30 de mai de 2018

Relatório dos EUA condena China, Coreia do Norte e outros por perseguir liberdade de crença




Epoch Times, 30 de maio de 2018


Por Paul Huang


China, Coreia do Norte, Rússia, Arábia Saudita e um punhado de outros continuam a abusar da liberdade religiosa em seus respectivos países sem hesitação, diz um relatório do Departamento de Estado dos EUA.

“Os Estados Unidos não permanecerão como espectadores”, disse o secretário de Estado, Mike Pompeo, durante uma coletiva de imprensa do Departamento de Estado na terça-feira para apresentar o mais recente relatório internacional sobre liberdade religiosa. “Vamos entrar no ringue e nos solidarizar com todos os indivíduos que buscam desfrutar de seus direitos humanos mais fundamentais.”


O relatório deste ano foi preparado em parte pelo antecessor de Pompeo, Rex Tillerson, que destacou a China durante o lançamento do relatório do ano passado em agosto. A posição da liberdade religiosa na China neste ano não melhorou nem um pouco, já que o relatório detalhou como o regime chinês continua a perseguir os praticantes do Falun Gong, os muçulmanos uigures, os budistas tibetanos e os cristãos na China.

Pompeo também anunciou planos de realizar a primeira reunião ministerial em Washington, D.C., de 25 a 26 de julho, para reunir “países que pensam da mesma maneira” para discutir formas de proteger a liberdade religiosa.

“A [reunião] ministerial também será a minha primeira a presidir como secretário de Estado”, disse ele. “E isso é muito intencional. A liberdade religiosa é de fato um direito humano universal pelo qual eu lutarei.”

O Departamento de Estado é encarregado pelo Congresso de divulgar o relatório anual, que analisa a situação da liberdade religiosa em países do mundo todo no ano anterior.

A seção do relatório sobre a China documenta inúmeros abusos à liberdade religiosa em 2017. Em Xinjiang, grupos de direitos humanos e outros relataram que centenas de milhares de muçulmanos uigures foram enviados à força para campos de reeducação, e segurança e vigilância extensivas e invasivas foram impostas à população uigur, de acordo com o relatório.

A seção do relatório sobre a Coreia do Norte citou uma ONG sul-coreana e disse que houve 1.304 casos de violações do direito à liberdade de religião ou crença pelas autoridades norte-coreanas durante o ano, incluindo 119 assassinatos e 87 desaparecimentos.

Ecoando Pompeo, Sam Brownback, o embaixador-geral dos EUA para liberdade religiosa internacional, disse que “a situação continua terrível para muitas pessoas ao redor do mundo”, durante uma coletiva de imprensa no Centro de Imprensa Estrangeira.

“O que há de errado em permitir que as pessoas pratiquem sua fé?”, questionou Brownback, ao discutir o uso do “combate ao terrorismo” como justificativa para perseguir os uigures em Xinjiang: “Você está produzindo mais terroristas fazendo isso, e isso está nos dados acadêmicos atualmente. Então, eu perguntaria ao governo chinês, suas práticas são contraproducentes em se tratando da questão de terrorismo.”

“Nosso objetivo é proteger a liberdade de consciência de todas as pessoas. Isso significa proteger um muçulmano, budista, praticante do Falun Gong ou cristão na China e sua capacidade de praticar sua fé e viver sua vida”, disse Brownback. “Isso significa proteger um blogueiro no Oriente Médio que não acredita no que seu governo pode acreditar. Nosso desejo é proteger ambos, para proteger o direito de todos de praticar livremente o que eles acreditam.”

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...