31 de out de 2016

Líbano – eleição de Michel Aoun: o afastamento de Riad e a vitória de Teerã




Euronews, 31 de outubro de 2016. 



O Líbano vive um vazio institucional há dois anos. No dia 23 de abril de 2014, o parlamento falhou a primeira tentativa de eleger um novo presidente da república para substituir Michel Suleiman, cujo mandato terminava a 25 de maio. O maronita Samir Geagea não consegue a maioria de dois terços necessária.

Segundo o Pacto Nacional – que exige a partilha do poder entre as comunidades religiosas -, o presidente da república deve ser um cristão maronita; o presidente do parlamento, um xiita e o primeiro-ministro, um sunita.

Ao longo dos dois últimos anos, o parlamento libanês tentou por 45 vezes alcançar os dois terços necessários para a eleição – 86 dos 128 deputados – sem sucesso. Em cada tentativa, os 20 eleitos do bloco parlamentar de Michel Aoun e os 13 do Hezbollah boicotaram a sessão.

O país mergulhou numa crise política e numa paralisia institucional que se reflete na gestão de todos os serviços. Por exemplo, o lixo acumula-se nas ruas há meses, deixando as populações num estado de exasperação total.

Desde janeiro último, começaram a surgir sinais de baixa da tensão política, quando Samir Geagea manifesta o apoio ao seu rival – também maronita – Michel Aoun.

Mas foi a decisão de Saad Hariri de apoiar Aoun, anunciada no dia 20 de outubro, que abriu a porta ao fim do impasse. Hariri é líder da comunidade das forças anti-sírias e da comunidade sunita apoiada pela Arábia Saudita.

Na oposição, o líder xiita, Hassan Nasrallah, responsável do todo poderoso Hezbollah pro-sírio e pro-iraniano, manifestou também o seu apoio a Aoun no dia 23 de outubro.

Mas quem acaba por ganhar com a candidtura de Aoun? O analista político, Nabil Boumensef, do jornal An-Nahar, explica: 

O Líbano já não é uma prioridade para a Arábia Saudita e a Arábia Saudita já não apoia os seus aliados no Líbano, o que levou ao enfraquecimento da posição do seu principal aliado no país – o antigo primeiro-ministro Hariri”.

Saad Hariri conta encabeçar o governo na sequência da eleição de Michel Aoun e todos os analistas estão de acordo que o momento da verdade para o Líbano chegará após a eleição do presidente, que terá os seus poderes enfraquecidos. É a rapidez com que se formará o novo governo que indica se o país ultrapassa ou não esta crise política.

Vitória política para o Hezbollah esperada na eleição do Líbano. 


Jpost, 31 de outubro de 2016.  Por Bem Lynfield


“A eleição iminente de Aoun é “uma vitória política para o Hezbollah”, disse Benedetta Berti, analista do Instituto de Estudos de Segurança Nacional. 

O Líbano está pronto para eleger um forte aliado do Hezbollah como presidente do país segunda-feira, em um impulso para o eixo pró-iraniano na região. 

Se não houver nenhuma surpresa de última hora, o ex-general de 81 anos de idade, Michel Aoun, um cristãomaronita, será facilmente eleito pelo parlamento para o escritório superior. O pró-Hezbollah, o jornal de Beirute, As-Safir, informou ontem que ele está com o caminho certo para vencer no primeiro turno e conta com o apoio de 94 dos 127 deputados. 

Em 2006, Aoun assinou um acordo formal de aliança entre o Movimento Patriótico Livre e o Hezbollah, e tem consistentemente apoiado o grupo xiita desde então. 


A eleição iminente de Aoun é “uma vitória política para o Hezbollah”, disse Benedetta Berti, analista do Instituto de Estudos de Segurança Nacional. 

O Hezbollah esteve muito diretamente apoiando Aoun para presidente e isto sempre esteve de acordo entre o partido de Aoun e o Hezbollah. O Hezbollah manteve a sua parte do acordo. Com esta eleição, se isso acontecer, você poderá ver o Hezbollah se consolidando em termos de seus aliados políticos, bem como a sua posição no Líbano.”. 

É esperado dessa eleição que ela irá preencher um posto vago desde o presidente anterior, Michel Suleiman que concluiu o seu mandato em 2014 sem um acordo sobre quem iria sucedê-lo. Pela Constituição do Líbano, o presidente deve ser um cristãomaronita e o primeiro-ministro um muçulmano sunita e o presidente do Parlamento, um xiita. 

O avanço para Aoun veio quando o aliado saudita, Saad Hariri, o mais poderoso político sunita no Líbano e líder do que é conhecido como a coalizão de 14 de março, o aprovou depois de não conseguir obter apoio a outro candidato, Suleiman Franjieh. 

Aoun supostamente prometeu a Hariri, o ex-primeiro-ministro, o cargo de primeiro-ministro. Hariri é visto como particularmente ansioso para voltar ao escritório. 


Ele precisa da posição para escorar as suas fortunas políticas e financeiras que têm sido enfraquecidas”, escreveu Paul Salem, vice-presidente de política e pesquisa no Instituto do Oriente Médio em Washington. 

A eleição de Aoun é uma clara vitória para o eixo pró-iraniano no Oriente e uma baixa para a Arábia Saudita”, escreveu ele. 

Teerã e Riad estão envolvidos em uma luta pela supremacia regional, que é uma batalha sectária entre xiitas e sunitas, tanto quanto uma rivalidade política. Isso os tem colocado em lados opostos na guerra civil síria, com Riad apoiando os rebeldes [terroristas] sunitas e o Irã o Hezbolla com o apoio do regime de minoria Alauita de Bashar Al-Assad. 

O fracasso de Hariri em promover o seu próprio candidato à presidência e seu acordo com Aoun reflete a ausência de influência saudita no Líbano, o que resultou no afastamento de Riad de Beirute a partir de fevereiro. Naquela ocasião, em resposta ao fracasso do Líbano para condenar ataques contra as missões diplomáticas da Arábia Saudita no Irã após a execução de um clérigo xiita no reino, a Arábia Saudita cancelou um pacote de ajuda de três bilhões de dólares para o Exército libanês. 

Pensa-se que o Líbano não se juntou a outros países árabes em condenar o Irã por causa da influência do Hezbollah e de seus aliados. 

“Aoun não é o candidato ideal do ponto de vista de Riad”, disse Berti. “Riad tem se afastado desde o ano passado para que não tenha a infeliz surpresa de que tem menos influência do que eles têm hoje, em comparação com um ano atrás”.  

A provável eleição de Aoun coroa uma impressionante, se não prolongada, vingança. 

Ele volta 26 anos depois de ter sido forçado pelo exército sírio a se afastar de seu cargo de primeiro-ministro de um dos dois governos rivais em Beirute, e depois foi para o exílio na França. A Síria agiu depois que Aoun declarou guerra contra a presença síria no Líbano. 

Em 2005, na sequência da retirada síria do país, na sequência de protestos contra o assassinato do primeiro-ministro Rafik Hariri, pai de Saad, Aoun voltou para a casa para uma recepção de herói. Mas dentro de um ano ele estava aliado com o Hezbollah e Damasco. 

Sua metamorfose de um guerreiro contra a Síria a um aliado do regime sírio e o Hezbollah é visto por muitos como puro oportunismo. 

No entanto, As-Safir está lançando-o como alguém que pode construir laços com diversas forças e demonstrar uma liderança forte para “reconstruir o estado”. 

Ele ostenta a experiência de ter a capacidade de tecer entendimento e construir pontes nacionais e resolver diferenças com outros na terra natal”, ele escreveu. 

Berti foi mais circunspecta. 

O Líbano é muito polarizado por causa da guerra civil síria”, disse ela. “E com a situação na Síria se tornando dramática em meio a uma guerra, você não verá mudanças dramáticas no Líbano. Mesmo com a eleição de Aoun, a polarização permanece, e o país ainda vai se mover muito lentamente em termos de implementação de mudanças e reformas.”. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...