2 de jun de 2017

Cristãos que rejeitam o transgenderismo são proibidos de trabalhar e adotar crianças no sistema de adoção de Illinois




LifeSiteNews, 01 de junho de 2017. 






01 de junho de 2017 (LifeSiteNews) – O Departamento de Crianças e Serviços Familiares de Illinois instituiu mudanças radicais em suas políticas e procedimentos para cuidar de crianças que sofrem de disforia de gênero, que essencialmente excluem funcionários e voluntários que não podem, de boa consciência, apoiar e promover a ideologia transgênero. 

Illinois agora “exige que todas as crianças e jovens LGBTQ sejam colocadas em uma habitação segura, acolhedora, e que recebam serviços médicos e de saúde mental especializados LGBTQ e que tenham igualdade de oportunidades e acesso a estes cuidados”. 


No entanto, para garantir uma conquista consistente desse objetivo, a nova política exige que “qualquer pessoa que esteja envolvida com crianças/jovens do DCFS complete o treinamento obrigatório em especialização LGBTQ”. Isso será  parte integrante do treinamento básico do DCFS e será um requisito para a obtenção de uma licença de bem-estar infantil. 

Purgar os não-crentes do Transgenderismo. 

De acordo com a advogada Mary Hasson, uma colega do Centro de Ética e Políticas Públicas em Washington, D.C, “as novas políticas do DCFS são menos sobre segurança e bem-estar e mais sobre o uso do poder do Estado para 'anular' o básico, o empírico, (e o senso comum) e as verdades sobre os seres humanos e substituí-los por afirmações ideológicas que validam os sentimentos dos adultos em vez de beneficiar as crianças”. 

A exigência dos procedimentos revisados alega, “em nenhum hipótese, as crianças/jovens LGBTQ devem ser colocadas com um cuidador não adepto que se opõe as orientações sexuais que diferem da sua própria. Nem as crianças e os jovens LGBTQ devem ser colocados com cuidadores que não estão dispostos / ou são incapazes de apoiar as crianças e jovens cuja identidade de gênero ou expressão de gênero difere da expectativa tradicional." 

A revisão foi mais longe, insistindo que “o nome escolhido pela criança / jovem e o pronome de gênero preferido (incluindo pronomes neutros em termos de gênero como 'eles' ou 'ze/hir') devem ser respeitados”. 

Guiados por forças de esquerda. 

Os novos procedimentos e normas foram criados sob a orientação da American Civil Liberties Union of Illinois (ACLU), Pride Action Tank e outras organizações pró-homossexuais e transgêneros. Embora a ACLU tenha procurado, não lhe foi concedido, o direito de rever a versão final das revisões das políticas, e o grupo de direitos progressivos disse que estava “satisfeito pelo fato de que o DCFS tenha incorporado quase todas as mudanças solicitadas pela ACLU”. 

Peter Sprigg, do Conselho de Pesquisa da Família, observa que “enquanto isso é retratado como sendo baseado na Ciência é, na realidade, 100% ideológico.”

Laurie Higgins, do Instituto Familiar de Illinois concorda. “Não há nenhuma pesquisa provando que as crianças são melhor atendidas por ter sua disforia de gênero aceita. Muito pelo contrário, a melhor pesquisa até o momento sugere que, se a disforia de gênero não for confirmada em crianças pequenas, ela diminuirá ao longo do tempo”, explicou. “O DCFS acredita que é melhor para as crianças suportar castração ou mastectomias duplas, a uma vida de doping hormonal entre os sexos com os seus riscos desconhecidos para a saúde e lutas sociais, do que aceitar que o seu sexo imutável?

Em um relatório histórico publicado no ano passado, os autores Lawrence S. Mayer, MB, MS, Ph.D., erudito residente no Departamento de Psiquiatria da Universidade Johns Hopkins e professor de de estatística e bioestatística na Universidade Estadual do Arizona, e Paul R. McHug, professor de psiquiatria e ciências comportamentais da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins, descobriram que apenas uma minoria de crianças que expressam pensamentos ou comportamentos atípicos de gênero continuarão a fazê-lo na adolescência ou na idade adulta. Não há provas de que todas essas crianças devam ser encorajadas a tornar-se transgênero, muito menos sujeitas a tratamentos hormonais ou cirurgia.

Mayer e McHug acrescentaram: “Há pouca evidência cientifica para o valor terapêutico das intervenções que atrasam a puberdade ou modificam as características sexuais secundárias dos adolescentes, embora algumas crianças tenham melhorado o seu bem-estar psicológico ao serem incentivadas e apoiadas na identificação do seu gênero cruzado. Não há evidências de que todas as crianças que expressam pensamentos ou comportamentos atípicos de gênero devam ser encorajadas a se tornar transgênero”. 

Discriminação sobre diversidade e cuidados. 

Além de ser uma política prejudicial, a nova diretiva é, segundo Sprigg, “discriminação contra qualquer pessoa com valores morais tradicionais, e em particular, os cristãos” e “vai machucar as crianças”, limitando os recursos disponíveis. Higgins do Instituto Familiar de Illinois acrescentou: “Negar as pessoas de... fé a oportunidade de fomentar ou adotar crianças constitui a antítese de um compromisso com a diversidade e coloca em evidência a mentira da afirmação do DCFS de que estão preocupados com as necessidades das crianças. O número de famílias adotivas e adoções disponíveis diminuirá”. 

Os procedimentos revisados terão “um efeito de arrefecimento na equipe do DCFS, voluntários, pais adotivos e outros" cujo discurso e comportamento “serão monitorados e avaliados de acordo com os critérios ideológicos pelo estado de Illinois”, disse Hasson. 

Ele continuou: “Esqueça o processo democrático. Esqueça a liberdade de expressão, liberdade de religião e os direitos de consciência dos cidadãos americanos. Esqueça o bem-estar das crianças vulneráveis. O estado de Illinois está sob domínio dos ativistas LGBTQ; ele adotou uma nova crença baseada na visão LGBTQ da pessoa humana. Os únicos vencedores são os ativistas progressistas e advogados ávidos para encher os seus registros de litígio. Os perdedores? As crianças mais vulneráveis de Illinois.” 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário