20 de jun de 2018

Legalização da maconha nos Estados Unidos: o fracasso da retórica liberal e esquerdista descrito nos relatos do aumento do crime do tráfico e violência no Colorado




Mail, 20 de junho de 2018 



Por Tom Leonard 



Um negócio multimilionário de maconha nos EUA fornece uma história de advertência para aqueles que alegam que legalizar a droga reduziria as taxas de criminalidade. 

Acompanhada por uma equipe da SWAT, veículos blindados Humvee e equipados com bombas de efeito moral, a polícia do Colorado não pensou duas vezes antes de invadir a mansão de Michael Stonehouse em março do ano passado.  

Para seus vizinhos, o ex-fuzileiro naval dos EUA parecia um homem de negócios bem-sucedido e uma sólida figura familiar. Mas, de acordo com os promotores dos EUA, ele operava um negócio multimilionário de maconha no mercado negro para rivalizar com um cartel mexicano. 

Supostamente lidando com 300 kg de maconha todos os meses, distribuídos em mochilas ao redor do estado e além, Stonehouse e seus 15 amigos tinham tanto dinheiro que ficaram sem meios de guardá-lo. 

Documentos judiciais alegaram que o bando comprou casas em bairros respeitáveis (onde eles cultivavam mais usinas) e depositaram em contas em sete bancos diferentes. 

Mas eles ainda deixaram centenas de milhares de dólares por ai quando os investigadores chegaram. A polícia diz que tal operação não é incomum no Colorado. 

Que os criminosos poderiam ganhar tanto dinheiro com drogas não é tão surpreendente se não fosse o Colorado e a droga não fosse a maconha. 

Em 2014, o estado tornou-se o primeiro nos Estados Unidos a legalizar a produção e venda de maconha não medicinal a clientes maiores de 21 anos. 

Ao fazer isso, de acordo com a lógica dos defensores da legalização, o Estado eliminaria um mercado negro para a substância ilícita mais amplamente usada no mundo. 

Mas, como mostram as acusações feitas contra Stonehouse e um exército de outros criminosos canábicos chegando aos outros estados que até agora legalizaram a droga – Massachusetts deve se tornar o nono – isso não funcionou dessa forma. 

Pois, como Stonehouse supostamente disse a um agente disfarçado durante o café da manhã, ele considerou começar um negócio legal de maconha até perceber que um ilegal era “fácil demais” depois da legalização – e a introdução de impostos punitivos fez com que o preço dos fornecedores subissem rapidamente. 

Este caso (que ainda não foi para o tribunal), e dezenas de outros como ele, deve servir como uma advertência para qualquer um – especialmente o ex-líder conservador William Hague, que desencadeou uma tempestade política com sua alegação de que a “guerra contra a maconha foi perdida” – a favor da legalização da droga. 

Quanto ao argumento que emplacou Hague e outros políticos britânicos, incluindo o ex-vice-primeiro-ministro Sir Nick Clegg, e alguns chefes de polícia – de que a legalização da maconha vai reduzir o crime – as lições do Colorado e de outros lugares sugerem o contrário. 

Tome como exemplo a Califórnia. Em janeiro deste ano, tornou-se o sexto estado a legalizar as vendas de maconha para uso recreativo. Tal como acontece com outros estados, a principal atração era dinheiro na forma de impostos sobre vendas legais da droga. 

A Califórnia – sua economia recentemente superou a da Grã-Bretanha – esperava criar uma indústria de maconha de US $ 10 bilhões que aumentaria os valores nos cofres públicos em US $ 1 bilhão por ano. 

Médicos, cientistas e autoridades policiais que se opõem à legalização dizem que essa ganância cegou aqueles que deveriam conhecer melhor os riscos de incentivar o consumo da maconha, ignorando os seus efeitos colaterais prejudiciais e o impacto sobre os níveis de criminalidade. 

O estado já era uma das maiores áreas de cultivo de maconha do mundo e agora, seis meses depois, implacáveis cartéis de drogas mexicanos mudaram-se e montaram plantações em larga escala de 25.000 plantas enquanto exploram uma grande falha no argumento pró-legalização. 

Para proporcionar o prometido aumento de receita, as autoridades têm que impor impostos e taxas extremamente altos aos negócios legais da maconha, que devem ser licenciados. 

Mas quando o preço da maconha legal praticamente dobra como resultado, tanto os produtores quanto os usuários recorrem ao mercado negro em expansão, onde podem obter um preço muito melhor. 

E cujo mercado negro, é claro, agora é muito mais difícil de controlar, porque a polícia tem pouco discernimento sobre o que é maconha lega e ilegal – onde é cultivada por um produtor não licenciado ou vendida por um varejista não licenciado. 

Isso é antes de considerarmos o surto de outros crimes relacionados à maconha nos estados em que foram legalizados, incluindo indivíduos dirigindo sob a influência e crimes violentos. 

Como um especialista em drogas nos Estados Unidos disse recentemente: “Daqui a cinco ou dez anos, vamos olhar para trás e dizer: ‘Meu Deus, o que fizemos?’”. 

Uma queda acentuada no crime não é a única grande reivindicação feita para a legalização da maconha que está se provando uma ilusão. O conceito de ser uma substância largamente inofensiva – muito menos prejudicial, dizem os seus defensores, do que o álcool – está desmoronando. 

Há uma riqueza de evidências ligando a maconha ao aumento do risco de ataques cardíacos, infertilidade, transtornos psicóticos, como a esquizofrenia, e problemas de memória e atenção. Outros estudos mostraram que o uso de maconha afeta o desenvolvimento do cérebro em jovens. 


Em particular, novas formas da droga (muitas vezes conhecidas como shunk) contêm uma quantidade muito maior do químico tetrahidrocanabinol (THC), que pode induzir comportamento psicótico e perda grave de memória. 

Dois estudos – um do King’s College London – concluíram que o uso contínuo de maconha causa um comportamento violento como resultado direto de mudanças na função cerebral. 

Estima-se que até 10% das pessoas que usam maconha se tornam dependentes. 

Outros desenvolvimentos no Colorado também são motivos de alarme, incluindo o aumento dramático nas mortes causadas pelo consumo da maconha, uso de maconha em adultos e internações hospitalares por emergências relacionadas à maconha nos últimos quatro anos. 

E a legalização nem sequer começou a abordar o que era o seu objetivo mais louvável – reverter o enorme número de jovens negros e hispânicos presos por crimes relacionados à maconha. 

De fato, as taxas de detenção entre negros e latino com menos de 21 anos (que não têm permissão para comprar a droga legalmente) aumentaram dramaticamente no Colorado, enquanto a polícia diz que ainda se sente obrigada a prender alguém, obviamente infringindo a lei. 

Enquanto isso, o governador do Colorado, John Hickenlooper, disse que seu status de “capital canábica” ajudou a produzir “desabrigados crônicos” no estado, já que as pessoas migram para lá para aproveitar a disponibilidade fácil de maconha, enquanto os adultos coloradianos (que são legalmente autorizados a ter certa quantidade de maconha e manter até seis pés [planta]) são agora os usuários de maconha nº 1 da América, acima do sétimo lugar antes da legalização da droga. 

O estado está inundado pela droga de cheiro doentio. Existem agora mais lojas de maconha – 491 – no Colorado do que as filiais do Starbucks (392) ou do McDonald’s (208). 

Em abril, Hickenlooper alertou que ele pode até tentar recriminalizar a maconha recreativa. Embora seja muito contestado se a droga é culpada, com os dados chegando agora, é claro que o crime no Colorado – particularmente o crime violento – está aumentando, enquanto a tendência nacional está em baixa. 

O crime globalmente aumentou 11% entre 2013 e 2016 e 17% em Denver, a capital do estado e seu centro da maconha. 

O governador do estado não é o único a ter dúvidas. 

O jornal Denver Post apoiou a legalização – e continua a fazê-lo –, mas admitiu, após a sua própria investigação, que o número de condutores mortos em acidentes de trânsito com maconha nos seus sistemas nervosos aumentou consideravelmente. 

Ed Wood, um empresário do Colorado, começou a fazer campanha contra a condução sob influência de drogas depois que o seu filho de 33 anos foi morto em um acidente de trânsito com um motorista muito chapado. 

As pessoas mencionam isso como uma grande experiência”, disse ele sobre a legalização do Colorado. “E o único resultado que eles medem é o da receita fiscal, e isso é vergonhoso e uma desgraça”. 

Justin Smith, o xerife do condado de classe média de Larimer, ao norte de Denver, que diz que sua prisão está cheia de criminosos atraídos pelo estado pela disponibilidade da maconha barata e do mercado negro. Ele acrescenta que os assassinatos relacionados à maconha – antes uma raridade – tornam-se “não mais incomuns”. 

Na cidade de Colorado Springs, o promotor público Dan May chamou a maconha de “droga de transição para o homicídio”. 

Dos 22 assassinatos na cidade em 2016, oito foram relacionados à droga, diz ele. 

Nós, policiais, dizíamos: ‘a legalização não impedirá o crime’”, diz a procuradora-geral do Colorado, Cynthia Coffman. 

Você estará apenas facilitando para que as pessoas que querem ganhar dinheiro. O que fizemos [legalizando a maconha] é dar cobertura a elas”. 

A palavra final vai Tom Gorman, de um observatório de monitoramento de drogas dos EUA e diretor do programa Área de Tráfico de Drogas de Alta intensidade de Rocky Mountain (que cobre o Colorado). 

Quando lhe pergunto o que ele diria àqueles que fazem lobby pela legalização da maconha no Reino Unido: “Olhe para os fatos e ignore a retórica”, ele adverte. 

Mas uma vez que você tome essa decisão e abra essa porta, será difícil fechá-la”. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...