7 de mai de 2018

França – Grã-Bretanha apoia plano francês para uma força de defesa europeia

A ministra francesa da Defesa, Florence Parly, disse em fevereiro que a força planejada seria capaz de "responder a uma ameaça na vizinhança imediata pela UE"



The Local Fr, 05 de maio de 2018



A Grã-Bretanha está apoiando um plano francês para criar uma força de intervenção militar europeia como forma de manter fortes laços de defesa com a União Europeia depois que o Brexit for consolidado, disse um ministro à AFP no sábado. 

O ministro júnior britânico da Defesa Frederick Curzon, disse que Londres está “muito interessado em apoiar” o plano do presidente francês Emmanuel Macron para uma força que poderia ser usada rapidamente para lidar com as crises. 


A força, conhecida como a Iniciativa de Intervenção Europeia, seria separada de outra cooperação de defesa da União Europeia, significando que não haveria nenhum obstáculo para a participação da Grã-Bretanha depois que ela deixasse o bloco. 

Estamos muito interessados em apoiar o presidente Macron nesta iniciativa”, disse Curzon à AFP ao chegar a uma reunião de ministros da Defesa da União Europeia em Sofia. 

Estamos ansiosos para nos reunir com os nossos colegas franceses para trabalhar com as ideias que eles formularam para um sistema de segurança e defesa mais eficiente e unido em toda a Europa. Acreditamos que ele tem um papel real a desempenhar”. 

Vinte e cinco países da União Europeia assinaram um grande pacto de defesa em dezembro passado, concordando em cooperar em vários projetos militares, mas não está claro se a Grã-Bretanha poderá participar de qualquer um deles depois que deixar o bloco. 

Londres sempre resistiu a movimentos para criar algo que se assemelhe a um “exército da União Europeia”, mas também enfatizou que quer continuar a manter fortes laços de segurança com a União Europeia depois do Brexit. 

Curzon disse que a iniciativa de intervenção poderia desempenhar um papel importante nisso. 

Isso certamente ajudará a alcançar o que estamos procurando, que é uma parceria profunda e especial com os nossos colegas europeus em defesa e segurança”, disse ele. 

Pequeno e decisivo

A União Europeia anunciou nesta semana planos de gastar quase 20 bilhões de euros em defesa em seu orçamento para 2021-2027, a maioria dos quais irá para pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias militares para o bloco. 

Mas o acordo de cooperação de defesa de dezembro, conhecido pela sigla PESCO, não incluiu planos para uma força de intervenção. 

A União Europeia tem quatro “grupos de combate” militares multinacionais desde 2007, mas desacordos políticos significam que as tropas nunca foram mobilizadas. 

Paris espera que, concentrando-se em um pequeno grupo de países, sua nova iniciativa possa agir de forma mais decisiva, livre dos encargos que às vezes dificultam a ação dos 28 membros da União Europeia e dos 29 membros da OTAN. 

A iniciativa é uma maneira de cooperar entre países com as capacidades operacionais ou de apoio e que estão dispostos a usá-los onde quer que pareça necessário e útil”, disse a ministra da Defesa da França, Florence Parly, à AFP em Sofia. 

Parly usou a reunião de sábado para detalhar o plano a colegas ministros de defesa e manteve conversas diretas com a chefe da política externa da União Europeia, Federica Mogherini, para garantir que ela não competiria com o PESCO. 

Tivemos que explicar em termos concretos o que isso envolve e tranquilizar alguns dos nossos parceiros sobre a forma como esta iniciativa está sendo coordenada com tudo o que a União Europeia está fazendo”, disse ela. 

Os nove países que manifestaram interesse em se juntar à França na iniciativa, que supostamente incluem Alemanha, Itália, Espanha e Estônia, se reunirão em junho para formalizar o plano, disse Parly. 

A França tem feito questão de construir uma força multinacional que possa intervir no exterior, como aconteceu no Mali em 2013. 

Mas Parly disse que as missões também podem incluir a evacuação de postos avançados nacionais, e que os países que não querem comprometer tropas para combater podem contribuir com a logística. 

A iniciativa está fora da PESCO, mas Mogherini esforçou-se para enfatizar que seria complementar. 

“Há coordenação total, há total coerência”, disse Mogherini. 

O que eu vejo é a intenção do lado francês de tornar a futura iniciativa que eles têm em mente perfeitamente coerente com o trabalho que estamos fazendo na PESCO”. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...