16 de ago de 2016

Dinamarca - políticos dinamarqueses (as) acusados de dar habitação ilegal a imigrantes

Anne Hegelund e Maria Sloth chegando ao tribunal na cidade de Aarhus na terça-feira acusadas de dar asilo ilegal




The Local DK, 16 de agosto de 2016. 



Uma Vereadora de Aarhus e uma esperançosa parlamentar estavam no tribunal terça-feira para enfrentar acusações por violar as leis de imigração da Dinamarca, por alojar dois refugiados africanos. 

A vereadora, Maria Sloth da Aliança Vermelho-Verme de extrema-esquerda (Enhedslisten), e sua companheira de quarto, Anne Hegelund, abriram as portas para dois refugiados em setembro de 2015, enquanto a Dinamarca experimentava uma onda de imigrantes. 

As duas mulheres deram aos africanos um lugar para dormir à noite e, em seguida, compraram-lhes bilhetes para apanhar um trem até a Noruega no dia seguinte. 

Quando Sloth compartilhou sua história com o jornal local Aarhus Stiftstidende, seu colega de conselho, Marc Perera Christensen dos conservadores, entrou com uma queixa na polícia dizendo que ela e Hegelund, que também é um político do Enhedslisten que espera ser eleito para o parlamento, haviam violado as leis de imigração, ajudando as pessoas que estavam no país ilegalmente. 
“Nós estamos falando sobre a facilitação intencional do trânsito e residência legal e, portanto, estamos a fazer um pedido de detenção”, disse o promotor do caso, Jacob Balsgaard Nielsen da polícia de Ostjylland, ao tribunal na terça-feira, de acordo com Ritzau. 

Nielsen disse, porém, que, se o tribunal considerar que o influxo de refugiados e imigrantes de setembro é constituído de “circunstâncias especiais”, ele estará disposto a se contentar com uma multa de 5.000 coroas. 

Sloth não falou no tribunal na terça-feira de acordo com Ritzau, mas ela e Hegelund teriam defendido anteriormente suas ações por razões humanitárias. 

“Tivemos espaço em casa e nós não discutimos se era legal ou não. Nós apenas seguimos nossa consciência”, disse anteriormente ao Aarhus Stiftstidende. 

No início desta semana Sloth disse ao Ritzau que não lamenta a sua decisão. 

“Eu acho que é muito estranho nós temos uma lei dizendo que você tem que ir ao tribunal para ajudar as pessoas. Nós nunca duvidamos de que fizemos a coisa certa deixando-os dormir aqui”, disse ela. 

Seus advogados argumentam que as duas mulheres devem ser absolvidas, pois não há provas do caso, exceto para os próprios comentários de Sloth à imprensa. Elas também dizem que a polícia não teria sido capaz de provar que os dois africanos foram a Dinamarca ilegalmente. 

Uma decisão é esperada em 26 de agosto. 

No início deste ano, uma ativista dinamarquesa e seu marido jornalista foram, cada um multado em 22.500 coroas por ajudar uma família síria em rota para a Suécia em busca de asilo durante o fluxo imigrante de setembro passado. Da mesma forma, um homem de família dinamarquesa que transportava quatro imigrantes afegãos foi condenado a pagar uma multa de 5.00 coroas

É o mesmo esquerdismo escandinavo que transformou a Suécia no que é hoje. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário