5 de jul de 2018

Califórnia – Casal por trás do horrível assassinato do seu bebê escaparão das acusações




Instituto Cristão, 05 de julho de 2018 



Um casal americano que admitiu ter matado brutalmente o seu bebê pode ser absolvido das acusações devido a uma brecha legal. 

Uma mulher grávida de sete meses e meio e seu namorado morando na Califórnia decidiram que não queriam manter a filha por nascer, e por isso decidiram matá-la. 

A lei pró-aborto do estado significa que é improvável que sejam processados. 


‘Lesões traumáticas’. 

A mulher disse que pediu ao seu namorado para que repetidamente lhe desse um soco no estômago. 

Ele teria atingido pelo menos dez golpes e só parou quando a mãe não podia mais sentir o bebê se mexendo. 

Quando o bebê nasceu no Kern Medical Center, uma semana depois, ela ainda estava viva, mas morreu pouco depois como resultado de suas “lesões traumáticas”, incluindo uma fratura no crânio e lesões na coluna vertebral. 

A equipe médica chamou a polícia quando eles notaram as “fortes contusões” no estômago da mãe, que ela inicialmente alegou serem o resultado de uma queda. 

Lacuna legal. 

Sob interrogatório policial, ela admitiu mais tarde que pediu ao namorado para agredi-la para matar o bebê, o que ele negou. 

A polícia e o promotor público estão analisando o caso, mas podem não ser capazes de fazer acusações contra o casal, já que a lei da Califórnia é extremamente permissiva em relação ao aborto. 

Embora o assassinato de um feto seja visto como assassinato, há uma exceção se ele for “solicitado, auxiliado, ou consentido pela mãe”. 

Um advogado de defesa local explicou: “No estado da Califórnia, uma pessoa que está grávida, ainda grávida, pode interromper sua gravidez [matar] quase que de qualquer maneira e não será responsabilizada criminalmente por suas ações”. 

Ainda humano. 

A Diretora Executiva da Right to Life para o Condado de Kern, Marylee Shrider, disse: “Eu queria começar a chorar. É muito repugnante de ler”. 

Ela disse que ambos os pais deveriam ser culpados e acrescentou que o fato de a menina ser ou não desejada não deve ter influência em processos judiciais. 

O fato de que ela queria ou não queria não é relevante. Isso não a torna menos humana”. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...