8 de jun de 2017

Escócia – abortos por causa de bebês com deficiência atingem altos índices




LifeSiteNews, 07 de junho de 2017. 



07 de junho de 2017 (SPUC) – Novos números divulgados pelo NHS na Escócia mostram um aumento nos abortos em que existe o risco de um bebê nascer com deficiência, bem como um número desproporcional realizado em mulheres das áreas mais desfavorecidas. 

Segmentação de deficientes. 

As estatísticas de aborto de 2016, divulgadas na terça-feira, mostram o maior número de abortos já registrados até o momento realizados sob a Prioridade E, “do risco substancial de que, a criança ao nascer sofrerá com tais anomalias físicas e mentais que seriam altamente prejudiciais”. O número de bebês abortados devido à deficiência em 2016 foi de 216, um aumento de 57% em relação a 2011 que foi de 136. 

Destes, 75 foram por conta de anormalidades cromossômicas (como a síndrome de Down), 51 para outras anomalias congênitas específicas (como os sistemas cardiovasculares ou urinário) e 49 para a anomalias congênitas do sistema nervoso. A página 24 do relatório sugere que o aumento dos abortos em condições como a da síndrome de Down deve-se ao aumento dos programas de triagem para anomalia fetal. 

'Mensagem desoladora' 

John Deighan, CEO da SPUC Scotland, disse: “As novas estatísticas nos mostram que há uma contradição entre o nosso compromisso com a igualdade para com os deficientes e o 'direito de escolha' das mulheres. Na Escócia, temos justamente uma quantidade enorme de pessoas com deficiência para acomodar, mas, como sociedade, estamos erradicando-as antes de nascer, enviando uma mensagem sombria para nossa comunidade de deficientes”. 

Falhando com os marginalizados 

As novas estatísticas revelam que os abortos são desproporcionalmente comuns nas áreas mais desfavorecidas da Escócia. Em 2016, as taxas de aborto para mulheres nas áreas mais desfavorecidas eram o dobro das das áreas menos desfavorecidas. 

Todo aborto é uma tragédia, no entanto, o fato de que as mulheres mais pobres são mais propensas a ter um aborto destaca que o governo falhou com as mulheres ao não fornecer alternativas viáveis”, disse Deighan. “A minoria que pressiona a agenda do aborto está longe do resto da sociedade. O SPUC Scotland pede ao governo escocês que ofereça uma abordagem mais consistente quando se trata de membros mais fracos e vulneráveis da sociedade e não que os elimine no útero”. 

Abortos esmagadoramente por motivos sociais 

98,2% dos abortos foram realizados na Prioridade C, “a gravidez não excedeu a sua 24ª semana e que a continuação da gravidez envolve risco, maior do que se a gravidez fosse encerrada, por lesão física ou mental da mulher”, que é usada para o aborto por motivos sociais. Os outros 1,8% foram realizados por incapacidade. Nenhum deles foi listado como sendo para salvar a vida da mãe, ou para salvá-la de ferimentos permanentes e graves. Veja a campanha de miscertificação do SPUC
Reproduzido com a permissão da Sociedade para a Proteção dos nascituros ( agradeço a LifeSiteNews ). 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário