14 de jun de 2018

Espanha – Ministro do Interior da Espanha promete remover o arame farpado das fronteiras de Melilla e Ceuta – bem-vindos jihadistas!

Roupas manchadas de sangue dos criminosos que atravessaram a fronteira



The Local Es, 14 de junho de 2018 





Fernando Grande-Marlaska, o recém-nomeado ministro do Interior do governo do primeiro-ministro socialista, Pedro Sánchez, indicou seu desejo de remover o controverso arame farpado projetado para dissuadir os migrantes [criminosos] de cruzarem ilegalmente do Marrocos para a Espanha. 

Há muito tempo as ONGs pedem a remoção do arame farpado instalando ao longo de trechos das cercas que dividem os enclaves espanhóis de Ceuta e Melilla, vindos do vizinho Marrocos, devido aos graves ferimentos que causam aos que tentam escalar as cercas. 


O novo ministro do Interior, um juiz "antiterrorista", nomeado na semana passada por Pedro Sánchez, prometeu retirá-los o quanto antes

Eu vou fazer todo o possível para ver que essas cercas de arame farpado em Ceuta e Melilla serem removidas”, disse ele na quinta-feira em uma entrevista de rádio com Onda Cero. “É uma das minhas principais prioridades”. 

Ele disse que mais deve ser feito para dissuadir os migrantes antes que eles cheguem à cerca. 

Podemos agir antes, na origem do problema, mas não podemos deixar chegar a esse ponto [do arame], disse Grande Marlaska. “Não é razoável nem aceitável ver pessoas pulando a cerca”. 

O arame farpado controverso foi erigido ao longo de partes das fronteiras em Melilla e Ceuta durante o governo socialista de Jose Rodriguez Zapatero em 2005, mas foi retirado dentro de dois anos depois dos relatos das feridas horríveis que infligiu naqueles que cruzaram com sucesso. 

Mas o governo 'conservador' de Mariano Rajoy reintroduziu seu uso e instalação através das cercas em 2013. 

Pedro Sánchez havia feito a promessa de remoção do fio de navalha em uma de suas campanhas eleitorais durante as eleições de 2015 e 2016. 

As ONGs saudaram os planos do novo ministro do Interior e esperam que isso sinalizasse uma mudança mais ampla no tratamento dos "migrantes" que tentam chegar à Espanha. 

Esperamos que eles também ponham um fim à prática de extradições sumárias (devoluciones em caliente) em nossas fronteiras”, disse a Comissão Espanhola de Refugiados (CEAR). 

No início desta semana, o novo governo socialista convidou um barco de resgate com 629 migrantes a bordo para atracar na Espanha depois de ter sido recusado em Malta e na Itália. 
Nota: a maioria dos suspeitos de terrorismo presos na Espanha são de origem marroquina. Ou ascendência ou de fato de origem. 
Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...