15 de dez de 2017

Funcionário do governo holandês diz ao homem com síndrome de Down o quanto ele é “caro”




Daily Wire, 14 de dezembro de 2017. 






À medida que a tecnologia avança os seres humanos com síndrome de Down estão sendo sistematicamente eliminados através do aborto. Na Europa em particular, a eugenia está florescendo a este respeito, com quase 92% dos bebês com síndrome de Down sendo mortos no útero. Os Estados Unidos estão, infelizmente, a recuperar o atraso, matando mais de 67% dos nossos bebês com síndrome de Down detectado no útero. 

Um vídeo sobre pessoas com síndrome de Down a partir de 2016 ressurgiu recentemente como uma forma de reforçar a discussão. No vídeo, um homem com síndrome de Down fala com um funcionário do Instituto Nacional Holandês de Saúde Pública, que passa a calcular o quão “caro” é o homem para a sociedade em relação aos cidadãos “normais” do país. 

De acordo com uma publicação do WhastOnWeibo.com, o vídeo é de um programa exibido na Holanda intitulado “The Last Downer”, que apresenta dois defensores de pessoas com síndrome sendo eles mesmos portadores da síndrome de Down. O programa se concentra em “o que a sociedade perde se a síndrome de Down desaparecer” e “as consequências éticas, sociais e psicológicas de ter uma criança com síndrome de Down”. 

Na Holanda, um programa de TV que gira em torno do “fim da síndrome de Down” foi recentemente exibido na televisão nacional. A série, intitulada “The Last Downer, explorou "o que a sociedade perde se a síndrome de Down desaparecer. Consequências éticas, sociais e psicológicas de ter uma criança com síndrome de Down”, explica o site. 

Tão preocupante como a questão, é aparentemente a recepção do show sendo tido como “muito a favor do movimento pró-vida”. 

Isso é coisa de nazista: a desumanização de um grupo seguido de sua tentativa de eliminação. 

Os holandeses, que sofreram sob e, em muitos casos, resistiram heroicamente – o domínio de Hitler esquecem que a “solução final começou com a desumanização e matança eugênica dos deficientes?”.

Devemos fazer a mesma pergunta aos cidadãos americanos.  

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...