5 de jul de 2017

A primeira-ministra britânica não vai ajudar o bebê Charlie Gard




LifeSiteNews, 05 de julho de 2017 






Reino Unido, 05 de julho de 2017 (LifeSiteNews) – A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que está confiante de que o hospital que tem lutado no tribunal para remover Charlie Gard, de 11 meses de idade, de seu suporte de vida contra os desejos dos seus pais está levando em consideração o seu “bem-estar”. 

Chris Gard e Connie Yates, os pais de Charlie, têm lutando nos tribunais europeus pelo seu direito de levá-lo aos Estados Unidos para tratamento experimental por sua doença muscular e cerebral rara. Eles levantaram mais de US $ 1 milhão para fazer isso, mas os tribunais ingleses se alinharam com o hospital, Great Ormond Street Hospital, para removê-lo do suporte de vida. 

Então, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem também se juntou ao Hospital onde Charlie estava marcado para morrer na sexta-feira, 30 de junho, mas seus pais receberam mais um tempo para ficar com ele. Os meios de comunicação em todo o mundo vêm cobrindo o caso. O Papa Francisco e o Presidente Trump expressaram sua solidariedade com os pais de Charlie. Trump disse que ficaria “encantado” em ajudar a salvar Charlie. Um hospital do Vaticano ofereceu-se para tratar Charlie, mas depois disse que o Great Ormond Street Hospital recusou essa oferta. 

Uma MP falando sobre os pais de Charlie, Seema Malhotra do Partido Trabalhista, perguntou a May se ela por um acaso não poderia intervir para ajudar os seus eleitores a salvar a vida de seus  bebês. 

Se houver qualquer espaço para apreciação dentro do âmbito das decisões judiciais para o Great Ormond Street [Hospital] permitir que Charlie saia e seus cuidados sejam transferidos para médicos da Universidade de Columbia, e ele estiver suficientemente estável para receber tratamento, a primeira-ministra fará tudo o que puder? Ela pode juntar as pessoas apropriadas para tentar fazer isso acontecer?” perguntou Malhorta, observando que, se Charlie permanecer no Reino Unido, seu suporte de vida será “desligado”. 

 Malhorta disse que este é um momento “incrivelmente difícil” para Hard e Yates. 

Eu compreendo  que as chances de melhorar a condição de Charlie são 'baixas', mas os médicos em outro hospital poderiam dizer dentro de três meses se Charlie está respondendo ou não [as chances] para um novo tratamento”, disse Malhorta. 

Tenho certeza de que os pensamentos de todos os membros da Câmara estão com a família – e Charlie – neste momento excepcionalmente difícil”, May respondeu. "É uma posição inimaginável para qualquer um estar e eu admiro muito qualquer pai que nessas circunstâncias gostaria de fazer todo o possível para explorar todas as opções para os seus filhos gravemente doentes. Mas eu também sei que nenhum médico quer ser colocado na terrível posição em que eles têm de tomar decisões dolorosas”, ela continuou. “A senhora deputada referiu-se ao fato de que temos esse processo judicial aqui. Eu estou confiante de que o Great Ormond Street Hospital sempre considerará quaisquer ofertas ou novas informações que estejam de acordo com o bem-estar da criança gravemente doente”. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário