16 de mai de 2017

Dinamarca – adolescente dinamarquesa convertida ao Islã considerada culpada por planejar atentados em escolas




The Local dk, 16 de maio de 2017. 



Por Michael Barret



Uma jovem conhecida como a menina Kundby foi considerada culpada de acusações de terrorismo depois de um dos mais importantes processos judiciais da Dinamarca nos últimos anos. 

O veredito de culpada foi aprovado no Tribunal de  Holbaek nessa terça-feira de manhã, informa o jornal Politiken

A jovem de 17 anos agora vai enfrentar a sentença por planejar atentados terroristas na Dinamarca. 

Mais de 50 pessoas estiveram presentes no tribunal conforme o veredito foi lido, incluindo a mãe da menina, relata o jornal. Diz-se que a menina permaneceu em silêncio durante o processo. 


Todo o júri bem como todos os juízes tinham chegado ao mesmo resultado”, disse o juiz presidente Peder Johs Christensen. 

A menina, que tinha 15 anos na época de sua prisão, em janeiro de 2016, ficou em prisão preventiva durante 16 meses, por planejar usar explosivos para atacar duas escolas, concluiu o tribunal. 

A jovem de 17 anos que nasceu e cresceu na Dinamarca, se converteu ao islamismo em 2015, alguns meses antes de sua prisão inicial. 

Durante o julgamento, no qual ela se declarou inocente, ela foi descrita como tendo sofrido uma mudança drástica, do interesse por meninos e compras para a guerra santa no espaço de apenas alguns meses. 

Ela disse ao tribunal que o seu interesse na organização terrorista Estado Islâmico começou porque achava “emocionante”. 

Ela é agora considerada uma terrorista pelo sistema jurídico dinamarquês. 

A menina será sentenciada por planejar ataques terroristas contra duas escolas – e sua ex-escola, Sydskolen em Farevejle, Zelândia Ocidental; uma escola judaica em Copenhague. 

Manuais de como fazer bombas e preparar explosivos foram encontrados quando a menina foi presa em sua casa na aldeia de Kundby, no oeste da Zelândia – de onde ela recebeu o apelido dado pela mídia – no ano passado. 

Durante a sua estada de 15 meses sob custódia antes do julgamento, a menina também escreveu uma longa biografia, sendo uma parte ficção, no qual ela supostamente explicou os pensamentos por trás de suas ações e imaginou-se como uma jihadista completa planejando atentados. Este texto foi posteriormente usado como prova pela acusação. 

Os promotores também apresentaram postagens de mídia social, cartas e outros documentos em que argumentam que a garota se expressa como alguém que foi rapidamente radicalizada, relata o Politiken

O advogado de defesa argumentou que a menina não tinha a intenção de levar a cabo os ataques, mas escreveu as coisas que ela fez na tentativa de parecer “emocionante”. 

Segundo o comunicado do veredito, os ataques planejados pela menina não foram realizados porque ela não tinha recebido uma ordem para prosseguir com o ataque contra Sydskolen e porque ela foi presa antes que pudesse realizar os seus planos contra Carolineskolen. 

Embora a polícia tenha encontrado produtos químicos que podem ser usados para fazer explosivos em sua casa, ela não tinha conseguido realmente fazer bombas. 

Mas o tribunal decidiu que havia “uma tentativa punível pelo terrorismo, já que era sua intenção trazer uma bomba para as duas escolas e detoná-la”. 

Um veredito tinha sido inicialmente previsto para o caso no início deste mês, mas foi adiado após a acusação ter apresentado novas provas, mesmo que esta fase do julgamento já tenha sido concluída, em uma fase incomum. 

Esta prova consistia de cartas em que ela sublinhou ainda as suas intenções de realizar um ataque terrorista, foi relatado posteriormente. 

A sentença ocorrerá após os casos apresentados pelo promotor sênior Kristian Kirk, e pelo advogado da menina, Matte Grith Stage, relata o Politiken

A promotoria pediu que a menina permanecesse presa indefinidamente, uma opção na lei dinamarquesa, se uma pessoa for considerada culpada de um crime muito sério e considerada um risco para a sociedade. 

Ela será sentenciada amanhã. 

Artigos recomendados:


Nenhum comentário:

Postar um comentário