2 de abr de 2018

A Suécia está pronta para uma guerra civil?



Gates of Vienna, 22 de março de 2018.




Guerra civil sueca à vista?



Por Fjordman.


Em 03 de março de 2018, o jornal liberal americano The New York Times publicou um artigo intitulado “Granadas de mão e violência de gangues chocam a classe média sueca”. Um artigo com tal título teria sido impensável há algumas gerações. No entanto, a imigração em massa está transformando dramaticamente a sociedade sueca.

O NYT agora admite que assaltos e tiroteios relacionados a gangues estão se tornando mais frequentes. O número de bairros classificados pela polícia como “manchados pelo crime, inquietação social e insegurança” está aumentando. Nas grandes cidades, hospitais relatam confrontos armados em salas de emergência. Administrações de escolas dizem que ameaças e confrontos armados se tornaram comuns. O uso de granadas de mão tornou-se perturbadoramente comum. A polícia está lutando para coletar informações em bairros de imigrantes onde as gangues intimidam testemunhas. “Perdemos a confiança das pessoas que vivem e trabalharam nessa área”, diz o superintendente da polícia, Gunnar Appelgren.


Appelgren descreveu uma corrida armamentista entre grupos criminosos rivais que se tornaram difíceis de conter. Ele teme que os crescentes ataques à polícia sueca apresentem em breve fuzis de assalto AK-47 Kalashnikov e outras armas usadas em conflitos armados em todo o mundo. “Eu penso que em breve veremos, se não pararmos, mais tiroteios com Kalashnikovs e granadas de mão”, disse ele. “Eles jogam pedras e garrafas em nossos carros e nos armam emboscadas. Quando será que eles nos emboscarão com Kalashnikovs? Esse dia está perto”.

O jornal também entrevistou um imigrante do Líbano, um país que foi marcado por uma sangrenta guerra cívil a não muito tempo atrás. Ele teme que a mesma coisa possa acontecenr na Suécia. “Agora, quando penso no futuro, tenho receio”, diz ele. “Eu tenho medo pela Europa”.

É bom que o The New York Times tenha publicado este artigo. Descreve os problemas que são muito reais. No entanto, apenas alguns anos antes, o mesmo jornal pintou um quadro muito diferente da situação na Suécia.

O NYT afirmou, em janeiro de 2015, que é falso que haja zonas proibidas em algumas áreas urbanas da Europa Ocidental, dominadas por certo grupos de imigrantes. O jornal destacou-me, ao lado de escritores americanos como Steve Emerson e Daniel Pipes, por divulgar essa suposta falsidade. Isso foi publicado logo depois que terroristas islâmicos massacraram o pessoal da revista satírica Charlie Hebdo em Paris.

A Fox News emitiu um incomum pedido de desculpas no ar por permitir que âncoras e convidados repetissem que existem “zonas proibidas” somente para não muçulmanos em países europeus, como a Inglaterra e França, áreas que não estão sob o controle efetivo do estado e são governadas de acordo com a lei Sharia


Três anos depois, o mesmo jornal indica agora que gangues de criminosos de fato estabeleceram o controle de certas áreas na Europa Ocidental. Talvez eles pudessem admitir que os escritores que injustamente expuseram estavam certos o tempo todo. Isso provavelmente seria pedir demais. 

Em 2008, o escritor sueco Anders Lugn escreveu um artigo intitulado “O caminho da Suécia para o desastre”. De maneira um tanto incomum, ele até publicou este texto no principal jornal do país, o Aftonbladet... Na década de 1980, Lugn serviu como capitão das forças de paz lideradas pela ONU no Líbano durante a Guerra Civil Libanesa entre muçulmanos sunistas, muçulmanos xiitas e cristãos. Enquanto morava lá, ele se perguntou como era possível para um país tão maravilhoso com tantas pessoas boas cometer suicídio nacional e autodestruição? Entre várias razões para o colapso da sociedade libanesa, ele menciona o senso de identidade nacional e os valores comuns, forças armadas nacionais fracas, uma força policial fraca, fácil acesso às armas (legais ou ilegais) e drogas.

Houve também um sentimento geral de impotência entre os cidadãos comuns. Lugn está profundamente preocupado em observar que muitos dos fatores que contribuíram para uma guerra civil brutal no Líbano estão agora também em ação na Suécia, sua terra natal.


As coisas continuam piorando no país. O artista de hip!hop Ken Ring espera que a Suécia entre em uma guerra civil nos próximos 20 anos. Ele está pensando em se mudar para a África, que acredita ser mais segura que a Suécia. Ring fez esses comentários no programa de televisão Trygdekontoret, que foi transmitido pela emissora estatal norueguesa NRK em 13 de março de 2018. Isso também foi noticiado em Inglês pelo Breitbart News alguns dias depois.

Ring cresceu no subúrbio de Estocolmo, em Hasselby. Ele disse que a área tem visto uma dramática escalada de violência nos últimos anos. Hoje há uma guerra de gnagues aberta. A criminalidade organizada e violenta, associada a um aumento do tráfico de drogas, transformou radicalmente a área. Quando perguntado sobre por que ele iria se mudar para a África, onde sua mãe nasceu, Ring disse: “É mais seguro lá. O meu filho tem nove anos e ele me perguntou: Pai, por que é mais perigoso em Hasselby do que em Nairóbi, ou no Quênia?” Ele observa que muitos dos envolvidos em tiroteios de gangues letais não são recém-chegados. Em vez disso, eles são imigrantes da segunda geração que nasceram e foram criados na Suécia. “Eu acho que é tarde demais — que não é possível mudar”, declarou Ring e acrescentou: “Dentro de 20 anos, teremos uma guerra aberta nas ruas de Estocolmo”.

O apresentador do Talk Show e músico Thomas Seltzer afirmou que há um “gueto midiático” de pessoas que se recusaram a reconhecer esses problemas. Além disso, ele admitiu que muitos jornalistas vivem em uma espécie de sociedade paralela própria, separados de muitos desses problemas. Foi francamente admitido durante este programa que as “zonas proibidas”, onde até mesmo a polícia corre o risco de ser perseguida por gangues de criminosos, realmente existem na Suécia. Eles não são um mito. Depois disso, Ring incluiu algumas palavras sobre os racistas suecos que se opõem à imigração em massa. 

Ken Ring tem um histórico criminal admitido. Em Estocolmo, em 1999, ele foi preso por interpretar a música Sprang regeringen (“explodir o governo”), na qual ele canta o motivo de ter vandalizado o Palácio Real e estuprado a Princesa Madeleine. Apesar disso, ele foi tratado com mais respeito pela emissora estatal da Noruega, do que eu. 


Em setembro de 2011, o programa de TV Trygdekontoret, com o apresentador Thomas Seltzer mostrou uma paródia de mim como um paraplégico nazista em uma cadeira de rodas que digitava com um pincel em sua boca. Isso foi mostrado no NRK, o equivalente à BBC britânica na Noruega, a maior e mais poderosa emissora do país. A NRK foi financiada durante muitos anos por uma taxa de licença anual obrigatória a ser paga por qualquer pessoa que possua uma televisão. Meus pais, avós irmãos e amigos tiveram que financiar esse retrato medonho de mim como um idiota nazista babando.

Algumas semanas antes, em agosto de 2011, fui forçado a evacuar meu pequeno apartamento em Oslo e fugir do país depois de uma agressiva campanha midiática de demonização pública. No momento em que este retrato de mim, foi mostrado na televisão nacional no horário nobre na Noruega, eu era um sem-teto que vivia em exíliio involuntário da minha terra natal. Tudo por causa de crimes nos quais eu não estava envolvido, cometido por uma pessoa que nunca conheci em toda a minha vida: Behring Breivik.

O retrato de mim da emissora estatal norueguesa como “nazista” foi porque eu escrevi textos advertindo contra os problemas causados pela cultura muçulmana e pela imigração em massa. Aqui está o que eu escrevi em maio de 2005:  
A cultura sueca está desparecendo com surpreendente velocidade diante de nossos olhos. Se a tendência não for interrompida, a nação sueca simplesmente deixará de existir de qualquer maneira significativa durante a primeira metade deste século. O país que nos deu Bergman, ABBA e Volvo poderia se tornar conhecido como a Bósnia do norte da Europa. O “modelo sueco” não mais se referirá a um estado estável e pacífico com uma economia avançada, mas a uma história de horror eurabiana de multiculturalismo utópico, má admnistração socialista e imigração descontrolada.
Em 2018, é considerado um jornalismo corajoso e inovador alertar contra a possibilidade de a Suécia entrar em colapso e em guerra. Quando avisei a mesma coisa treze anos antes, isso foi considerado “Nazismo” pelos mesmos jornalistas. Infelizmente, a grande mídia raramente admitirá que estava errada antes. Eles certamente não se desculparão com os indivíduos que foram injustamente criticados no passado.


As elites dominantes ocidentais promovem a imigração em massa e querem que os europeus “celebrem a diversidade”. No entanto, durante a maior parte da história humana, a diversidade étnica tem sido fonte de tensões, conflitos e muitas vezes guerras. Quando a mistura étnica também é incluso um componente significativo da cultura islâmica, então o conflito armado se torna a norma e não a exceção. 

A Europa sofreu sangrentos conflitos étnicos nos Bálcãs nos anos de 1990, da Bósnia ao Kosovo, quando o estado multiétnico da Iugoslávia se desfez. Algumas pessoas fugiram da guerra civil nos Bálcãs para a Europa Ocidental. Ironicamente, a imigração em massa está agora desestabilizando a Europa Ocidental e criando também uma perigosa balcanização. Algumas das granadas de mão e outras armas que atualmente são usadas para alimentar as guerras de gangues na Suécia Multicultural vieram da fracassada sociedade Multicultural anteriormente conhecida como Iugoslávia. 

Se as tendências atuais continuarem, os suecos nativos se tornarão uma minoria em seu próprio país em algumas décadas. Provavelmente, antes de 2060, mas talvez até mesmo antes do ano de 2040. Eles já são uma minoria em algumas áreas urbanas da Suécia hoje. Essa reposição populacional acontece ainda mais rapidamente entre as gerações mais jovens. 


Guerras não são travadas por mulheres de 90 anos. São travadas por jovens predominantemente por homens jovens dispostos e capazes de usar a violência. Em breve, os suecos nativos serão simplesmente colocados entre os maiores grupos étnicos diferentes que estarão competindo pelo território antes conhecido como Suécia. Eles têm a vantagem em seu solo nativo. No entanto, eles também sofrem de várias desvantagens importantes. 

Assim como muitos outros europeus de hoje, os jovens suecos têm pouco orgulho de sua própria cultura e nação. O pouco que eles sabem sobre a sua própria herança foi lhes dito para rejeitar como sendo negativo ou irrelevante. Defender sua própria nação e cultura é apresentado como “racista”  e mal. Jovens suecos aprenderam que qualquer demonstração de masculinidade tradicional é ruim. Os muçulmanos, por outros lado, são orgulhosos, agressivos e muito mais dispostos a usar a violência para alcançar os seus objetivos. 


A Suécia tem eleições nacionais em setembro de 2018. Alguns observadores acreditam que eta poderá ser a última chance que a Suécia tem de resolver as suas crescentes tensões pacificamente. Os pessimistas temem que o ponto de não retorno tenha passado anos atrás. 

Artigos recomendados: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...