13 de abr de 2017

Relações russo-americanas e a mudança de postura da nova administração a respeito da OTAN




Euronews, 13 de abril de 2017. 



Por Marco Lemos



Rússia e Estados Unidos reconhecem que as relações entre os dois países estão “num ponto baixo” onde impera a desconfiança.

Com a Síria como pano de fundo, a receção em Moscovo ao secretário de Estado norte-americano foi um reflexo das tensões crescentes entre o Kremlin e a Casa Branca, apesar da promessa de uma luta conjunta contra os ‘jihadistas’ do Estado Islâmico e outros grupos terroristas.

As divergências a ultrapassar são muitas e importantes, mas o chefe da diplomacia russa gostou do encontro que teve com o homólogo norte-americano esta quarta-feira.


Serguei Lavrov explicou que o “presidente (Putin) teve uma conversa muito importante com o secretário de Estado Tillerson, que durou cerca de duas horas e que as negociações (da véspera entre os dois países) talvez deem frutos no futuro”. Para já, as partes concordaram em “manter o diálogo numa série de assuntos importantes”, concluiu.

Rex Tillerson deixou Moscovo sem que fosse visível qualquer aproximação entre os dois países à parte de o tom palavras ter sido um pouco mais diplomático.


Mas o confronto aberto reacendeu-se poucas horas depois, na mesa do Conselho de Segurança das Nações Unidas, com a Rússia a vetar uma condenação ao bombardeamento, alegadamente com armas químicas, levado a cabo pelo regime de Bashar al-Assad, na Síria.

Paralelamente, Donald Trump protagonizou uma viragem de 180º em relação à NATO. Num encontro em Washington com o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg, o presidente dos Estados Unidos afirmou que, afinal a Organização do Tratado do Atlântico Norte “não é obsoleta”, como tinha afirmado repetidas vezes na campanha que o levou à Casa Branca.





Donald Trump deu uma volta de 180 graus e afirmou que a NATO “já não está obsoleta”, depois de ter criticado fortemente a Aliança Atlântica durante a corrida à Casa Branca.

A mudança de posição do presidente norte-americano deu-se por ocasião do encontro com o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg:

O secretário-geral e eu tivemos um diálogo produtivo acerca do que mais pode fazer a NATO no combate contra o terrorismo. Queixei-me disso há bastante tempo e eles mudaram e agora, sim, combatem o terrorismo. Disse que estava obsoleta. Mas já não está obsoleta. […] À medida que enfrentamos os nossos desafios comuns, também temos de garantir que os membros da NATO cumprem as suas obrigações financeiras e pagam o que devem. Muitos não o têm feito”.


Trump voltou a insistir que os países-membros aumentem as despesas em defesa até ao objetivo concordado de 2 por cento do PIB.

Depois de tanta crítica, o presidente norte-americano disse ontem que a NATO é “o baluarte da paz e da segurança internacionais”.

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário