28 de nov de 2016

Alemanha – metade dos jihadistas que voltam ao país ainda são dedicados a causa: diz relatório




The Local De, 28 de novembro de 2016. 



Um novo relatório do governo mostra que um quarto daqueles que voltam para a Alemanha após lutar na Síria ou no Iraque, cooperam com as autoridades alemãs, enquanto a outra metade continua leal à sua causa. 

Um em cada quatro jihadistas que retornaram para a Alemanha depois de ir lutar com grupos terroristas na Síria ou no norte do Iraque cooperam com as autoridades, de acordo com um novo relatório do governo visto pelo Diet Welt nesta segunda-feira. 


O relatório foi realizado pelo Escritório Criminal Federal de Polícia (BKA), e a Agência de Segurança Interna do Escritório Federal para a Proteção da Constituição (BfV), e o Centro Hassiano de Informação e Competência contra o Extremismo (HKE). 
O relatório de 61 páginas mostrou que nos últimos anos, que cerca de 850 pessoas deixaram a Alemanha para lutar na Síria e no Iraque. O estudo analisou as ações de 784 pessoas entre as idades de 13 e 62 anos que se juntaram ao Estado Islâmico, o Jabhat Al-Nusra ou Junud Al-Sham. 

Mais de um terço (274) das pessoas analisadas tinham retornado para a Alemanha, e cerca da metade (48%) dos que tinham retornado ainda estavam dedicados à causa extremista. 

As autoridades acreditam ainda que 8% dos retornados tinham feito um “retorno taticamente motivado para recuperar e adquirir novos equipamentos ou dinheiro”. Outros 10% são acreditados como tendo retornado após ficarem desiludidos ou frustrados. 

O relatório ainda mostrou os vários fatores que os levaram a se tornar combatentes radicalizados na Alemanha, listando várias razões para cada pessoa avaliada. Mais da metade (54%) tinham sido pelo menos parcialmente radicalizados por meio de grupos de amigos, 48% através de mesquitas radicais, 44% através da propaganda na internet, 27% através de seminários de distribuição do Alcorão, proibido desde o início deste mês por conta de incursões policiais em todo o país.

A radicalização acontece predominantemente nas esferas sociais concretas”, afirma o estudo. 

O ministro do Interior do estado de Hesse, Peter Beuth disse ao Die Welt que ele e os seus colegas se sentem pressionados para tentar evitar mais radicalização.  

Queremos evitar que as pessoas fiquem à deriva para o extremismo”, disse Beuth. 

É por isso que, em 2013, seu estado fundou a HKE, cuja responsabilidade recai sob o Ministério do Interior de Beuth. O estado de Hesse também era onde ocorreu o maior número de incursões de As Mentiras! Uma mobilização feita pelo grupo The True Religion e que foi proibida em 15 de novembro. 

Cerca de 200 endereços em dez estados foram invadidos em conexão ao grupo, que também foi categorizado recentemente como um grupo proibido na época. As Mentiras! O movimento procurava distribuir cópias do Alcorão em alemão, que os especialistas dizem ser traduções particularmente estritas dos textos originais em árabe. O Ministério do Interior disse que depois que cerca de 140 pessoas que foram influenciadas pelo grupo viajaram para a Síria e o Iraque para lutar. 

Diminuição de islamitas em direção a zonas de guerra. 

O novo estudo do governo mostra que os islamitas que viajaram para a Síria e o Iraque, um terço ainda está supostamente nas zonas de conflito. Outro terço tem até agora retornado, 12% dos quais foram presos. 

O terço restante deles é mais provável ou estar em outro país ou os seus status são desconhecidos. 

O relatório observou que houve uma queda significativa no número de pessoas registradas como indo para zonas de conflito. Entre julho de 2015 e junho de 2016, 49 pessoas foram registradas pelas autoridades como saindo. Em 2014, cerca de 100 pessoas por mês foram saindo. 

Esta diminuição pode ter a ver com o “sério declínio do apelo do Estado Islâmico”, mas também com o pedido do Estado Islâmico para que os seus apoiadores tentam cometer atentados em suas próprias terras, observa o relatório. 

O trabalho das autoridades, bem como o acompanhamento e detenções daqueles com partida ou entrada teve um impacto”, disse o ministro do Interior da Baviera, Joachim Hermann ao Die Welt

E ainda assim, ele acrescentou que isso deve continuar por mais um ano se a tendência se manter. 

O relatório constatou que 21% dos jihadistas analisados eram mulheres, e esta proporção foi crescendo, juntamente com o número de menores (7%). A maioria (61%) nasceu na Alemanha, enquanto o resto era principalmente da Turquia, Síria, Rússia, ou do Líbano. 

A maioria tinha cidadania alemã e 27% tinham dupla cidadania turco-alemã, alemã-marroquina, ou alemã-tunisina.  

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...