17 de mai de 2017

Reino Unido – Saias para meninos: escola de prestígio permitirá que as crianças a partir de 3 anos mudem os seus uniformes... e o sexo




LifeSiteNews, 16 de maio de 2017. 



Por Doroty Cummings McLean



Londres, Inglaterra, 16 de maio de 2017 (LifeSiteNews) – Uma das mais prestigiadas escolas particulares da Inglaterra está considerando permitir que os meninos usem uniformes de meninas na sequência de uma demanda dos estudantes para alegada “neutralidade de gênero”. 

O diretor da escola de Highgate, Adam Pettitt, disse ao Sunday Times que as crianças são mais felizes e mais seguras sendo quem são, e isso deve ser visto como uma coisa boa. “Esta geração está realmente questionando sendo binária na forma como olhamos para as coisas”, disse ele. 


Highgate School foi fundada há mais de 400 anos atrás por decreto regido pela Rainha Elizabeth I. Ela [a escola] admitiu meninas em 2004. A escola primária, e o ensino médio incluem estudantes com idades entre 3 a 18. Expressando orgulho de sua herança cristã, Highgate é “igualmente orgulhosa... dando boas-vindas aos alunos e professores  e a equipe de assistência que pertencem a outras crenças ou de nenhuma”. As taxas são entre £ 5,880 ($ 7.579 US) e £ 6,790 ($ 8752 US) a mensalidade. Ex-alunos famosos incluem o padre poeta Gerard Manley Hopinks, SJ. 

A escola, que já tem um estudante masculino transgênero, acedeu aos pedidos dos estudantes para serem chamados por nomes do gênero oposto. Também em Londres, St Paul Girls School fez manchetes em fevereiro, quando decidiu permitir que as suas alunas usassem nomes de meninos e roupas de meninos. Meninas de 16 anos ou mais podem solicitar um processo formal após serem reconhecidas como sendo de gênero neutro. Elas, no entanto, só poderão fazê-lo se permanecerem na escola. 

Por que o meu filho se sente dessa maneira? 

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido tem oito clínicas de identidade de gênero, incluindo uma para crianças, e um Serviço de Desenvolvimento de Identidade de Gênero. 

Fundado em 1989, o GIDs é uma clínica para jovens “apresentando dificuldades com sua identidade de gênero”. E para a pergunta: “Por que o meu filho se sente dessa forma?” Ele responde, “A resposta honesta é que não sabemos exatamente o porquê de qualquer criança ou jovem em particular desenvolvem sentimentos ou comportamentos variados de gênero e sexo. Também não podemos identificar em qualquer indivíduo o desenvolvimento de uma identidade transgênero.” No entanto, o GIDs afirma que sabe “que a forma como as pessoas expressam ou experimentam o seu sexo, assim como as pessoas que respondem a não conformidade de gênero, está ligada à cultura e a época em que viveram”.

O Centro Tavistock, onde crianças de até três anos procuram terapia de reatribuição de gênero, recebeu 97 referências em 2009-10, mas 2016-17 também. Embora, no ano passado, a maioria das crianças que procuraram mudança de sexo fossem meninos, 1.400 destas referências eram para crianças nascidas meninas. 

Não há uma única explicação para o aumento no número de referência”, disse o diretor do GIDs o doutor Polly Carmichael, “mas sabemos que nos últimos anos tem havido progressos significativos no sentido de aceitação e do reconhecimento dos transexuais e pessoas de diversos gêneros em nossa sociedade. Há também um maior conhecimento sobre as clínicas de gênero especializadas e os caminhos nelas, e uma  maior consciência das possibilidades em torno de tratamentos físicos para adolescentes mais jovens”. 

Artigos recomendados: 



Nenhum comentário:

Postar um comentário