18 de jul de 2017

O Reino Unido pagará US $ 1,3 milhão para financiar abortos e contracepção ao redor do mundo

Secretária do Reino Unido para o Desenvolvimento Internacional, Priti Patel



LifeSiteNews, 17 de julho de 2017 



Por Fr Mark Hodges 



Londres, Inglaterra, 17 de julho de 2017 (LifeSiteNews) – A Inglaterra usou a “Cúpula de Planejamento Familiar” da semana passada para anunciar que está aumentando as contribuições sobre o aborto em todo o mundo. 

O Reino Unido comprometeu-se com mais de um bilhão de libras (US $ 1,309 bilhões) nos próximos cinco anos para financiar o “Planejamento Familiar” global, eufemismo politicamente correto para aborto e contracepção. Mas a secretária do Desenvolvimento Internacional, Priti Patel, reconheceu que os fundos tributários pagariam por “abortos seguros”. 

Patel disse que os gastos do governo para matar fetos em todo o mundo serão de £ 225 milhões de por ano nos próximos cinco anos, um aumento de até £ 45 milhões por ano. 

A British Pregancy Advisory Service (BPAS) também reconheceu que “o planejamento familiar” é  na verdade “contracepção e aborto

O governo do Reino Unido está ignorando os sentimentos de seus cidadãos. Uma pesquisa recente da ComRes mostrou que 65% não querem que os seus impostos sejam usados para abortos no exterior. 

A Cúpula do Planejamento Familiar foi hospedada por Patel, representando o Departamento de Desenvolvimento Internacional da Inglaterra, Melinda Gates representando a Fundação Bill e Melinda Gates, e Natalia Kanem, representando o fundo das Nações Unidas para a População. 

A Inglaterra é o segundo maior defensor do aborto no mundo. Nos últimos cinco anos, a Grã-Bretanha deu a Marie Stopes International sozinha £ 163,01 milhões. 

Na semana passada, a BPAS declarou que “a resposta ao aborto inseguro não é contracepção, é o aborto seguro”, porque “as mulheres não conseguem controlar a fertilidade apenas através da contracepção”. 

A BPAS defende a promoção global do aborto porque supostamente mais da metade das mulheres estrangeiras cujos bebês abortaram em 2016 já estavam usando contracepção. 

A “Cúpula do Planejamento Familiar” afirma que 214 milhões de mulheres precisam de contracepção. Esse número é debatido pelas próprias mulheres do terceiro mundo. 

Bianjuju Ekeocha de Culture of Life Africa explicou que as afirmações liberais de que milhões de mulheres “precisam” de contracepção são falsas. A representante africana da Sociedade para a Proteção dos Filhos Não Nascidos disse à BBC que as mulheres africanas geralmente são pró-vida e não estão pedindo ajuda para contracepção, mas para necessidades mais básicas, como água. 

Eu nasci na África, fui criada na África, e continuo a ir à África muitas vezes por ano”, ela disse. “Você pode falar com qualquer mulher [africana] comum. Eu acho que a contracepção pode ser como a 10ª coisa que ela dirá [que quer], se é”.

Ekeocha disse que o empenho liberal dos países ocidentais pelo aborto e contracepção sobre as mulheres africanas é uma forma de “colonização ideológica”. 

A contracepção e o aborto são uma “solução ocidental” para a pobreza africana, disse ela, acusando os liberais de colonialismo. “Não creio que nenhum país ocidental tenha o direito de pagar aborto em um país africano, especialmente quando a maioria das pessoas não querem aborto... e isso se torna uma forma de colonização ideológica”, disse ela. 

Ela advertiu que “muito do tecido” de uma nação africana será “destruído” pelo financiamento ocidental de grupos promotores do aborto, como Marie Stopes. 

A maioria das culturas africanas nos diferentes países africanos considera o aborto como a destruição da vida humana”, disse Ekeocha à LifeSiteNews. 

O bispo nigeriano Emmanuel Badejo é outro crítico franco do impulso ocidental para contracepção e o aborto no Terceiro Mundo. Badejo caracteriza o movimento global de “Planejamento Familiar” como estando “empurrando uma agenda imperialista” que “degrada o precioso respeito africano pela vida do feto”. 

Ekeocha também criticou os promotores da contracepção ocidental, na medida em que não advertem as mulheres africanas sobre os efeitos colaterais perigosos do DIU e outras formas de controle da natalidade. 

Minha linha de vida fora da pobreza era educação”, disse Ekeocha à BBC em um poderoso debate. “Não era a contracepção. E há tantas outras mulheres que caminharam pelo mesmo caminho que tive sem ter que recorrer a algum anticoncepcional fornecido pelo governo britânico ou pelo governo dos Estados Unidos”. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário