11 de mai de 2017

Chile – “Se eu acabar na prisão, que seja”: diz um cristão processado por recusar-se a imprimir convites para um “casamento” gay

Cesar Mosquera e seu filho


LifeSiteNews, 09 de maio de 2017. 



Por Fabiola Torres



NOTA DO EDITOR: Cesar Mosquera falou com a correspondente do LifeSiteNews no Chile, Fabiola Torres.

09 de maio de 2017 (LifeSiteNews) – Cesar Mosquera não está zangado. O homem chileno de 38 anos de idade pai  de dois é um homem de família de fala mansa que foi criado como cristão, mas não o foi até que completou 18 anos quando começou a levar a sério a sua fé em Jesus como modo de vida. Ele também é pastor de uma pequena igreja evangélica. 

Como relatado anteriormente por LifeSiteNews, Cesar foi processado após se recusar a imprimir convites para a união civil de um "casal" do mesmo sexo. Ele falou com LifeSiteNews sobre o seu calvário e sua determinação, apesar das ameaças que vem enfrentando. 


LSN: Se isso acontecer novamente, você responderia da mesma forma? Porque você foi processado duas vezes? 

Na verdade, nós fomos processados três vezes no total. Em um desses [processos], chegamos a um acordo com MOVILH (Movimento de Libertação Homossexual e Integração), e o segundo foi retirado, eu perdi o terceiro então apelei, que é o restante do processo. (O segundo processo foi retirado porque o “casal” homossexual se separou antes da notificação oficial do caso ser dado). 

Eu não acho que isso irá acontecer novamente. Por um tempo, eu estava a dedicar todo o meu tempo a Imprenta Publicamos [o site onde ele anunciou o seu negócio de impressão da família], uma vez que era a minha única renda, mas por causa da calúnia que recebemos do lobby gay, começou a declinar e eu tinha que conseguir um emprego como um empregado. Eu tenho feito muito pouco por mim mesmo agora: design e impressão para amigos e conhecidos, mas, obviamente, e respondendo a sua pergunta, quando confrontado com qualquer questão contra os meus valores vou me recusar a fazê-lo. 

Mesmo que as coisas fiquem muito complicadas no Chile e eu ao defender as minhas convicções possa parar na cadeia, que assim seja, meu compromisso é com Deus até a morte. Tento viver da maneira que a Bíblia nos diz, que o senhor nos diz na Bíblia “se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, pegue a sua cruz, e siga-me”, e a cruz inclui a morte, escárnio, rejeição, eu já previ isso. 

LSN: Qual é o impacto que esta situação teve sobre a sua família, financeiramente e emocionalmente? 

Humanamente falando, é claro, nós nos preocupamos. Isto é injusto e, na verdade, a sociedade está se movendo na direção errada. Todos os valores foram barrados, e não apenas nesta questão, quero dizer o aborto, a identidade de gênero, existem muitos valores familiares sob ataque por parte das autoridades. Obviamente, nós nos preocupamos. No início, fomos assediados pela mídia, eles não paravam de nos chamar, tínhamos canais de TV na frente de casa que queriam nos entrevistar. Isto foi o mais difícil para a minha esposa. Ela estava em casa e sentiu a pressão, mas nós confiamos plenamente em Deus; descansamos nele. A Bíblia nos diz para estar em paz e levar os nossos problemas a ele, e só Deus pode dar-nos a paz, apesar das provações e dificuldades da vida [a Bíblia] ensina-nos a confiar em Deus, ele nos dá força para continuar. 

Houve um impacto em nossas finanças, imagino, por causa da publicidade conforme o casal gay se fazia de vítima na mídia, os nossos costumeiros clientes se recusaram aos nossos serviços, mas eu procurei um emprego e o negócio de impressão não é mais nossa principal fonte de renda. Este tem sido um trabalho muito escasso: apenas prestando serviços de publicidade e design, minha esposa às vezes vinha ajudar, era um negócio minimamente familiar, eu não tinha empregados. 

Mas o lado bom, é que eu não estou sozinho. Deus vai me apoiar de um jeito ou de outro, porque eu estou defendendo ele também. Isso se materializou quando conheci pessoas que lutam pelos direitos humanos, pelo direito à vida, pelo casamento. Tal como meu advogado e sua equipe. Eu olho para isso como algo positivo também. [Cesar está sendo representado por advogados do Chile, um grupo de advogados cristãos que prestam este serviço pro bono, como um ministério para defender a liberdade religiosa]. 

LSN: O que você acha... quando lhe acusaram de homofobia? 

Desde o início, eu tenho sido muito claro que este não é o caso. Eu tentei enfatizar que na última entrevista – que é algo que eu até tentei enfatizar com as duas pessoas que foram supostamente prejudicadas por isso tudo [os queixosos]. Nós sempre demonstramos a eles que nós, como cristãos, respeitamos a dignidade humana de cada pessoa. Deus nos manda amar, amar o próximo. Não há fobia ou rancor ou raiva ou ódio em relação a qualquer um deles ou qualquer outra pessoa homossexual. Estamos simplesmente afirmando nossas convicções, da mesma forma que eles têm o direito de expressar as suas convicções e ideologias. Eles a vivem, eles a espalham na mídia. Eu também acredito que, como cristão, tenho o direito de comunicar e expressar o meu ponto de vista e, obviamente, eu não tenho que concordar com o que propõem. Nosso ponto de vista é que dentro desse direito podemos distinguir, discernir e decidir entre fazer ou não fazer algo que vá contra as nossas convicções. Eu acho que se você pedir-lhes para fazer algo contra as suas convicções, eles não iriam fazê-lo também. Isso é simplesmente uma perseguição religiosa. 

LSN: você já teve algum contato com as pessoas que te processaram? 

Sim, eu não me lembro se era Pablo [o primeiro “casal” que processou] ou seu parceiro, quando ele enviou o e-mail pedindo uma explicação, eu respondi de forma sucinta, mas gentilmente dizendo a ele que não poderia fornecer o serviço por causa dos meus valores. Então eu descobri na mídia que eles estavam me processando. Liguei para ele diretamente (o seu número estava em seu e-mail), e expliquei meu ponto de vista, tivemos uma calma e civilizada conversa de 15 minutos, a princípio ele não queria falar, mas eu insisti, nós ouvimos uns aos outros e eu lhe disse sobre os meus valores e crença em Deus. Eu lhe disse que a minha intenção não era convencê-lo, apenas levar adiante e defender o meu ponto de vista, e ele falou sobre o seu também. Disse-lhe que fazer isso seria como trair a mim mesmo. Eu também expliquei que eu tinha recebido muitos e-mails de ódio, e insultos através do Twitter e mostrei-lhe que os delitos eram provenientes do movimento LGBTI contra mim. 

Estes são apenas alguns dos tuites que Cesar recebeu de apoiadores dos direitos homossexuais “tolerantes”: 










MOVILH também nos processou através de outro “casal”. Não houve interação com eles, nenhuma venda, nenhum contrato, nada. Este homem se sentiu ofendido, simplesmente porque eu postei algo no Twitter que tinha a ver com a mesma coisa, com os meus valores, porque eu nunca ofendi ninguém. Não é o meu estilo, mas ele se sentiu discriminado por causa de algo que eu postei. A partir do nada eu fui processado novamente. Provavelmente por causa de um conflito enter MOVILH e a Fundação Iguales [uma ONG cuja missão declarada é “Trabalho... para garantir a plena inclusão da diversidade sexual na sociedade chilena”] certamente eles competem para aparecer na mídia. Eu nunca respondi a ele ou qualquer coisa do tipo

LSN: Será que ele respondeu-lhe no Twitter? 

Não, não. 

LSN: Então, você quer dizer que ele leu algo no Twitter, se sentiu ofendido e lhe processou? 

Está correto. E eu fui levado a um tribunal local, chegamos a um acordo, mas antes disso, tive a oportunidade de falar com ele. Nós conversamos com ele e o seu advogado e expliquei a mesma coisa que expliquei a Palbo (Zapata) que o respeitamos como uma pessoa, e sua dignidade. Deus criou todas as pessoas à sua imagem, então há algo de Deus em todos. Obviamente, não estamos de acordo com as condutas, pensamentos e ideologia que alguns movimentos têm, neste caso o movimento LGBTI, mas nós respeitamos cada pessoa e, em nenhum caso, a nossa intenção era a de discriminar ou ofendê-lo. Simplesmente, não podíamos trair os nossos valores. Ele nos ouviu e entendeu. Ele não parecia zangado. Nós meio que concordamos com ele em negociar essa questão. Rolando Jimenez [porta-voz da MOVILH] estava lá como testemunha e ele tinha um monte de papéis com o nosso logotipo. Ele estava  perplexo e não queria que nos entendêssemos. Ele queria começar uma batalha legal e começou a gritar. Foi quando o meu advogado conversou com o jovem e nós finalmente resolvemos com pedidos de desculpas se ele se sentiu ofendido, mas sob nenhuma circunstância nós admitimos discriminação contra ele. 

LSN: Se o seu recurso não for bem sucedido, o que isso significa para você, financeiramente? 

A multa que obtivemos no primeiro veredito é de quase US $ 500.000 (cerca de US $ 740), mais do que eu ganho em um mês, então é claro, isso nos afeta. Eu não sou um homem rico, eu sou um trabalhador comum, que tem uma esposa e dois filhos para sustentar. Eu não tenho um emprego formal e tento ganhar a vida duma forma honesta. Isso iria me afetar. Eu não tenho poupança ou qualquer dinheiro extra para este tipo de situação. Espero em Deus que o apelo seja favorável; seria muito injusto se formos multados..., mas se for o caso, ainda vamos colocar a nossa confiança em Deus e vamos olhar para isto como uma experiência de aprendizagem. Esta é a forma como o mundo é, e é lamentável, mas não vamos nos desencorajar. 

LSN: Você já ouviu falar de quaisquer casos semelhantes no Chile? 

Não, meu advogado estava me contando que este caso abriria um precedente para o futuro. 

LSN: Se algum destes homens viessem para imprimir, digamos, brochuras de sorvete, você teria algum problema com isso? 

Não, claro que não, isso é apenas uma questão de valores, não tem a ver com eles como pessoas, e é algo que eu também lhes disse. Eles me pediram para fazer algo que se chocasse com o plano de Deus. O casamento é entre um homem e uma mulher. Qualquer coisa que vai contra os meus valores eu não faço, mas se qualquer pessoa homossexual quiser imprimir folhetos de artesanato, para venda de sorvete, e etc., isso não é um problema. 

LSN: O que você acha que os seus filhos vão aprender com isso? 

Que vale a pena seguir a Deus e que é muito mais importante lutar por nossas convicções cristãs mesmo se o mundo nos tratar como loucos, nos ofender ou nos atacar. Entendemos que há cegueira espiritual. Eu tento olhar para estes jovens através dos olhos de Cristo, com paixão e amor. Eu rogo por eles e não mantenho qualquer rancor. Eu entendo que eles estão errados. Nós acreditamos que Deus criou o homem e a mulher. O casamento é a fundação da sociedade. De acordo com a Palavra de Deus, eles tomaram decisões erradas, mas eu olho para eles com compaixão. Isso seria o meu legado para os meus filhos, que apesar de tudo tem de defender as suas convicções cristãs, porque elas são verdadeiras. 

LSN: O que você gostaria de dizer para as pessoas que estão contra você por causa do que aconteceu? 

Eu vejo que os homossexuais de grande destaque odeiam a igreja ou a discriminam. Eu gostaria que eles soubessem que a igreja, o Cristianismo, não os odeiam ou tem alguma fobia. Isso é, medo e rejeição. Pelo contrário, posso perfeitamente conversar com qualquer pessoa homossexual como eu fiz (com estes homens), independentemente se concordamos ou não, mas eu posso olhar em seus olhos e ter uma conversa, tomar um café, eu posso respeitá-los e amá-los. Mas é uma coisa completamente diferente de concordar com eles, como em uma tirania, uma ditadura ideológica. Eu acho que Deus ama a cada um e a todos. O Cristianismo não pode odiar. Isso seria ilógico. O Cristianismo é um convite aos homens e às mulheres para conciliá-los com Deus. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário