24 de jun de 2017

Escola cristã punida por ser muito cristã




CBN, 23 de junho de 2017 



Uma escola cristã em Indiana está sob ataque por defender o casamento bíblico. 

Lighthouse Christian Academy é uma das muitas escolas que recebem financiamento do governo. No entanto, os críticos acreditam que esse investimento deve ser retirado porque a escola condena os pecados sexuais como a fornicação e a homossexualidade. 

A ficha de admissão da Lighthouse diz que o casamento é entre um homem e uma mulher. E também proíbe o seguinte: 

  • Atividade heterossexual fora dos do casamento homem mulher. Por exemplo, sexo pré-marital, coabitação ou adultério (João 8: 1-11; I Coríntios 6: 9-20; Hebreus 13: 4); 
  • Atividade homossexual ou bissexual ou qualquer outra forma de imoralidade sexual (Romanos 1: 21-27; I Coríntios 6: 9-20); 3 
  • Exercer a identidade de gênero alternativo ou qualquer outra identidade ou comportamento que viole as distinções ordenadas por Deus entre os dois sexos, masculino e feminino (Gênesis 1: 26-27; Deuteronômio 22: 5); 

A escola diz que nunca expulsou ninguém por sua orientação sexual, mas esclareceu que se reserva o direito de expulsar qualquer pessoa que viole a política da escola. 

No entanto, críticos e ativistas LGBT acreditam que isto é razão suficiente para cortar o financiamento. 

Carissa Dollar, de 46 anos, de Indianapolis, que tem um filho transgênero, diz acreditar que as políticas da escola são definitivamente discriminatórias. 

Tenho um problema com recursos públicos sendo destinados a uma instituição privada que toma decisões que sejam discriminatórias para qualquer grupo”, disse Dollar à IndyStar. “É errado caso um aluno LGBT,  ou mesmo alguém em uma família que se identifique no espectro LGBT possa ter sua admissão negada na escola”. 

O advogado e o porta-voz da escola, Brian Bailey, dize que a escola tem o direito de definir esses padrões. 

Os pais são livres para escolher o que é melhor e o que combina com as suas convicções religiosas”, disse Bailey. “Para que haja uma escolha real e, portanto, para que uma liberdade real possa existir, o governo não pode impor a sua própria ortodoxia e homogenizar todas as escolas para que se adequem as atitudes e ideologias politicamente corretas”. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário