12 de jul de 2016

Após acordo nuclear, o Irã adere a táticas cautelosas em hidrovia chave do Golfo

General Joseph Votel, chefe do Comando Central das Forças Armadas dos EUA, fala a bordo do USS New Orlean




Reuters, 12 de julho de 2016. 



Por Phil Stewart



A elite da Guarda Revolucionária do Irã na segunda-feira despachou cinco embarcações militares para monitorar um navio de guerra americano que hospeda um dos principais generais da América em um dia de viagem através do Estreito de Hormuz, chegando tão perto quanto a 500 jardas (metros). 

Para o General do Exército Joseph Votel, que supervisiona todas as forças militares norte-americanas no Oriente Médio, as abordagens da Guarda foram lembretes, embora preocupantes, de quão pouco tempo as forças americanas têm que decidir se os navios do IRGC podem representar uma ameaça. 

As cinco embarcações iranianas consistiam em quatro lanchas, três com metralhadoras montadas, bem como um navio de patrulha com mísseis guiados. 


Como você viu em um espaço relativamente grande aqui, há uma grande oportunidade para erros de cálculo”, disse Voltel, chefe do Comando Central das Forças Armadas dos Estados Unidos aos repórteres na ponte da USS New Orleans, em um navio anfíbio da doca, com cerca de 650 marines abordo. 

Isto também foi o sinal mais recente de que o IRGC parece estar aderindo a uma postura familiar no Golfo que antecede o acordo nuclear do ano passado entre o Irã e seis potências mundiais, incluindo os Estados Unidos. 

Uma das quatro lanchas que se aproximaram de New Orleans e sua escolta, um destroier de mísseis guiados da Marinha, o USS Stout, reduziu os seus motores e observou como os navios de guerra americanos passaram. Uma hora antes, uma embarcação de míssil teleguiado iraniano veio. 

As autoridades dos Estados Unidos sublinharam que tais abordagens caíram dentro da categoria de interações profissionais, o tipo que vemos em 90% do trânsito da Marinha dos Estados Unidos no Estreito de Hormuz a cada ano. Mas a Marinha diz que alguns dos 10% são classificados como inseguros, anormais ou não profissionais. 

Nós nem sempre temos um monte de tempo para lidar com essas interações. Eu acho que nós provavelmente aprendemos aqui hoje que é questão de tempo”, disse Votel. 

Por sua parte, o Irã vê o Golfo como seu quintal e acredita que tem um interesse legítimo em expandir sua influência lá. Ele tem argumentado que a região deve organizar a sua própria segurança coletiva, sem poderes externos. Consequentemente o Irã usa seu poder naval no Golfo para mostrar que não será intimidado pela presença naval de Washington, dizem analistas.

Mas, em 2008 e 2010, em movimentos que levaram os críticos a acusarem o Irã de desestabilização da região, a República Islâmica ameaçou interromper o transporte de petróleo no Golfo fechando o estreito de Hormuz, se houvesse qualquer ataque contra suas instalações nucleares. 

Captura de marinheiros americanos. 

As preocupações dos militares americanos sobre o comportamento do Irã em lugares como o Estreito, um dos mais importantes canais de navegação de petróleo do mundo, têm persistido apesar do acordo sob o qual Teerã conteve seu programa atômico em troca de alívio das sanções econômicas. 

Isso (o acordo nuclear) certamente abordou uma ameaça muito importante...Mas a sua outra atividade aqui fora não mudou”, disse Voltel. 

Lembranças breves mostram a captura de 10 marinheiros americanos pelo Irã em janeiro e ainda estão frescas. O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei premiou com medalhas os comandantes do IRGC após o incidente. O Irã postou o vídeo com imagens dos marinheiros americanos se rendendo após passarem por águas territoriais iranianas. 

Um relatório da Marinha dos Estados Unidos também disse que os iranianos substituíram a bandeira americana a bordo com uma do IRGC, saquearam embarcações e equipamentos foram danificados. A Marinha também advertiu os marinheiros americanos para se afastarem das águas iranianas. 

Karim Sadjadpour, analista do Irã do Fundo Carnegie para a Paz Internacional, disse que não há sinais de uma mudança na cultura de ver os Estados Unidos como uma ameaça inerente da Guarda Revolucionária. 

O aiatolá Khamenei, e o comandante-chefe do IRGC, elogiam regularmente autoridades iranianas que desafiam os Estados Unidos, e desprezam funcionários que defendem a cooperação com os Estados Unidos”, disse Sadjadpour. “Eu não vi quaisquer sinais de que esta cultura institucional mudou depois do acordo nuclear”. 

Voltel disse que o Irã precisava ser responsabilizado por seu comportamento e desprezo no tratamento dos marinheiros americanos. 

A Marinha dos Estados Unidos diz que deu assistência a 11 navios iranianos em perigo no Golfo desde 2012. “Se nos deparamos com um navio, um pequeno navio na zona, nós vamos tentar ajuda-lo”, disse Votel. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...