4 de abr de 2017

Terroristas do Estado Islâmico estão se reorganizando nas Filipinas – dizem os especialistas

Esta foto mostra filipinos extremistas que estão alegadamente ligados ao ISIS.



Rappler, 04 de abril de 2017. 



A instabilidade e o fácil fluxo de armas tornaram Mindanao e as ilhas filipinas próximas atraentes para os grupos extremistas, disseram os especialistas.

SINGAPURA – Os combatentes do Estado Islâmico que retornam do Oriente Médio após o colapso do grupo, devem rebaixar-se no sul das Filipinas, foi informado numa conferência de segurança nessa terça-feira, 04 de abril. 

A instabilidade e o fácil fluxo de armas tornaram Mindanao e as ilhas filipinas próximas atraentes para os grupos extremistas, disseram os oradores na conferência Milipol sobre segurança interna em Cingapura. 


Atualmente, o Estado Islâmico está trabalhando na criação de um território no sul das Filipinas. Um comunicado mais recente emitida pelo grupo anunciou formalmente uma divisão do Estado Islâmico no Leste da Ásia e no sul das Filipinas”, disse Rohan Gunaratna, analista de contraterrorismo. 

Nossa previsão para 2017 é que  a ameaça nesta região vai crescer por causa da criação de um núcleo do Estado Islâmico no sul das Filipinas”, acrescentou Gunaratna. 

A instabilidade no sul das Filipinas e a disponibilidade de armas que fluem internamente, mais o fluxo de refugiados... criam as condições perfeitas para os terroristas estrangeiros”, disse ele à Agência France-Presse após o seu discurso. 

O ministro dos Assuntos Internos de Cingapura, K. Shanmugam, também disse à conferência que o sul das Filipinas “está se tornando uma área que é difícil de controlar apesar dos melhores esforços do governo filipino”. 

Então, essa é uma área que pode servir como um santuário para os lutadores que retornam do Oriente Médio. Pode ser um lugar para onde os terroristas poderiam ir... eles podem treinar, as armas podem entrar com bastante facilidade nessa área”, acrescentou Shanmugam. 

Partes do Sudeste Asiático têm lutado há muito tempo com a militância islâmica. Centenas de radicais da região, incluindo a Indonésia e a Malásia, reuniram-se para se juntar ao Estado Islâmico no Iraque e na Síria. 

Porém, conforme o Estado Islâmico sofre reveses no campo de batalha, funcionários e analistas temem que esses lutadores retornem à região natal. 

O Sudeste Asiático sofreu o seu primeiro ataque ligado ao Estado Islâmico em janeiro do ano passado, quando extremistas lançaram um atentado suicida e um ataque armado em Jacarta. 

Em Mindanao, que há muito luta contra uma insurgência muçulmana, um punhado de grupos juraram lealdade ao Estado Islâmico. 

Artigos recomendados: 


Nenhum comentário:

Postar um comentário