1 de jun de 2018

Pesquisa suíça – Por que as mulheres votam mais à esquerda do que os homens?




SWI, 01 de junho de 2018. 


Por De Claude Langchamp 


Um amplo estudo sobre comportamento de voto por gênero relatado na imprensa internacional no mês passado descobriu que as mulheres jovens são mais propensas a votar em partidos de esquerda do que os seus homólogos masculinos. 

Este parece ter sido o caso durante algum tempo, nomeadamente na Suécia, na Noruega e nos Países Baixos. A tendência também ficou evidente nas últimas eleições parlamentares suíças em 2015. 

Por quê? Porque as mulheres são mais progressistas do que os homens quando se trata de questões sociais, ambientais e de gênero, concluiu o estudo. 

Mas a tendência não é universal, como sugerem novas pesquisas na Irlanda, Itália e Bélgica. 

A Suíça tem sua própria “lacuna de gênero” quando se trata de comportamento eleitoral. 

Isso ficou evidente nas eleições de 2015 da Câmara dos Deputados, quando as mulheres votaram em candidatos dos social-democratas de esquerda e dos verdes mais frequentemente do que os homens, de acordo com o estudo de pesquisa eleitoral, Selects

Para os liberais centristas e os democratas cristãos, a proporção entre os sexos era de cerca de 50%, enquanto candidatos do Partido do Povo Suíço de direita e do Partido Radical de centro-direita eram mais eleitos pelos homens. 

Última pesquisa.

No início desta semana, os estudantes da Universidade de Zurique apresentaram os resultados de uma nova pesquisa sobre o comportamento eleitoral de acordo com o gênero. Em seu notável estudo sobre as causas do comportamento eleitoral específico de gênero, Mia Eichmuller descobriu que as atitudes em relação à política social, política ambiental e questões relacionadas ao gênero eram decisivas. 

Os eleitores que são a favor da ampliação da licença paternal, da eliminação gradual da energia nuclear e do combate à desigualdade salarial tendem a se inclinar para a esquerda. Essa tendência se aplica tanto às mulheres suíças como aos homens. 

No entanto, a tendência é observada mais frequentemente entre mulheres do que homens, descobriu o autor do estudo. As diferenças no comportamento de voto são, portanto, devido à disseminação desigual de opiniões diferentes, diz Eichmuller. Outras explicações possíveis, como estado civil ou integração no mercado de trabalho, não parecem relevantes. 

Europa Ocidental. 

Esta é a ideia de que as mulheres hoje são muito diferentes das gerações anteriores. A pesquisa revelou um número crescente de eleitores femininos de esquerda, particularmente na Suécia, na Islândia e também recentemente na Áustria. 

Cientistas sociais, incluindo Rosalind Sharrocks, da Universidade de Manchester, argumentam que essa tendência é acompanhada por um crescente desinteresse por questões religiosas. Ela conclui que os valores sociais conservadores na Europa estão em declínio nas últimas gerações

Em contraste, o liberalismo social vem ganhando terreno. Parece ter um impacto direto, com as mulheres exigindo cada vez mais redistribuição da riqueza, e os homens insistindo mais frequentemente na responsabilidade pessoal na política. 

Características especiais suíças. 

Este ponto de vista europeu não é tão claro na Suíça. Isto se deve à posição do Partido Cristão Democrático, de centro, e do Partido Radical, de centro-direita, em três áreas políticas fundamentais. 

Os radicais [FDP] (ou liberais) na Suíça têm ligações mais estreitas com a comunidade empresarial do que suas contrapartes em outros países europeus

Quanto aos democratas cristãos (tradicionalmente um partido associado à Igreja Católica Romana) [CVP], eles são mais progressistas do que os partidos similares em outros países europeus quando se trata de questões sociais, ambientas e de gênero

A ministra dos Transportes, Doris Leuthard, membro do Partido Democrata Cristão no governo multipartidário suíço, pode ser um bom exemplo para provar este ponto. 

Ela disse que o governo mostrou maior determinação quando as mulheres pela primeira vez na história da Suíça, tiveram uma maioria no gabinete de sete membros entre 2010 e 2011. 

Isso foi crucia quando decidimos desistir da energia nuclear”, disse ela ao jornal NZZ am Sonntag.

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...