriação artificial e aos direitos à educação, incluindo melhores direitos para as escolas independentes, do lado de fora no frio. Durante a primeira volta da eleição em 20 de novembro, ele obteve um escasso 1,5% em oposição aos inesperados 44% de Fillon, bem à frente de Juppé, que ficou em segundo lugar com 28,6%. 

Poisson, com cerca de 65.000 votos na primeira rodada contra 1.765.000 de Fillon aparece como o candidato marginal de um grupo de sociólogos marginalizados, embora sua plataforma devesse ter feito dele o líder natural do muito mais significativo eleitorado do “Manif pour tous”. Os líders do “Manif pour tous”, no entanto, incluindo Ludovine de La rochère, não apoiaram Poisson. 

Isso não é totalmente fora de sintonia. Durante o debate sobre o “casamento” de mesmo sexo, muitos líderes da “Manif pour tous” trabalharam durante horas para não aparecerem como “homofóbicos”, falando frequentemente bem do direito de uma criança a uma mãe e um pai, mas recusando-se a reivindicar a homossexualidade como ela é, “desordenada.” O “Manif pour tous” também se recusa sistematicamente a entrar no debate sobre o aborto, a julgar que a posição aberta ao assassinato de crianças não nascidas seria prejudicial para aos seus principais objetivos. 

A fundação Jérôme-Lejeune publicou uma classificação dos sete candidatos várias semanas antes da votação primária, na qual Fillon parece estar longe de ser o ideal. 

O seu registro mostra que ele escolheu se ausentar quando a Assembleia Nacional votou a favor do levantamento das condições existentes para se obter um aborto, quando os socialistas decidiram que uma mulher não precisa provar que está em perigo, ao mesmo tempo em que colocar sanções mais pesadas “dificultaria um aborto” Fillon votou por uma resolução chamada de acesso ao aborto um “direito fundamental” em novembro de 2014. 

Mais uma vez, Fillon escolheu ausentar-se quando as disposições da nova lei sobre saúde eliminaram o período de reflexão de uma semana para as mulheres pedindo um aborto, estabelecendo cotas de aborto em hospitais e clínicas, permitindo o aborto nos centros de saúde locais, permitindo as parteiras realizar abortos. 

Fillon também esteve ausente na Assembleia Nacional no dia em que a votação teve lugar em novembro de 2014 sobre um texto com o objetivo de evitar que os cidadãos franceses tomassem medidas para obter uma mãe de aluguel no exterior. 

Ele votou a favor da lei “Fim da vida” em fevereiro passado, estendendo a mudança para a eutanásia legalizada na França. 

E enquanto ele votava contra a pesquisa de embriões quando o Parlamento debateu um texto socialista em agosto de 2013, ele optou por ausentar-se da Assembleia quando uma nova lei em 2016 ampliou a possibilidade de pesquisa de embriões durante procedimentos de procriação artificial. 

Quanto ao financiamento do Planejamento Familiar Francês, o governo Fillon decidiu reduzi-lo drasticamente em 2009. Os protestos da organização de Planejamento Familiar logo fizeram com que Fillon e sua equipe mudassem de ideia, e todo o financiamento foi restaurado em março de 2010. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...