10 de dez de 2016

Manila diz que não deseja mais ajudar os Estados Unidos nas patrulhas do Mar do Sul da China

Delfin Lorenzana



ABC, 08 de dezembro de 2016. 



Por Gomez Jim



O secretário de Defesa filipino disse nessa quinta-feira que é altamente improvável que o seu país permita que os militares americanos o usem como um trampolim para patrulhas de liberdade de navegação no disputado Mar da China Meridional para evitar antagonizar a China. 

Delfin Lorenzana disse que os navios e aeronaves dos Estados Unidos podem usar bases em Guam, Okinawa ou voar de porta-aviões para patrulhar as águas disputadas. 

Segundo o predecessor do presidente Rodrigo Duterte, Benigno Aquino III, alguns aviões e navios norte-americanos pararam nas Filipinas no caminho para patrulhar as águas disputadas para desafiar as reivindicações territoriais da China. 

Duterte, que tomou posse em junho, tomou medidas para consertar os laços com a China e tornou-se hostil em relação à administração Obama depois que ela levantou preocupações sobre a repressão mortal de Duterte contra as drogas. 

Perguntado se as Filipinas continuarão a hospedar os navios e aeronaves dos Estados Unidos que patrulham as águas disputadas, Lorenzana disse que Duterte provavelmente não permitirá que isso aconteça “para evitar qualquer ação provocadora que possa aumentar as tensões no Mar da China Meridional”. 

Vamos evitar isso”, disse Lorenzana. “De qualquer maneira, os Estados Unidos podem voar por lá vindo de outras bases”. 

Em Washington, a porta-voz do Departamento de Estado, Elizabeth Trudeau, disse nessa quinta-feira não poderia comentar as observações de Lorenzana, porque não as tinha visto, mas acrescentou: “Nossa adesão à liberdade de navegação é bem conhecida. Dentro das águas internacionais e continuaremos com isso”. 

O comandante das forças americanas no Pacífico, o almirante Harry Harris, disse no mês passado que, apesar da retórica de Duterte, a cooperação com Manila não mudou. 

Duterte ameaçou publicamente reduzir os compromissos militares das Filipinas com os Estados Unidos, incluindo a derrubada de um plano para realizar patrulhas conjuntas com a Marinha dos Estados Unidos nas águas disputadas, as quais ele disse que a China se opõe. 

Os exercícios de combate anuais dos Estados Unidos e das Filipinas foram reduzidos e serão redefinidos para se concentrarem na resposta às catástrofes e nas missões humanitárias. Entre as manobras a serem descartadas a partir do próximo ano estão os exercícios de desembarque anfíbio e as invasões de praia destinadas a melhorar a defesa territorial do país, disseram os oficiais militares. 

As ações de Duterte tornam-se um obstáculo aos esforços dos Estados Unidos para reafirmar sua presença na Ásia, embora os militares americanos tenham prometido continuar patrulhando uma das vias navegáveis comerciais mais movimentadas do mundo. 

Depois que Duterte se encontrou com o presidente chinês Xi Jinping em Pequim em outubro, a China permitiu que os filipinos pescassem no disputado espaço de Scarborough. A china assumiu o controle da rica área de pesca em 2012, depois de um tenso impasse com os navios do governo filipino. 

Os navios filipinos da guarda costeira também retomaram as patrulhas no banco de areia. 

Além de aliviar as tensões em Scarborough, os navios da guarda costeira chinesa não estão mais bloqueando os navios de reabastecimento das Filipinas a partir do segundo Thomas Shoal, mais ao sul nas [ilhas] Spratlys, disse Lorenzana. 

Lorenzana disse que ele e seu homólogo chinês concordaram em outubro, durante a viagem de Duterte à China, a retomar as trocas de observadores de defesa e estudantes no âmbito de um acordo de 2004. Os intercâmbios foram suspensos em 2012, quando as Filipinas levaram suas disputas territoriais com a China para o tribunal arbitral internacional sob a presidência de Aquino, enfurecendo Pequim, disse ele. 

A China também perguntou se podia fornecer armamento para as Filipinas, disse ele. 

A China pode expandir ainda mais a sua influência na região se o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, seguir uma política externa isolacionista, disse o ex-secretário de Relações Exteriores das Filipinas, Albert del Rosário. 

Se os Estados Unidos abandonarem a sua posição de liderança em termos regionais, esse vácuo será rapidamente preenchido pelo nosso vizinho do norte”, disse del Rosário. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...