3 de ago de 2017

Alemanha: Disseminação de Doenças Infecciosas à Medida que Migrantes se Instalam

Gatestone, 03 de agosto de 2017 






  • Um novo estudo que acaba de ser divulgado pelo Instituto Robert Koch (IRK), principal instituição do governo federal para o monitoramento e prevenção de doenças, confirma que houve um aumento generalizado de doenças desde 2015, quando a Alemanha acolheu um número jamais visto de migrantes.
  • Médicos afirmam que o número de casos de tuberculose é muito maior do que indicam os números oficiais e acusam o IRK de minimizar a ameaça com o intuito de evitar botar mais lenha na fogueira nos sentimentos anti-imigração.
  • "Foram enviados de 700 mil a 800 mil pedidos de asilo e 300 mil refugiados desapareceram. Eles foram checados? Eles são de países de alto risco?" — Carsten Boos, cirurgião ortopedista, entrevistado pela revista Focus.

A um candidato a asilo do Iêmen, que teve o visto negado, foi cedido abrigo em uma igreja no norte da Alemanha para evitar que ele fosse deportado, ao que tudo indica, por ter infectado mais de 50 crianças alemãs com uma cepa altamente contagiosa de tuberculose.

O homem, a quem foi dado abrigo em uma igreja em Bünsdorf, entre janeiro e maio de 2017, tinha frequente contato com as crianças, algumas com menos de três anos de idade, que frequentavam uma creche nas dependências do abrigo. Ele deu entrada em um hospital em Rendsburg em junho e posteriormente diagnosticado com tuberculose - uma doença que só recentemente chamou a atenção dos alemães.

As autoridades sanitárias locais dizem que, além das crianças, pais e professores, bem como paroquianos também estão passando por exames para o diagnóstico da doença, que pode aparecer meses ou mesmo anos após a exposição. Ainda não está claro se o homem passou pelos devidos exames médicos assim que chegou à Alemanha ou se ele é uma das centenas de milhares de migrantes que entraram sorrateiramente.

A ameaça de um surto de tuberculose dirigiu mais uma vez o holofote sobre a intensificação do risco de doenças infecciosas na Alemanha, desde que a chanceler Angela Merkel permitiu a entrada de cerca de dois milhões de migrantes da África, Ásia e Oriente Médio.

Um novo estudo que acaba de ser divulgado pelo Instituto Robert Koch (IRK), principal instituição do governo federal para o monitoramento e prevenção de doenças, confirma que houve um aumento generalizado da doença desde 2015, quando a Alemanha acolheu um número jamais visto de migrantes.

O Relatório Epidemiológico Anual de Doenças Infecciosas - publicado em 12 de julho de 2017 apresenta dados sobre a situação das mais de 50 doenças infecciosas existentes na Alemanha em 2016 - proporciona o primeiro vislumbre sobre as consequências na saúde pública do gigantesco influxo de migrantes ocorrido no final de 2015.

O estudo revela uma alta na incidência da conjuntivite adenoviral, botulismo, varíola, cólera, criptosporidiose, dengue, equinococose, Escherichia coli enterohemorrágica, giardíase, hemofilia, influenza, hantavírus, hepatite, febre hemorrágica, HIV/AIDS, hanseníase, febre recorrente, malária, sarampo, doença meningocócica, meningoencefalite, caxumba, paratifoide, rubéola, disenteria bacteriana, sífilis, toxoplasmose, triquinose, tuberculose, tularemia, tifo e coqueluche.

A Alemanha − pelo menos até agora − se desvencilhou do pior dos mundos: a maioria das doenças tropicais e exóticas trazidas para o país pelos migrantes foram contidas, não há registro de pandemias. As doenças mais comuns, no entanto, muitas das quais estão diretamente ou indiretamente ligadas à migração em massa estão aumentando, de acordo com o estudo.

A incidência da Hepatite B, por exemplo, saltou 300% nos últimos três anos, segundo o IRK. O número de casos registrados na Alemanha foi de 3.006 em 2016, um salto dos 755 casos ocorridos em 2014. A maioria dos casos, segundo consta, se limita a migrantes não vacinados do Afeganistão, do Iraque e da Síria. A incidência de sarampo na Alemanha saltou em mais de 450% entre 2014 e 2015, o número de casos de varíola, meningite, caxumba, rubéola e coqueluche também aumentou. Os migrantes também representaram pelo menos 40% dos novos casos de HIV/AIDS identificados na Alemanha desde 2015, de acordo com outro relatório do IRK.

É possível que as estatísticas do IRK revelem apenas a ponta do iceberg. O número de casos registrados de tuberculose, por exemplo, foi de 5.915 em 2016, um salto dos 4.488 casos em relação a 2014, um aumento de mais de 30% naquele período. Há médicos, no entanto, que acreditam que o número de casos de tuberculose é muito maior e acusam o IRK de minimizar a ameaça, com o intuito de evitar botar mais lenha na fogueira nos sentimentos anti-imigração.

Em entrevista concedida à revista Focus, Carsten Boos, cirurgião ortopedista, alertou que as autoridades alemãs desconhecem o paradeiro de centenas de milhares de migrantes que podem estar infectados. Ele acrescentou que 40% de todos os agentes patogênicos da tuberculose são resistentes a múltiplos fármacos e, portanto, inerentemente perigosos para a população em geral:

"Quando os candidatos a asilo vêm de países com alto risco de infecção pela tuberculose, o IRK, sendo o mais alto órgão alemão de proteção contra infecções, não deveria minimizar o perigo. Um instituto federal usa de correção política para acobertar a desagradável realidade?

A mídia denuncia que em 2015 a polícia federal registrou a entrada de cerca de 1,1 milhões de refugiados. Foram enviadas de 700 mil a 800 mil pedidos de asilo e 300 mil refugiados desapareceram. Eles foram checados? Eles são de países de alto risco?

A impressão que se tem no IRK é que não há comunicação entre os departamentos".

Os jornais alemães publicaram uma torrente de artigos sobre a dimensão da crise da saúde pública em relação aos migrantes. Os artigos frequentemente citam profissionais da saúde com experiência de primeira mão no tratamento de migrantes. Muitos admitem que a migração em massa aumentou o risco de surgimento de doenças infecciosas na Alemanha. Algumas manchetes:

"Refugiados Muitas Vezes Trazem Doenças Desconhecidas ao País Anfitrião","Refugiados Trazem Doenças Raras a Berlim", Refugiados em Hesse: Volta de Doenças Raras","Refugiados Muitas Vezes Trazem Doenças Desconhecidas para a Alemanha","Especialistas: Refugiados Trazem Doenças "Esquecidas","Triplica o Número de Casos de Hepatite B na Baviera","Casos de Solitária na Alemanha Aumentam Mais de 30%","Doenças Infecciosas: Refugiados Trazem Tuberculose","Tuberculose na Alemanha em Ascensão Novamente, Principalmente nas Grandes Cidades: Causadas pela Migração e pela Pobreza","Refugiados Trazem Tuberculose", "Mais Doenças na Alemanha: Tuberculose está de Volta" , "Profissional da Saúde Teme Volta da Tuberculose Devido à Onda de Refugiados";"Acentuado Aumento de Tuberculose em Baden-Württemberg: Migrantes Frequentemente Afetados";"Especialista: Política de Refugiados Responsável pelo Surto de Sarampo","Sarna em Alta na Região do Reno, Norte da Westphalia","Doenças Quase Esquecidas como a Sarna Voltam à Bielefeld","Você Entra em Contato com Refugiados? Fique atento" e "Refugiados: Ampla Gama de Doenças".

No auge da crise dos migrantes em outubro de 2015, Michael Melter, médico-chefe do Hospital Universitário de Regensburg, relatou que estavam chegando migrantes ao hospital com doenças que quase nunca foram vistas na Alemanha. "Algumas delas eu não via há 20 ou 25 anos", ressaltou ele, "muitos dos meus colegas mais novos nunca as viram".

Marc Schreiner, diretor de relações internacionais da Federação Alemã de Hospitais (Deutschen Krankenhausgesellschaft), ecoou a inquietação de Melter:

"Nos postos de saúde é cada vez mais comum ver pacientes com doenças consideradas erradicadas na Alemanha, como por exemplo a sarna. Essas doenças devem ser diagnosticadas de forma confiável, o que é um desafio".

Christoph Lange, especialista em tuberculose do Centro de Pesquisa Borstel, afirmou que os médicos alemães não estavam familiarizados com inúmeras das doenças importadas pelos migrantes: "seria positivo se as doenças tropicais e outras doenças raras em nosso meio tivessem um papel mais importante no treinamento dos médicos".

A Sociedade Alemã de Gastroenterologia, Doenças Digestivas e Metabólicas realizou recentemente um congresso de cinco dias em Hamburgo para ajudar profissionais da saúde a diagnosticarem doenças raramente vistas na Alemanha. Entre elas se encontram:

  • Febre Recorrente: no decorrer dos últimos dois anos, pelo menos 48 pessoas foram diagnosticadas com febre recorrente na Alemanha, doença desconhecida no país antes da crise migratória de 2015 de acordo com o relatório do IRK. A doença, que é transmitida por piolhos alojados no vestuário, é lugar comum nos migrantes da África Oriental que estavam a caminho há meses para aportarem na Alemanha com a mesma roupa no corpo. "Já tínhamos esquecido da febre recorrente", assinalou Hans Jäger, médico que trabalha em Munique. "A doença leva a óbito até 40% dos enfermos se não for diagnosticada e não for tratada com antibióticos. Os sintomas são parecidos com os da malária: febre, dor de cabeça, erupção cutânea".
  • Febre de Lassa: em fevereiro de 2016 um paciente que a havia contraído no Togo, África Ocidental, foi tratado e veio a óbito na Alemanha. Após sua morte, uma infecção pelo vírus da Lassa foi confirmada em outra pessoa que teve contato profissional com o corpo do falecido. O paciente ficou de quarentena e sobreviveu. Esta foi a primeira transmissão documentada do vírus da Lassa na Alemanha.
  • Dengue: Quase mil pessoas foram diagnosticadas com dengue, doença tropical transmitida por um mosquito, na Alemanha em 2016. Isto constitui um salto de 25% desde 2014, quando 755 pessoas foram diagnosticadas com a doença.
  • Malária: o número de pessoas diagnosticadas com malária saltou dramaticamente em 2014 (1.007) e 2015 (1.063), caindo ligeiramente em 2016 (970). A maioria dos infectados contraiu a doença na África, principalmente na República de Camarões, Gana, Nigéria e no Togo.
  • Equinococose: entre 2014 e 2016, mais de 200 pessoas na Alemanha foram diagnosticadas com a Equinococose, uma verminose. Isso representa um salto de cerca de 30%. Os enfermos contraíram a doença no Afeganistão, Bulgária, Grécia, Kosovo, Iraque, Macedônia, Marrocos, Síria ou Turquia.
  • Difteria: entre 2014 e 2016 mais de 30 pessoas foram diagnosticadas com difteria na Alemanha. Os infectados contraíram a doença na Etiópia, Eritreia, Líbia, Sri Lanka ou Tailândia.
  • Sarna: entre 2013 e 2016 o número de pessoas diagnosticadas com sarna na região do Reno, Norte da Westphalia saltou quase 3.000%.

Enquanto isso, a Alemanha está diante de um surto de sarampo que as autoridades sanitárias ligaram à imigração da Romênia. Cerca de 700 pessoas foram diagnosticadas com sarampo na Alemanha nos primeiros seis meses de 2017, em comparação com 323 casos em 2016, de acordo com o Instituto Robert Koch. O surto de sarampo se espalhou em todos os 16 estados da federação alemã exceto em Mecklenburg-Vorpommern, estado este com uma população migrante extremamente reduzida.

O epicentro da crise de sarampo se encontra na região do Reno, Norte da Westphalia (NRW sigla em inglês), estado mais populoso da Alemanha e também o estado com o maior número de migrantes. Cerca de 500 pessoas foram diagnosticadas com sarampo na NRW nos primeiros seis meses de 2017. A maioria dos casos foi registrada em Duisburg e Essen, onde uma mãe de 37 anos de idade, com três filhos veio a óbito em maio, em consequência da doença. Surtos de sarampo também foram registrados em Berlim, Colônia, Dresden, Hamburgo, Leipzig, Munique e Frankfurt, onde um bebê de nove meses foi diagnosticado com a doença.

Em 1º de junho de 2017, o Parlamento Alemão aprovou uma nova lei, polêmica, exigindo que jardins de infância informem as autoridades alemãs caso os pais não apresentem provas que consultaram um médico acerca da vacinação de seus filhos. Os pais que se recusarem a cumprir a lei estarão sujeitos a pagar uma multa de US$2.850. "Não podemos ser indiferentes ao fato das pessoas ainda estarem morrendo de sarampo" ressaltou o Ministro da Saúde da Alemanha Hermann Gröhe. "É por isso que estamos endurecendo a regulamentação no tocante à vacinação".

Há quem diga que a nova lei não é suficientemente rigorosa. Há quem defenda que as vacinas devam ser obrigatórias para todos na Alemanha. Outros dizem que a lei está indo longe demais e que infringe a privacidade garantida pela constituição alemã. Eles acrescentam que os pais, não o governo, devem decidir o que é melhor para seus filhos. Persistem as consequências da política de portas abertas para a imigração da chanceler Merkel.
Soeren Kern é Colaborador Sênior do Gatestone Institute de Nova Iorque.
Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário